quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

What the Pell?

Agora já é oficial. O Cardeal Pell foi condenado por abuso sexual de menores. Está preso, e será sentenciado a 13 de março, mas vai interpor recurso. Cá para mim esse recurso ainda vai dar que falar…

No seguimento da cimeira sobre abusos sexuais, D. Manuel Clemente, que esteve presente, diz que “o que arde cura ” e o arcebispo de Évora promete “transparência e colaboração”.

O padre José Miguel Barata Pereira, reitor do seminário dos Olivais, nega que o celibato seja um factor de risco para os abusos sexuais praticados por clero e a mesma opinião é defendida pelo padre Carter Griffin que diz, neste artigo do The Catholic Thing, que o celibato não é problema, é mesmo a solução.

Aqui podem ler a transcrição integral da minha entrevista a Danny Sullivan, que foi durante três anos responsável pela comissão que em Inglaterra supervisionava a proteção de menores na Igreja Católica. É muito interessante.

Outro tema que agora promete dar que falar é o dos padres com filhos. O cardeal responsável pela Congregação para a Família confirma que existem normas para estas situações e que a prioridade são sempre as crianças.

A diocese de Viseu quer acabar com as “esculturas de supermercado” nas igrejas e diz mesmo: “Basta!”

E termino com um desafio. O Movimento Defesa da Vida promove no fim-de-semana de 16 e 17 de Março um seminário sobre Sexualidade e Parentalidade Responsável, em Lisboa. É aberto a todos os que tenham interesse, devendo procurar mais informações aqui .


Sex abuse and safeguarding in England and Wales: "Your model is only ever as good as its weakest element"

This is a full transcript, in the original English, of my interview with Danny Sullivan, former chairman of the National Catholic Safeguarding Commission in England. The article, in Portuguese, can be read here.

Esta é uma transcrição integral, no inglês original, da minha entrevista a Danny Sullivan, ex-diretor-geral da National Catholic Safeguarding Commission, em Inglaterra. O artigo pode ser lido aqui



Since these scandals erupted, around the turn of the century, what was the biggest scandal in England?
The biggest scandal, which is reflected in the Public Inquiry, which is taking place, is the evidence of cover up by religious leaders and others, not listening to victims and survivors, and putting the reputation of the church before the rights and the needs of victims and survivors.

Is the situation very different between religious orders and the dioceses?
I think one of the biggest scandals, and it doesn't look as if this meeting is going to tackle it, is the dual system of reporting to Rome, between diocese and religious orders. Nobody seems to be calling religious order leaders to account.

I know a group of survivors in England who have written to Cardinal Nichols, they have written to the CDF, they have written to archbishop Scicluna, Hans Zoller has supported them, but nothing happens about their experience of abuse in their religious order when they were school boys in this country.

So how can a meeting really come to global outcomes about the church when there are not voting members from religious orders and religious orders do not seem to be being called to account.

For example, when the English and Welsh bishops went to the ad limina meeting in Rome, they made a statement that every bishop would offer to meet with any victim or survivor. Nothing was said about leaders of religious orders. They have not made the same offer, as a group, so if you are a survivor or a victim of a religious order you suffer even more.

From what I could find, there are guidelines dating back to 1994, but the Nolan report is from 2001. What guidelines are in place now?
There was the Nolan Report in 2001 and then in 2007 baroness Cumberlidge, a member of the House of Lords, reviewed safeguarding in the Catholic Church in England and Wales, around five or six years after the Nolan Report. It was she who proposed setting up an independent safeguarding board, always to be chaired by a lay person, and independent of the bishops. That board then had