quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Guarda & Suíça

Coach
O Santo Sepulcro reabriu esta quarta-feira, após a intervenção do primeiro-ministro de Israel. Situação resolvida, por enquanto.

Dezenas de freiras, padres e até um bispo foram detidos ontem em Washington. Correu tudo bem, portanto.

Leia a história de uma freira das Irmãs da Caridade que foi roubada e esfaqueada, mas perdoa os criminosos.

O Papa pediu hoje, novamente, orações pela Síria, no dia em que se soube que em Junho vai à Suíça, também por causa da Síria. Conheça também os dois livros com os quais Francisco colaborou e que saem em breve.

Sabe como descontraem os padres da Guarda? A jogar futebol, como tantos outros homens… Ainda assim, não perca esta divertida reportagem de Liliana Carona com os padres que “não jogam grande coisa”, mas são campeões do fairplay.

Aproveito para partilhar convosco a última oração escrita pelo padre Dâmaso.

Hoje é dia de artigo do The Catholic Thing. Pela primeira vez publicamos um artigo de Nicholas Senz, que se insurge contra as pessoas que insistem em ver a Igreja pela lente das disputas políticas.

A última oração escrita pelo padre Dâmaso

Hoje na Renascença houve missa de 7º dia pelo padre Dâmaso.

A capela estava cheia, o que foi a melhor homenagem que se lhe poderia ter feito!

No final da missa leu-se a última oração escrita pelo padre Dâmaso, na véspera da sua morte.

É uma oração simples e despretensiosa. Como ele, não é a sua profundidade teológica que nos atrai, mas sim a sua transparência e proximidade de Deus.

Partilho:

"Louvo a Deus, a Ele me entrego, o brilho da Sua luz me guie junto a Ti. 

O reflexo da palavra de Jesus deu valor e significado à minha vida e deu-me muita felicidade em todo o tempo da minha existência.

Louvamos e pedimos perdão a Nossa Senhora, que continua a fazer parte da humanidade.

Maria muda-nos a vida para Deus.

Muda-nos também a oração de coração. Esta deixa-nos viver para Deus."

A Igreja é uma Realidade Política ou Espiritual?

Nicholas Senz

Quando os futuros repórteres aprendem as artes do jornalismo nas faculdades e universidades, o assunto sobre o qual costumam aperfeiçoar as suas técnicas costuma ser política. Por outras palavras, a maioria dos repórteres treinam para ser jornalistas políticos. Não é nada que não faça sentido, uma vez que a maioria dos empregos para jornalistas serão aqueles que cobrem o campo da política. Mas o factor negativo é que todas as outras áreas tendem a ser vistas pela lente da política e isso pode conduzir a uma cobertura distorcida.

Os exemplos abundam, mas existem sobretudo no campo do jornalismo religioso. E vemos esta tendência não só em órgãos de imprensa seculares, que cometem erros tão básicos como confundir um crozier [báculo] com “crow’s ear” [orelha de corvo] ou a apelidar carmelitas de freiras da Luz do Karma [Karma Light]. Claro que bastaria uma pesquisa de cinco segundos no Google para resolver isto, desde que haja noção do que não se sabe. Mas o que é mais perturbador é que tendemos a ver estes mesmos erros básicos em órgãos de informação católicos. Os jornalistas católicos importam frequentemente termos políticos para as suas reportagens sobre assuntos de Igreja e os resultados são tudo menos esclarecedores.

Uma das armadilhas mais frequentes e que mais têm formado, ou deturpado, o discurso eclesial é a divisão da Igreja entre “progressistas” e “conservadores”. Para o jornalista que vê tudo pela lente da política, isto seria uma perspectiva natural. A política tem sobretudo a ver com facções com interesses diferentes a competir pelo poder para poderem aplicar as suas agendas ou ideias. Na política americana as facções tendem de facto a caber nestes dois campos. Por isso, quando um jornalista participa num encontro da Conferência Episcopal e ouve os bispos a discutir se deviam dar prioridade a questões de vida ou de justiça social, não acha muito diferente de republicanos e democratas a debater os detalhes de um orçamento no senado.

Mas o ensinamento da Igreja não cabe tão bem nesta quadrícula da política secular e as tentativas de projectar os prelados neste ou naquele campo tendem a ser fúteis. Quem lê os textos do arcebispo Jose Gomez ou do Cardeal Sean O’Malley sobre questões de vida, classifica-os de conservadores; mas se ler as suas declarações sobre a imigração ou salários justos, parte do princípio que são progressistas. A verdade é que nem um termo nem outro se aplica a um contexto eclesial, mas demasiados jornalistas católicos insistem em usá-los. Este hábito só serve para exagerar e exacerbar as divisões entre os católicos.

A aplicação destes termos à realidade interna da Igreja é ainda menos apropriada. Tipicamente, os católicos que defendem os ensinamentos e a prática da Igreja são apelidados de “conservadores” enquanto aqueles que fazem pela mudança (normalmente por algo mais em linha com a moral secular), são apelidados de “progressistas”. Mas não deveria ser a doutrina da Igreja que serve para medir as outras coisas? Uma pessoa que simplesmente defende preservar a doutrina da Igreja devia ser considerada “moderada”. Os próprios termos são reveladores dos preconceitos daqueles que os usam.

Outro problema tem a ver com a forma como os repórteres e meios de comunicação descrevem os próprios ensinamentos da Igreja. Para os católicos estes ensinamentos são e entendidos como verdades, enraizadas nas Escrituras e passadas de mão em mão pela tradição apostólica, desenvolvida ao longo do tempo pelo Magistério. Mas demasiadas vezes vemos os jornalistas católicos a descrever estas verdades com recurso a termos políticos. Diz-se que a contracepção é “proibida” pela Igreja, que esta tem uma “política” contra a ordenação das mulheres e “regras” sobre eutanásia. Esta terminologia é inteiramente desadequada e enganadora. As proibições podem ser levantadas. As políticas podem ser alteradas. As regras podem ser mudadas. As verdades não podem.

Freiras da Luz do Karma
Todos estes termos podem ser usados correctamente numa análise política, em que as diferentes facções lutam pelo poder para poderem implementar as suas preferências, vendo-as anuladas e revertidas quando o partido da oposição as expulsar do poder. Usá-los para descrever os ensinamentos da Igreja apenas deixa o leitor com a impressão de que a doutrina e o dogma são alteráveis, sujeitos a guerrilhas de poder e acordos. Imagine-se os cardeais a fazer acordos sobre parágrafos do Catecismo como os deputados fazem acordos sobre projectos de lei.

Dito isto, claro que há elementos de verdade nesta forma de falar sobre a Igreja. Qualquer pessoa que conheça as tricas dos funcionários do Vaticano poderá dizer-lhe que muito do que se passa lá é política. Enquanto a Igreja for povoada por seres humanos – e não por anjos – continuará a haver facções e politiquices.

Mas esta não é a essência da Igreja. Não define o que a Igreja é, o que ensina nem a sua mensagem salvadora. A Igreja é composta por pessoas, mas é uma instituição fundamentalmente divina. É o corpo de Cristo, vivificado pelo Espírito de Deus, trazendo pessoas para o Pai através dos seus ensinamentos, sacramentos e vida diária.

Sem essas fundações, a Igreja ter-se-ia dissolvido há muito tempo. Esta deve ser a visão que guia a Igreja. Mas boa sorte em conseguir que as escolas de jornalismo compreendam, ou ensinem, isso.


Nicholas Senz é Director da Formação de Crianças e de Adults na Igreja Católica de St. Vincent de Paul, em Arlington, Texas, onde vive com a sua mulher e dois filhos. Tem um mestrado em Filosofia e Teologia da Dominican School of Philosophy and Theology em Berkeley, Califórnia.

(Publicado pela primeira vez em The Catholic Thing na quarta-feira, 22 de Fevereiro de 2018)

© 2018 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

Santo Sepulcro fechado outra vez

A Igreja do Santo Sepulcro está fechada. É um facto quase inédito e deve-se ao protesto das Igrejas cristãs contra o Estado de Israel. Vejam aqui e aproveitem para ver uma das melhores fotos de sempre… Quem é que se meteria com estes tipos?

A liberdade religiosa protege todos os cidadãos, diz a ministra da Justiça, enquanto o presidente da Comissão da Liberdade Religiosa diz que a presença de símbolos religiosos nos espaços públicos é uma decisão que cabe às comunidades.

As seis dioceses do centro já têm um documento para aplicação do Amoris Laetitia.

Quase 9 anos depois volta a haver um português na mais alta roda da diplomacia do Vaticano. É José Avelino Bettencourt.

A minha colega Elsa Rodrigues conversou com o sociólogo francês Dominique Wolton que falou do Papa Francisco. Ele surpreende porque fala como um laico”, diz o autor.

E conheça aqui as voluntárias que vão fazer “o que for preciso” para Cabo Verde.

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

Actualidade Religiosa: Mais memórias do padre Dâmaso e Missão País

Antes de prosseguir, para quem estiver interessado, o corpo do padre Dâmaso está agora em câmara ardente na Igreja de Nossa Senhora do Amparo, em Benfica, e o funeral realiza-se amanhã, sábado ás 10h30.

Desde o mail de ontem mais pessoas quiseram partilhar memórias e homenagens ao bom padre. Marcelo Rebelo de Sousa publicou hoje uma nota, um ex-recluso recorda como a sua vida mudou por causa dele, o presidente do Conselho de Gerência da Renascença, padre Américo Aguiar escreve aqui e o seu antecessor padre João Aguiar Campos aqui. Não percam ainda estas memórias de outros que trabalharam com ele.

As minhas memórias, caso ainda não tenham lido, encontram-se aqui.

Hoje temos ainda uma reportagem sobre a Missão País, um dos maiores tesouros que a Igreja portuguesa tem para oferecer ao mundo.


Morreu o padre Dâmaso Lambers

Morreu o padre Dâmaso, o bom e santo padre Dâmaso. Estou com saudades, mas não caibo em mim de alegria por saber que ele agora está junto do seu bom amigo Jesus.

Leiam aqui o obituário que eu lhe fiz e aqui a entrevista de vida que a Marta Grosso lhe fez recentemente e a homenagem que a directora de informação, Graça Franco, lhe deixa aqui.

Para mim o padre Dâmaso desempenhou um papel especial. Para uma pessoa como eu, que se tem em tão boa conta, faz maravilhas conviver semanalmente com um santo que aparentemente nunca fazia ideia quem eu era

Obrigado meu querido santo padre Dâmaso.

quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Morreu o padre Dâmaso, um homem santo

O padre Dâmaso e o meu avô, Francis Stilwell
Dois dos santos que tive a sorte de conhecer
Tenho o privilégio de conhecer muitos bons homens e mulheres, incluindo muitos e bons padres, mas são poucos aqueles sobre cuja santidade não tenho dúvidas. O padre Dâmaso era um deles.

A paixão dele por Cristo era aterradora. Era homem para se irritar às vezes, para mandar uma ou outra “atordoada” do ponto de vista teológico, pois era sobretudo um homem da pastoral, mas a forma como brilhava quando falava de Jesus não enganava. Não era só a boca que sorria, era todo o seu corpo, o seu imponente corpo!

Quando fiz a série de reportagens “Vidas Consagradas” para o ano sacerdotal fiz-lhe uma entrevista de fundo. Falou da guerra, dos anos em família numa Holanda ocupada, da relutância com que veio para Portugal e da forma como se tinha apaixonado não só por este país mas por este povo, sobretudo pelos mais pobres e mais fracos.

Poucos anos depois um amigo meu acabou por ir para à penitenciária da PJ, onde o padre Dâmaso era capelão. Foi através dele que enviávamos todas as semanas as cartas que ajudavam a animar o H e pedi ao padre Dâmaso que o procurasse e acompanhasse, coisa que fez imediatamente.

Quando me viu de novo disse-me que o meu amigo era claramente um bom homem. Eram poucos os homens e as mulheres em quem o padre Dâmaso não via bondade.

Celebrava missa todas as semanas na Renascença, e sempre que cá estava eu ia. Normalmente fazia a primeira leitura. Certa vez li a narração do combate entre David e Golias. Ainda hoje esse relato me deixa com os pelos em pé. A fé do jovem David, o seu zelo por Deus, a confiança total no seu senhor e a épica vitória sobre o gigante… Sentei-me à espera da homilia e ouvi o padre Dâmaso dizer simplesmente. “Esta primeira leitura… Mortes, lutas… Deus não é isto. Não vou falar disto”. Só me podia rir por dentro.

Porque uma das vertentes engraçadas sobre a minha relação com o padre Dâmaso era a sua capacidade involuntária de me colocar no meu lugar. Sendo dos poucos que ia à missa na Renascença, sendo neto de grandes amigos dele, estava sempre à espera que ele me desse uma atenção especial. Mas como eu o apanhei numa fase da vida em que as memórias recentes são mais fracas, a verdade é que cada vez que o revia, sobretudo nestes últimos anos, e não obstante o seu sorriso sempre presente, tenho quase a certeza que ele não fazia a menor ideia quem eu era. E para uma pessoa como eu, que se tem em muita conta, não há melhor remédio que nos cruzarmos com um santo que não faz a menor ideia quem nós somos.

O padre Dâmaso foi um homem que se deixou consumir inteiramente por amor. Todo ele era de Deus e para Deus. De manhã vivia para a Eucaristia e à tarde vivia a partir da Eucaristia. A santidade é isso e ao pé disso eu nada sou, de facto. Mas é isso que quero ser. Ele mostrou-me que é possível.

Que privilégio poder dizer que este grande homem não fazia ideia quem eu sou.

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Hackathon no Vaticano, Billy Graham no Céu

Agora têm todo o tempo para pôr a conversa em dia
Depois de mais de uma semana de ausência não são poucas as novidades, mas começo pela morte de Billy Graham, um gigante do Cristianismo evangélico. Podem ler aqui o seu obituário, com comentários do pastor português Tiago Cavaco.

Estamos na Quaresma e como de costume as dioceses escolheram causas para as suas renúncias quaresmais. Este ano são várias, incluindo projectos em Portugal, em África, na Ásia e no Médio Oriente. As vítimas dos incêndios não foram esquecidas.

O Vaticano vai acolher pela primeira vez um “hackathon”. Está com medo? Eu também fiquei… Mas leia, não é o que parece.

Um arcebispo iraquiano desafia os países muçulmanos a contribuir para a reconstrução de aldeias cristãs danificadas pelo Estado Islâmico. “Não basta dizer que o EI não representa o Islão”, diz Bashar Warda.

O Papa aceitou a resignação de um bispo nigeriano. Parece desinteressante? Longe disso…

Convido-vos ainda a ler esta crónica do padre Tolentino, sobre o tema do retiro que ele está a orientar para o Papa Francisco.

E esta semana temos artigo do The Catholic Thing em dose dupla. Mary Eberstadt fala sobre os paradoxos da revolução sexual. É um artigo substancialmente maior que o habitual, mas que merece mesmo ser lido com atenção.

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Cinco Paradoxos da Revolução Sexual

Mary Eberstadt
Nota: Este artigo é, na verdade, dois... A primeira parte foi publicada no dia 14 de Fevereiro e a segunda, para simplificar a leitura, foi-lhe juntada no dia 21.

As definições de revolução sexual variam consoante os académicos, mas há uma fórmula simples e incontroversa. A “revolução” diz respeito a mudanças no comportamento e nas normas sexuais que se seguiram à aprovação e adopção de formas de contracepção fiáveis há mais de meio século. O primeiro factor foi a pílula, aprovada para comercialização em 1963 e disponibilizada em larga escala a partir de então. O segundo factor é a legalização do aborto a pedido em 1973 através do caso Roe v. Wade – um desenvolvimento que a aprovação da pílula tornou tudo menos inevitável. A contracepção moderna e a legalização do aborto alteraram não só os comportamentos como as atitudes. Em todo o mundo a tolerância para com o sexo extraconjugal subiu em conjunto com estas outras mudanças, por razões lógicas que já abordei noutros lados, incluindo no meu livro “Adão e Eva depois da Pílula”.

À excepção da internet, é difícil pensar em qualquer outro fenómeno desde os anos 60 que afectou a humanidade em todo o mundo tão profundamente como esta revolução em particular. Alguns dos efeitos são bem conhecidos: há quatro anos, no 50º aniversário da aprovação da pílula contraceptiva, assistimos a uma torrente de comentário e de reflexão, na maioria positiva. A revolução, como foi proclamado – e aclamado – pela revista Time e a maior parte das outras fontes seculares, tinha aplanado o campo do mercado económico entre homens e mulheres, pela primeira vez na história; tinha concedido às mulheres uma liberdade que jamais tinham conhecido. Tudo verdade. Mas há um outro lado desta história que tem sido ignorado por uma sociedade saturada pelos prazeres da revolução. A cada ano que passa acumulam-se mais provas que acabarão por alterar a narrativa cor-de-rosa que predomina. Nesse sentido gostaria de falar de cinco formas em que a revolução alterou a realidade humana como a conhecemos, cinco aparentes paradoxos que revelam o poder da revolução, em particular o seu incrível poder destrutivo.

Comecemos por uma pequena história que capta a escala da mudança. Eu cresci numa série de pequenas vilas em zonas rurais do Estado de Nova Iorque, a norte do Vale do Rio Hudson, no que parecia um planeta diferente da Cidade de Nova Iorque. Esta era, e é ainda, uma região de operários. Era o tipo de sítio em que mais rapazes nos anos 60 iam para o Vietname do que para a faculdade. Em larga medida não mudou, com uma gigantesca excepção, a família.

Nos anos 60 a maioria dos homens trabalhava nas explorações agrícolas, ou nas fábricas de cobre ou de prata locais. A maioria das mulheres casadas ficava em casa. A maior parte das famílias estava intacta – quer as religiosos quer as não religiosos. Não era uma população particularmente devota, a maioria dos residentes eram protestantes, menos de 10% católicos, e as igrejas não estavam propriamente a rebentar pelas costuras aos domingos.

Uma das minhas memórias dessa época é de uma rapariga adolescente que vivia na nossa rua e que engravidou. O pai da criança era um jovem soldado, acabado de regressar da guerra. As fofoqueiras estavam revoltadíssimas porque o rapaz não tencionava casar com ela. Nesses dias isso era chocante. Havia noivas grávidas, até adolescentes, mas os homens que recusavam casar com as mulheres que engravidavam eram objecto de reprovação. As pessoas falavam, e o que diziam não era simpático.

A rapariga acabou por ter o bebé, noutro local qualquer, e seguiu-se uma adopção. Ela regressou e acabou o liceu – tanto quanto sei sem estigma social. Mas o estigma de que me lembro, e bem, foi o que se manteve em relação ao namorado. A ideia de que ele se deveria ter responsabilizado, que era partilhada pela maioria dos adultos naquele local, e naquele tempo, desapareceu com os ventos da revolução.

Avancemos agora alguns 20 anos. No início dos anos 90 regressei e conversei com a minha antiga professora. Ela calculava que entre os 200 finalistas do liceu desse ano, cerca de um terço das raparigas estava grávida. Nem uma era casada. E sem dúvida haveria outras gravidezes para além das visíveis, pois havia boatos de que outras raparigas tinham abortado.

Ou seja, de uma gravidez escandalosa num liceu rural nos anos 70 passámos para muitas gravidezes não escandalosas nesse mesmo liceu em meados dos anos 90. Essa é uma imagem que nos mostra como a revolução sexual transformou o mundo.

O que nos leva ao primeiro dos paradoxos dessa revolução:

Paradoxo um: Se a premissa principal da revolução era a disponibilidade de contraceptivos baratos e fiáveis, porquê o aumento sem precedentes tanto no número de abortos como de gravidezes extraconjugais?

Esta é uma questão profundamente importante. Afinal de contas, quando a contracepção se tornou comum, muitas pessoas de bem-intencionadas a defenderam precisamente porque pensavam que tornaria o aborto obsoleto. A Margaret Sanger é um exemplo disso mesmo. Ela considerava o aborto “bárbaro” e argumentou que a contracepção acabaria com a prática. Entretanto a Planned Parenthood elevou-a ao estatuto de padroeira. Ela estava a fazer um argumento que parecia ser do senso comum: a contracepção fiável iria prevenir o aborto. Muitas mais pessoas, tanto antes como depois dos anos 60, acreditaram na mesma coisa. Mas os dados empíricos desde os anos 60 mostraram que esta lógica está errada. As taxas de contracepção, aborto e nascimentos fora do casamento explodiram em simultâneo. Há mais de 20 anos um grupo de economistas explicou a dinâmica destes crescimentos simultâneos com uma clareza admirável.

Antes da revolução sexual as mulheres tinham menos liberdade, mas era esperado que os homens assumissem a responsabilidade pelo seu bem-estar. Hoje as mulheres têm maior liberdade de escolha, mas os homens adoptaram para si uma opção comparável. “Se ela não está disposta a abortar ou a usar contraceptivos”, pensa o homem, “porque é que eu hei de me sacrificar para casar?” Ao remeter o nascimento da criança para a dimensão da escolha da mãe, a revolução remeteu o casamento e o apoio infantil para a dimensão da escolha do pai. Por outras palavras, a contracepção conduziu a mais gravidezes e a mais aborto porque levou ao fim do casamento por “penalti”, ou a ideia de que os homens têm uma responsabilidade igual no caso de uma gravidez não planeada.

Outra teoria interessante sobre o falhanço da contracepção na prevenção do aborto foi aduzida por Scott Lloyd, no “National Catholic Bioethics Quarterly”. Recorrendo a estudos e estatísticas da própria indústria abortista ele (tal como outros) argumenta que a contracepção conduz ao aborto – não inevitavelmente, em casos individuais, claro, mas repetidamente e seguramente, como fenómenos sociais geminados:

“A questão de fundo é esta: os contraceptivos não são tão eficazes como dizem, e o seu falhanço está no cerne da exigência pelo aborto. A contracepção permite encontros e relações sexuais que sem ela não aconteceriam. Por outras palavras, quando os casais usam contraceptivos, concordam em ter relações sexuais numa altura em que uma gravidez seria problemática. Isto conduz ao desejo por um aborto.”

Há muitos esforços nas ciências sociais, e não só, para explicar este mesmo paradoxo; mas a questão principal mantém-se: ao contrário do que a maioria teria adivinhado nos anos 60, tanto o aborto como as gravidezes não planeadas proliferaram apesar da contracepção.

Muitas das pessoas que estavam presentes no início desta revolução não teriam antecipado estas consequências paradoxais. Muitas, em boa-fé, esperavam que a humanidade dominasse estas novas tecnologias e que elas acabariam por contribuir para o bem social. Mas aqueles de nós que estão vivos hoje, em claro contraste, possuem uma imensidão de dados empíricos acumulados ao longo de décadas e podemos ver, através da ferramenta perfeitamente secular das ciências sociais, que a história da revolução sexual tomou um rumo mais sinistro.

Paradoxo dois: A revolução sexual era suposto libertar as mulheres. Mas, ao mesmo tempo, tem-se tornado mais difícil para elas conseguir aquilo que a maioria das mulheres diz querer: casamento e família.

Não estou a ser tendenciosa. Mulheres de todos os espectros políticos concordam que o casamento, ou a união para a vida, se tornou mais difícil do que outrora fora. Essa é uma razão pela qual temos actualmente barrigas de aluguer e congelamento de ovos – no caso do congelamento, com o apoio entusiástico do mundo empresarial. O objectvo destas inovações – para além dos lucros de um carreirismo ininterrupto – é estender o horizonte da fertilidade natural, para que as mulheres estejam mais livres para permanecer no local de trabalho e para encontrar marido e formar família. A suposta ideia – tal como a ideia por detrás da contracepção livre e do aborto a pedido – é de dar mais poder às mulheres, dar-lhes controlo.

Mas paradoxalmente, muitas mulheres dão por si com menos capacidade de casar, permanecer casadas e constituir família – tudo coisas que a vasta maioria das mulheres continua a descrever como seus principais objectivos. As redes sociais e a imprensa fazem eco desta preocupação com manchetes como “Oito razões pelas quais as nova-iorquinas não conseguem arranjar marido” (New York Post); ou “Porque as licenciadas não encontram amor” (The Daily Beast); ou muitas outras histórias que se preocupam com as mulheres de hoje e a questão do casamento.

Mas os economistas já desvendaram a realidade por detrás destas preocupações, mais resquícios da revolução. No seu livro “Cheap Sex: A Transformação dos Homens, do Casamento e da Monogamia”, o sociólogo Mark Regnerus utilizou as ferramentas da economia para explicar o mercado sexual pós-revolucionário, com o apoio de novos dados.

A essência do argumento é esta:
Muitas mulheres pensam que os homens têm medo do compromisso. Mas os homens, em média, não têm medo do compromisso. A questão é que os homens estão numa posição privilegiada no mercado do casamento, podendo navegá-lo de uma forma que privilegia os seus interesses e preferências sexuais.

Por outras palavras, a mesma força que erodiu o casamento de “penalti” acabou por dar mais poder aos homens e não às mulheres.

Um dos economistas citados por Mark Regnerus, Timothy Reichart, escreveu uma análise semelhante da revolução, num artigo do First Things, chamado “Bitter Pill”, em que utiliza dados dos anos 60 em diante para argumentar que “a revolução resultou numa redistribuição massiva de riqueza e de poder das mulheres e das crianças para os homens”. Especifica: “Tecnicamente, a contracepção artificial cria uma cena a que os economistas chamam o ‘dilema do prisioneiro’, em que cada mulher é levada a tomar decisões racionais que acabam por a deixar a ela e a todas as mulheres numa situação pior”.

Claro que não estamos a falar aqui nos movimentos e comunidades deliberadamente contraculturais que se juntaram para se opor à revolução desde os anos 60. Antes, estamos focados na narrativa cultural em ambientes não-religiosos – o tipo de local em que a revolução não é encarada como sendo problemática. (Ainda).

E nesse mundo, que é agora a cultura predominante, o facto de muitos homens não estarem a assentar, a casar e a constituir famílias é uma preocupação constante. É daí que surgem expressões como “síndrome Peter Pan”, dos anos 80. É por isso que “falha de lançamento” é uma expressão tão utilizada hoje e “manolescent” [homenloscente] se tornou uma palavra no Urban Dictionary.

Todos estes novos termos têm a mesma origem, que é um menor incentivo para os homens casarem, devido ao facto de o mercado sexual ter sido inundado de potenciais parceiras – “sexo barato”, como se lê no título. Também este desenvolvimento não estava entre previsões dos anos 60. Mas há mais. 

Um terceiro paradoxo tornou-se dominante na telenovela das redes sociais dos nossos dias, passa-se assim: Era suposto a revolução sexual capacitar as mulheres. Em vez disso, trouxe-nos os escândalos sexuais de 2017 e o movimento #MeToo. Para além de ter tornado o casamento mais difícil para qualquer mulher, permitiu ainda um nível de predação sexual nunca visto fora do âmbito de exércitos conquistadores.

Tomemos o exemplo de Hugh Hefner, fundador da Playboy, que morreu o ano passado. O seu império comercial assentava, claro está, em fotografias pornográficas de um grande número de mulheres. Tornou-se um exemplo da sua própria suposta filosofia, a filosofia Playboy de bebidas sofisticadas, música e, claro, sexo fácil. Foi uma ideia que se espalhou rapidamente e podemos supor que a maioria das pessoas não conhecia as verdades sórdidas que mais tarde emergiram da mansão Playboy, e não só, sobre a exploração que estava por detrás da publicidade vistosa.

Apesar disso, quando Hefner morreu muitos progressistas, incluindo autodenominadas feministas, não se pouparam a elogios ao apóstolo da revolução. Porquê? Porque ele mascarava os seus objectivos de predador na linguagem do progressismo sexual. Tal como um escritor da Forbes resumiu, “a Playboy publicou o primeiro artigo a apoiar a legalização do aborto em 1965, oito anos antes da decisão de Roe v. Wade que permitiu a prática – e antes ainda de o movimento feminista abraçar a causa. Também publicou números de telefone gratuitos para mulheres que queriam obter abortos seguros.”

Sharon Tate, Hugh Hefner, Barbi Benton e Roman Polanski
Por outras palavras, o apoio de Hefner por estas causas parece estar intrinsecamente ligado ao seu desejo de poder viver de uma forma que explora as mulheres. Esta geminação aplica-se a muitos dos escândalos sexuais que têm rebentado nos noticiários. As histórias dos Weinsteins, etc., revelam este papel estratégico do aborto na vida de numerosos homens que vêem as mulheres como objectos sexuais e desprezam a monogamia. Sem o recurso à liquidação fetal, onde estariam homens deste calibre? Em tribunal, a pagar fortunas em pensões alimentares.

Cada vez mais pensadores, mesmo fora do mundo religioso, estão a chegar à mesma conclusão. A revolução sexual não cumpriu as promessas feitas às mulheres; pelo contrário, deu ainda mais liberdade aos homens – sobretudo homens sem as melhores intenções. Francis Fukuyama, um cientista social não religioso, escreveu há quase 20 anos no seu livro “The Great Disruption” que “uma das maiores fraudes impostas durante a Grande Disrupção foi a noção de que a revolução sexual era neutra do ponto de vista de género, e que beneficiaria homens e mulheres em igual medida… De facto, a revolução sexual serviu os interesses de homens e acabou por impor fortes limites aos ganhos que as mulheres poderiam esperar da sua libertação de papéis tradicionais”.

Com essa observação, Fukuyama junta-se a uma longa e crescente lista de pensadores não-religiosos que agora, em retrospectiva, podem compreender melhor aquilo que alguns dos líderes religiosos dizem desde sempre. A revolução democratizou, efectivamente, a predação sexual. Já não era necessário ser rei ou senhor do universo noutra dimensão para poder abusar ou assediar mulheres de uma forma contínua. Tudo o que era preciso era um mundo em que a maioria das mulheres usam contracepção e não beneficiam de protectores masculinos. Por outras palavras, o mundo que nos foi entregue pela revolução.

Há um quarto paradoxo que ainda mal foi estudado, pelo menos de forma sistemática, e que precisa de o ser. Trata-se do efeito da revolução sobre o Cristianismo. Ao olhar para trás percebemos que a história da revolução tem acompanhado, simultaneamente, a polarização das igrejas por dentro ao mesmo tempo que cria laços mais fortes entre denominações diferentes do que alguma vez tinham existido.

Há décadas que os comentadores discutem o que os anos sessenta significaram para as igrejas. Alguns acolheram as inovações do Concílio Vaticano II, por exemplo, e outros saudaram as transformações teológicas radicais das principais igrejas protestantes. Outros ainda deploram estas mudanças. Seja como for, os observadores do Cristianismo hoje chegam a uma conclusão inevitável: a revolução sexual é a questão mais divisiva que atinge a fé.

Isto aplica-se tanto a católicos como a protestantes. Em 2004 o livro “A Church at War”, de Stephen Bates, um livro sobre a Comunhão Anglicana, resumia assim o seu principal argumento na contra-capa: “A política sexual vai levar ao divórcio entre Anglicanos e Episcopalianos?” Alguns anos mais tarde, escrevendo sobre o mesmo assunto em “Mortal Follies: Episcopalians and the Crisis of Mainline Christianity”, William Murchison concluiu que “para os episcopalianos, como para muitos outros cristãos, as principais questões são o sexo e a expressão sexual, nem um nem outro visto como um meio para um fim maior, mas sim como o fim em si”.

No seu livro de 2015 “Onward”, Russell Moore reflecte sobre a tensão entre evangélicos progressistas e tradicionalistas da seguinte forma: “No que diz respeito à religião na América, neste momento, o progresso resume-se sempre a sexo”.

Tal como noutros exemplos, parece seguro dizer que o estado de divisão que existe hoje não é nada que os cristãos dos anos 60 desejavam. As vozes dentro das igrejas que pediam apenas um Cristianismo “mais aberto” não sabiam o que vinha aí, que se transformou na guerra civil figurativa de hoje, que atravessa denominações e a fé em si.

Por agora termino com um quinto paradoxo. A revolução sexual não se ficou pelo sexo. O que muitas pessoas pensavam tratar-se de uma transformação privada das relações entre indivíduos acabou por reconfigurar de forma radical não só a vida familiar, mas a vida em si.

Talvez o efeito menos compreendido da revolução seja aquilo a que se podem chamar os seus efeitos macrocósmicos – a forma como continua a transformar e deformar não apenas indivíduos, mas sociedades e política também.

Algumas destas mudanças são demográficas: em grade parte do mundo desenvolvido as famílias são hoje mais pequenas e mais estilhaçadas por dentro do que em qualquer outro período da história.

Alguns efeitos são políticos: famílias mais pequenas e fracturadas colocaram uma pressão sem precedentes sob os estados sociais do Ocidente, ao reduzir a base fiscal necessária para a sustentar.  

Há ainda efeitos sociais que só agora começam a ser mapeados, como o grande aumento de pessoas a viver sozinhas, ou a demonstrar índices muito reduzidos de contacto humano ou de outras formas que constituem o campo em crescimento de “estudos de solidão” – também isto acontece em muitos países ocidentais.

Depois há as consequências espirituais, que também não podiam ter sido previstas nos anos sessenta, sobretudo por aqueles que argumentavam que uma mudança de paradigma moral ajudaria os cristãos a serem melhores cristãos.

Já argumentei noutro lado que a revolução deu aso a uma nova fé secularista e quási-religiosa – o conjunto de crenças mais potente desde o marxismo-leninismo. De acordo com esta nova fé, o prazer sexual é o bem-maior e não existe qualquer padrão moral para além do consentimento entre adultos para o que quer que seja que desejem fazer uns com os outros. Quer tenham consciência disso ou não, muitas pessoas modernas tratam a revolução sexual como uma espécie de fundação religiosa – intocável em termos de revisão, independentemente das consequências que provocou.

Estes são apenas alguns exemplos do novo mundo que precisa de ser estudado e isto vai absorver-nos intelectualmente durante muito tempo. Devemos ter esperança nesses esforços futuros. Afinal de contas, levou mais de cinquenta anos para a opinião mudar sobre apenas alguns aspectos negativos do legado da revolução. Poderão ser precisos mais cinquenta, ou cem, para que seja feito um apanhado empírico e intelectual completo e honesto. O revisionismo sobre os efeitos da revolução no mundo ainda agora começou.

Termino com um pensamento. O grande escritor russo Leo Tolstoy foi a dada altura enviado pelo seu jornal para fazer uma reportagem sobre o que se passava num matadouro local. O que viu abalou-o profundamente. A descrição que fez incluiu uma frase imortal que penso aplicar-se à nossa situação hoje. Depois de relatar os factos, Tolstoy observou, com simplicidade devastadora, “não podemos fingir que não sabemos estas coisas”.

É nesse ponto que se encontra a humanidade em 2018 no que diz respeito à revolução sexual. Não podemos continuar a fingir que não sabemos estas coisas, estas coisas que a revolução provocou.

Nos anos idílicos da década de 60 muitas pessoas de boa-fé podiam alegar ignorância sobre as consequências vindouras. Poucos podiam adivinhar quantos milhões de crianças nas gerações seguintes cresceriam sem pais em casa, por exemplo, ou quantos mais milhões seriam abortados; ou quantos homens e mulheres de casas destroçadas acabariam por sofrer de diversas formas, recorrendo a drogas – a epidemia de opiáceos não se pode resumir ao marketing – e outros comportamentos autodestrutivos.   

Há apenas meio século, muitas pessoas esperavam que a revolução não provocasse danos colaterais humanos. E, justiça lhes seja feita, quem, nesses anos, poderia ter previsto a autêntica biblioteca de ramos de ciências sociais que, entretanto, foi criada, demonstrando apenas alguns dos danos humanos afligidos a homens, mulheres e filhos da revolução?

Há cinquenta anos algumas pessoas até esperavam que as novas liberdades e controlos tecnológicos acabariam por estabilizar o casamento. A encíclica Humanae Vitae, que também completa os seus 50 anos este ano, acabaria por se tornar desprezada ao longo das décadas precisamente por prever o contrário – precisamente por insistir que a revolução iria ferir o romance e a família, e permitir o comportamento predatório dos homens e a maldade de governos.

É um paradoxo dentro do paradoxo que muitas pessoas, incluindo dentro da Igreja Católica, mesmo em altos cargos, resistiram furiosamente à rejeição que a Humanae Vitae fez da revolução – ou, já agora, qualquer rejeição da revolução – não obstante as provas.

Mas em 2018 será que algum de nós pode, em boa-fé, fingir que não sabe estas coisas que foram empiricamente documentadas? A resposta tem de ser não.

Em 1953, quando a primeira edição da Playboy chegou aos escaparates, talvez muitas pessoas quisessem acreditar na sua conversa sobre aumentar a sofisticação e a urbanidade dos homens americanos. Em 2018 não podemos continuar a fingir que a generalização da pornografia representou menos do que um desastre para o romance e um dos factores principais para os divórcios de hoje, bem como outras rupturas familiares.

Em 1973 nem mesmo os apoiantes de Roe vs. Wade podiam imaginar o que aí vinha: alguns 58 milhões de micro-humanos que nunca teriam a oportunidade de nascer, só nos Estados Unidos; generocídio, ou a matança selectiva de micro-meninas por serem meninas, em várias nações do mundo, também aos milhões. Nem podiam antever o grande salto tecnológico que acabaria por revelar a verdade sobre o aborto de uma vez por todas: a ecografia.

Será que os defensores actuais do aborto podem alegar a mesma ignorância?

Encarar os factos de forma honesta, e usá-los para estabelecer uma narrativa verídica, não é apenas uma forma de nos lamentarmos: é capacitador. Ao rejeitarmos estarmos sujeitos às falsidades da revolução, ainda que se tenham tornado a narrativa dominante dos nossos tempos, estamos a abraçar a liberdade de escrever uma narrativa nova, e mais verdadeira.

Só falta dar mais um passo na revisão do legado da revolução rumo à verdade: acabar de fingir que não conhecemos o registo histórico e empírico, quando cada ano que passa o revela cada vez, tanto à ciência como à razão. 


Mary Eberstadt é investigadora na Faith and Reason Institute. Alguns dos seus anteriores artigos para o The Catholic Thing, ou em que o seu trabalho é discutido, podem ser encontrados aqui. É autora de vários livros, incluindo It’s Dangerous to Believe e How the West Really Lost God.

(Primeira parte deste artigo publicada pela primeira vez em The Catholic Thing no sábado, 10 de Fevereiro de 2018)
(Segunda parte deste artigo publicada pela primeira vez em The Catholic Thing no sábado, 17 de Fevereiro de 2018)

© 2018 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Salve o queijo da Serra, adopte uma ovelha!

Depois de a Renascença ter dado calmamente a notícia da nota do Patriarcado de Lisboa na terça-feira, ontem o resto da imprensa acordou e decidiu pegar no assunto por um ângulo que nada tem de novo, nomeadamente a recomendação de viver em continência para alguns casais em situação irregular. Por isso ao fim da tarde pegámos no tema outra vez e pedimos ao padre José Manuel Pereira de Almeida que nos explicasse exactamente o que se passa. Vale a pena ler para ficar esclarecido.

O Cristo Rei, em Almada, vai ser “pintado” de encarnado em solidariedade com os cristãos perseguidos, tal como o Coliseu de Roma e igrejas em Alepo e em Mossul, no Iraque.

9,4 milhões visitaram Fátima no ano do centenário. Um número verdadeiramente impressionante.

Quer ajudar os produtores de queijo da Serra, afectados pelos incêndios? Adopte uma ovelha.

Conheça ainda o fantástico trabalho das irmãs hospitaleiras na Guarda, que usam a arte para ajudar as pessoas com doença mental.

A Eutanásia vai continuar a dar que falar, claro. Sobretudo com o PS a decidir que a única forma de “participar no debate” é apresentando mais uma lei, não vá ser flanqueado pelo Bloco. Hoje Henrique Raposo explica de forma brilhante por que é que é um absurdo validar e resolver de forma permanente um desespero que por natureza é transitório. Leia e partilhe!


E porque vou estar fora na próxima semana, convido-vos a tomar conhecimento e a divulgar, através da imagem que ilustra este post, a campanha dos 40 dias de oração pela vida, que começa novamente na quarta-feira de Cinzas. A causa não podia ser mais nobre.

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Jihad em Moçambique?

Jihad em Moçambique?
Está a acontecer uma jihad em Moçambique? Há indicações que sim, mas pode ser que não… Andei a investigar o assunto e com a ajuda do arabista Raúl Braga Pires, do dirigente islâmico Khalid Jamal e do bispo de Pemba, cheguei às conclusões que pode encontrar neste artigo.

O Papa Francisco está satisfeito com o facto de a Coreia do Norte e a Coreia do Sul apresentarem-se em conjunto nos jogos olímpicos de Inverno.

Já o Papa emérito, Bento XVI, escreveu uma carta publicada num jornal italiano em que fala da sua fragilidade, nesta última fase da sua peregrinação “para casa”.

Ainda sobre a notícia de ontem das orientações pastorais para a aplicação do VIII capítulo do Amoris Laetitia em Lisboa, aqui podem encontrar as mesmas em língua inglesa, caso estejam interessados ou conheçam quem esteja, podem partilhar.

Hoje é dia de Catholic Thing. O nosso amigo Randall Smith fala da pastoral dos homossexuais. “Será que estas divisões partidárias sobre “a melhor forma” de ajudar cristãos homossexuais está mesmo a ajudar alguém? Ou devemos deixar as pessoas fiéis ao ensinamento da Igreja fazer o seu melhor, e deixar os homens e mulheres homossexuais que procuram orientação da Igreja ajudar-nos a fazer sentido de tudo isto?” A ler.

Um desafio a todos os que se interessam por aprofundar o tema dos métodos naturais de planeamento familiar, o Movimento de Defesa da Vida vai organizar um workshop no fim-de-semana de 10 e 11 de Março. São 13 horas de formação e o custo são 80 euros, mas há descontos para casais e ninguém deve deixar de se inscrever por dificuldades financeiras. Os profissionais de saúde que tenham interesse em tornar-se monitores devem inscrever-se e dar conta dessa intenção aos organizadores. 

Partidarismos que Prejudicam a Prática Pastoral

Randall Smith
Imaginem que estão na Alemanha em 1930 e alguém desenvolveu um programa pastoral dirigido a judeus. Um grupo ouve falar deste programa e insiste que se não incluir esforços para converter esses judeus ao Cristianismo, será “anticristão”. O maior acto de caridade que se pode ter para com aqueles que estão separados de Cristo, diz, é assegurar que entram para o caminho da salvação. Deixá-los na ignorância e erro seria “anticristão”. E mais, tendo em conta a “questão judaica” que está a assolar o país, não seria melhor para todos se os judeus simplesmente concordassem tornar-se cristãos?

Outro grupo insiste que a única forma de lidar com qualquer judeu é afirmar a sua identidade judaica. Qualquer tentativa de o “mudar” seria preconceituosa. É verdade que há judeus como a Edith Stein que se converteram, mas ela é um embaraço para este grupo, porque o seu exemplo complica aquilo que acreditam ser o “verdadeiro ecumenismo” e o “diálogo salutar com o povo judaico”. Esse diálogo saudável não deve, segundo eles, envolver qualquer referência à fé cristã – algo que eles acreditam ser lesivo para a relação respeitável que devia existir com esta minoria tradicionalmente vitimizada. A única forma de lidar com as questões políticas que envolvem os judeus, diz este grupo, é sublinhar a terrível vitimização que tem sofrido às mãos dos cristãos e fazer com que “ser judeu” seja algo que toda a gente no país encara como uma coisa nobre. Qualquer outra coisa seria “anticristã”.

O primeiro grupo odeia o segundo e considera que estão a abandonar o seu dever de pregar o Evangelho e ganhar almas para Cristo. O segundo grupo odeia o primeiro e considera que são racistas ignorantes, preconceituosos e hipócritas que não têm a sofisticação nem a educação para saber como lidar com judeus.

Mas a pessoa que estabeleceu o programa pastoral em 1930 não faz parte nem de um campo nem do outro, e decide que o melhor que tem a fazer é juntar as pessoas para conversar. Cristãos a falar claramente sobre o seu cristianismo, ouvindo judeus a falar sobre as suas experiências a lidar com cristãos. Convida a Edith Stein para falar, não como modelo do caminho que todos devem percorrer, mas como uma pessoa com experiência dos dois mundos que pode ajudar os cristãos a compreender os judeus e os judeus a compreender os cristãos.

O primeiro grupo odeia-o porque não está a tentar converter todos os participantes ao cristianismo, deixando-os assim na ignorância e no erro. O segundo grupo odeia-o porque ele fala abertamente do seu cristianismo, algo que eles partem do princípio que vai alienar os judeus, e porque isso contraria a sua ideia de conceder aos judeus um lugar especial na sociedade. Para eles, convidar a Edith Stein, uma judia convertida, é prova provada de que o programa pastoral é insensível, porque a sua conversão é um escândalo para os judeus que conhecem. No final de contas nenhum dos dois grupos converte muitos judeus ou ajuda a diminuir a perseguição que os judeus sofrem na Europa.

Agora vejamos outro caso:

Um jovem no auge da sua carreira é convidado a assumir um cargo de liderança na “Courage”, um grupo católico para homens e mulheres com atracção homossexual. O grupo nem tenta “converter” pessoas de homossexual para heterossexual, nem faz segredo das suas convicções morais sobre a imoralidade da actividade homossexual. Embora aceitem inteiramente o ensinamento da Igreja, os seus membros também acreditam que demasiados cristãos tratam mal homens e mulheres com atracção homossexual; que a Igreja não se pode limitar a desejar que o problema desapareça; e que é importante estender a mão a pessoas que, em muitos casos, estão a sofrer, são incompreendidas e precisam da orientação espiritual e do amor da Igreja.

Só para deixar claro, a analogia que apresento aqui não é entre judeus e pessoas com atracção homossexual; é entre as reacções ao primeiro desafio pastoral e ao segundo.

Toda a gente fala em “diálogo”, mas demasiadas vezes o que isto significa é “diálogo à minha maneira”. Para o primeiro grupo, significa que estas pessoas devem vir ter connosco de forma penitente, para que nós, católicos, possamos dizer-lhes quão maus são. Para o segundo significa que devem vir ouvir-nos, penitentes, dizermos quão maus católicos somos.

Porque é que alguém iria ter com qualquer um dos grupos? Em relação ao primeiro, as pessoas que se sentem culpadas sobre algo não querem ser condenadas novamente. Preferem ir a um grupo de apoio, ouvir, aprender e reflectir na companhia de outros. Quanto ao segundo, porque é que alguém haveria de querer ir ouvir pessoas a choramingar sobre a sua própria culpa? Como é que isso as ajuda? Essas pessoas limitaram-se a pegar no meu problema e apropriar-se dele. As pessoas que estão a sofrer não querem que lhes digam que não têm razões para isso. E, claro, ninguém devia mentir sobre o que a Igreja diz, só para “construir pontes” – fazendo-se passar pelo cúmulo da sensibilidade.

E o nosso jovem amigo convidado para trabalhar na Courage? Aceitará o emprego? Se o fizer, será criticado por ambos os lados – tratado com suspeição pelos partidários de um dos lados por causa do seu trabalho com os homossexuais, ou como um preconceituoso ignorante que trabalha com um daqueles grupos obedientes à Igreja, pelo outro. Se fosse amigo dele, o que é que aconselharia?

Será que estas divisões partidárias sobre “a melhor forma” de ajudar cristãos homossexuais está mesmo a ajudar alguém? Ou devemos deixar as pessoas fiéis ao ensinamento da Igreja fazer o seu melhor, e deixar os homens e mulheres homossexuais que procuram orientação da Igreja ajudar-nos a fazer sentido de tudo isto? Podemos falar honestamente sobre aquilo que a Igreja ensina e eles podem falar honestamente sobre quem são e como ouvem aquilo que lhes estamos a dizer. Se nós, enquanto Igreja, dizemos que nos interessamos pelos homossexuais, sobre as suas vidas e bem-estar, então precisamos de pastores que estejam dispostos a proclamar e a escutar a verdade.


Randall Smith é professor de teologia na Universidade de St. Thomas, Houston.

(Publicado pela primeira vez em The Catholic Thing na quarta-feira, 31 de Janeiro de 2018)

© 2018 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

Lisbon's document on the reception of chapter VIII of the apostolic exhortation “Amoris Laetitia”

This is the full text of the document published on February 6th by the Patriarchate of Lisbon, regarding application of chapter VIII of Amoris laetitia. The translation is not official, it was entirely done by me, if you quote or use it, please credit with link or my name (Filipe d'Avillez).
Passages of AL and all other official documents are from the original English translations available on the Vatican website. The only exception is the Pope's letter to the bishops of Buenos Aires and Agostino Vallini's norms for the diocese of Rome, which were translated by me.


Note on the reception of chapter VIII of the apostolic exhortation “Amoris Laetitia”

1. In his post-synodal apostolic exhortation Amoris Laetitia, concerning love in the family (AL), published on March 19th 2016, Pope Francis gives us a general Christian framework for understanding marriage and the family and some useful indications on the respective preparation and accompaniment. In chapter VIII - Accompanying, discerning and integrating weakness – he does not forget the fragile situations, especially the so-called “irregular” ones, in which the marriage was followed by rupture and a civil marriage. These people also should be accompanied: “Priests have the duty to “accompany [the divorced and remarried] in helping them to understand their situation according to the teaching of the Church and the guidelines of the bishop” (AL, 300).

This is my aim with this note, in which I refer directly to three authorised documents: Amoris Laetitia, the correspondence between the Bishops of the Pastoral Region of Buenos Aires and Pope Francis and the indications given to the priests of the Pope’s diocese (Rome) by his Cardinal-vicar. Naturally, these documents should be read in full.

Besides all alse that should be done in the scope of the church, including the diocesan tribunal, the following should be noted: “Conversation with the priest, in the internal forum, contributes to the formation of a correct judgment on what hinders the possibility of a fuller participation in the life of the Church and on what steps can foster it and make it grow. Given that gradualness is not in the law itself (cf. Familiaris Consortio, 34), this discernment can never prescind from the Gospel demands of truth and charity, as proposed by the Church. For this discernment to happen, the following conditions must necessarily be present: humility, discretion and love for the Church and her teaching, in a sincere search for God’s will and a desire to make a more perfect response to it” (AL, 300).

And, regarding the forming of conscience: “Naturally, every effort should be made to encourage the development of an enlightened conscience, formed and guided by the responsible and serious discernment of one’s pastor, and to encourage an ever greater trust in God’s grace. Yet conscience can do more than recognize that a given situation does not correspond objectively to the overall demands of the Gospel. It can also recognize with sincerity and honesty what for now is the most generous response which can be given to God, and come to see with a certain moral security that it is what God himself is asking amid the concrete complexity of one’s limits, while yet not fully the objective ideal. In any event, let us recall that this discernment is dynamic; it must remain ever open to new stages of growth and to new decisions which can enable the ideal to be more fully realized” (AL, 303)

It is against this background that the Pope says: “Because of forms of conditioning and mitigating factors, it is possible that in an objective situation of sin – which may not be subjectively culpable, or fully such – a person can be living in God’s grace, can love and can also grow in the life of grace and charity, while receiving the Church’s help to this end” (AL, 305). This section adds, in footnote 351, “In certain cases, this can include the help of the sacraments.”

We should note the restrictive character (in certain cases) and the conditional nature “can” of the sentence. And the Pope further insists: “In order to avoid all misunderstanding, I would point out that in no way must the Church desist from proposing the full ideal of marriage, God’s plan in all its grandeur […] Today, more important than the pastoral care of failures is the pastoral effort to strengthen marriages and thus to prevent their breakdown” (AL, 307).

2. On September 5th 2016, the Bishops of the Pastoral Region of Buenos Aires published a Note with basic criteria for the application of chapter VIII of Amoris Laetitia. In a letter written that same day, the Pope thanked them for the document in these terms. “The text is very good and fully lays out the meaning of chapter VIII of Amoris Laetitia. There are no other interpretations”. The recente publication of these documents in the Acta Apostolicae Sedis, CVIII/10 (2017) p. 1071 and following, requires our indispensable reception. The text were published in Portuguese in Lumen, September/October 2016, P. 73 and following.

Granted this authority, the note gives us a sequence of application of the chapter, of which I highlight the following passages:

a) Regarding the purpose: “Firstly, we should remember that it is not right to speak of giving ‘permission’ for access to the sacraments, but rather of a discernment process under the guidance of a pastor. This is a ‘personal and pastoral discernment’ (AL, 300)”. And also “This path does not necessarily end with receiving the sacraments, but may lead to other ways of achieving further integration into the life of the Church: a more active presence in the community, participation in prayer or reflection groups, or giving time to church activities etc. (cf. AL 299).”

b) As for the process: “…the priest may suggest a decision to live in continence. Amoris Laetitia does not ignore the difficulties arising from this option (cf. footnote 329) and offers the possibility of having access to the Sacrament of Reconciliation if the partners fail in this purpose (cf. footnote 364, recalling the teaching that Saint John Paul II sent to Cardinal W. Baum, dated 22 March, 1996). It continues: “In other, more complex cases, and when a declaration of nullity has not been obtained, the above mentioned option may not, in fact, be feasible. Nonetheless, a path of discernment is still possible. If it comes to be recognized that, in a specific case, there are limitations that mitigate responsibility and culpability (cf. 301-302), especially when a person believes they would incur a subsequent wrong by harming the children of the new union, Amoris Laetitia offers the possibility of access to the sacraments of Reconciliation and Eucharist (cf. footnotes 336 and 351). These sacraments, in turn, dispose the person to continue maturing and growing with the power of grace.
c) Meanwhile, the note proceeds: “But we have to avoid understanding this possibility as an unlimited access to the sacraments, as if all situations warrant it. The idea is to properly discern each case. For example, special care is called for in “a new union arising from a recent divorce” or in “the case of someone who has consistently failed in his obligations to the family” (298). Also, when there is a sort of justification or ostentation of the person’s situation “as if it were part of the Christian ideal” (297). In these difficult cases, we should be patient companions, looking for ways of integrating them (cf. 297, 299) […] Where there are unresolved injustices, providing access to sacraments is particularly scandalous.

d) To these observations, the following are added: “t may be right for eventual access to sacraments to take place privately, especially where situations of conflict might arise. But at the same time, we have to accompany our communities in their growing understanding and welcome, without this implying creating confusion about the teaching of the Church on the indissoluble marriage.”

e) And the discernment process is to continue, without giving up on the proposal of Christian marriage in its entirety: “Discernment is not closed, because it “is dynamic; it must remain ever open to new stages of growth and to new decisions which can ena­ble the ideal to be more fully realized” (303), according to the “law of gradualness” (295) and with confidence in the help of grace.”

We can also conclude that, for the bishops who sign this note, discernment should not focus only on what happened or still does happen, but should aim for full configuration to the gospel truth on marriage: see Mt 5, 31-32; 19, 3-9; Mk 10, 2-12; Lk 16, 18.

3. Very soon afterwards, on September 19th 2016, the then Papal Cardinal Vicar for the Diocese of Rome, Agostino Vallini, spoke on this issue at the dioceses’ pastoral congress. Regarding these cases and the role of the priest, who neither replaces nor disregards conscience, he said the following: “How should this opening be understood? Surely not in the sense of indiscriminate access to the sacraments, as sometimes happens, but as a discernment which adequately distinguishes, case by case. Who can decide? Based on the content of the text and the mens of its author, I see no other solution but the internal forum. Indeed, the internal forum is a favourable path to open the heart to the most intimate confidences and, if a relationship of trust is built up over time with a confessor or spiritual guide, it is possible to begin and develop with him a long, patient itinerary of conversion, made up of small steps and progressive checks. Therefore, it can be no other than the confessor, at a certain point, who in his conscience, following much reflection and prayer, takes upon himself the responsibility before God and the penitent, to ask that the sacraments be received in a reserved manner. In these cases the discernment does not end (cf. AL, 303: dynamic discernment) in order to reach new levels on the route to the fullness of the Christian ideal”. And he added: “The very delicate task of discerning, case by case, the will of God regarding these people requires that we, priests, prepare ourselves well so as to be capable of making these serious decisions”. This preparation is extendable to “lay pastoral agents”.

4. While insisting on the cordial and respectful welcoming of all people, especially the mentioned cases, Pope Francis hopes above all to underscore the value of Christian marriage and the need to prepare and accompany it. This is an insistence taken up all through Amoris laetitia, as can be seen from excerpts such as this one: “As Christians, we can hardly stop advocating marriage simply to avoid countering contemporary sensibilities, or out of a desire to be fashionable or a sense of helplessness in the face of human and moral failings. We would be depriving the world of values that we can and must offer” (AL, 35).

Both before and after the celebration of the marriage, Pope Francis refers to its binding character: “Both short-term and long-term marriage preparation should ensure that the couple do not view the wedding ceremony as the end of the road, but instead embark upon marriage as a lifelong calling based on a firm and realistic decision to face all trials and difficult moments together”, and, close to the end: “marital spirituality is a spirituality of the bond, in which divine love dwells.” (AL, 315).

Those who follow Pope Francis’ magisterium will be aware of this insistence. Na insistence we should share, in order to be faithful to his intention. Even more recently: “Unfortunately, it is a fact that, especially in the West, the family is considered an obsolete institution.  Today fleeting relationships are preferred to the stability of a definitive life project.  But a house built on the sand of frail and fickle relationships cannot stand.  What is needed instead is a rock on which to build solid foundations.  And this rock is precisely that faithful and indissoluble communion of love that joins man and woman, a communion that has an austere and simple beauty, a sacred and inviolable character and a natural role in the social order.” (Speech to the diplomatic corps, January 2018).


5. "Bearing all this in mind, I present herein some operative guidelines: a) To accompany and integrate people into the life of the community, in line with the post-synodal Apostolic Exhortations Familiaris Consortio, 84, Sacramentum Caritatis, 29 and Amoris Laetitia, 299 (see appendix). b) Carefully examine the specificity of each case. c) Not to exclude recourse to the diocesan tribunal, whenever there is doubt concerning the validity of the marriage. d) In cases in which validity is ascertained, not to neglect the proposal of a life in continence in the new situation. e) To bear in mind exceptional circumstances and the possibility of the sacraments, in line with the aforementioned apostolic exhortation and documents. f) To continue the process of discernment, bringing the practice ever closer to the ideal of Christian marriage and sacramental consistency.”


Meeting of Vicars, February 6th, 2018

+ Manuel, Cardinal Patriarch



Appendix:

  • St. John Paul II, Familiaris Consortio, 84: “Together with the Synod, I earnestly call upon pastors and the whole community of the faithful to help the divorced, and with solicitous care to make sure that they do not consider themselves as separated from the Church, for as baptized persons they can, and indeed must, share in her life. They should be encouraged to listen to the word of God, to attend the Sacrifice of the Mass, to persevere in prayer, to contribute to works of charity and to community efforts in favor of justice, to bring up their children in the Christian faith, to cultivate the spirit and practice of penance and thus implore, day by day, God's grace. Let the Church pray for them, encourage them and show herself a merciful mother, and thus sustain them in faith and hope.”
  • Benedict XVI, Sacramentum Caritatis, 29: “… Yet the divorced and remarried continue to belong to the Church, which accompanies them with special concern and encourages them to live as fully as possible the Christian life through regular participation at Mass, albeit without receiving communion, listening to the word of God, eucharistic adoration, prayer, participation in the life of the community, honest dialogue with a priest or spiritual director, dedication to the life of charity, works of penance, and commitment to the education of their children.” 
  • Francis, Amoris Laetitia, 299: I am in agreement with the many Synod Fathers who observed that “the baptized who are divorced and civilly remarried need to be more fully integrated into Christian communities in the variety of ways possible, while avoiding any occasion of scandal. The logic of integration is the key to their pastoral care, a care which would allow them not only to realize that they belong to the Church as the body of Christ, but also to know that they can have a joyful and fruitful experience in it. They are baptized; they are brothers and sisters; the Holy Spirit pours into their hearts gifts and talents for the good of all. Their participation can be expressed in different ecclesial services, which necessarily requires discerning which of the various forms of exclusion currently practised in the liturgical, pastoral, educational and institutional framework, can be surmounted. Such persons need to feel not as excommunicated members of the Church, but instead as living members, able to live and grow in the Church and experience her as a mother who welcomes them always, who takes care of them with affection and encourages them along the path of life and the Gospel. This integration is also needed in the care and Christian upbringing of their children, who ought to be considered most important”

Partilhar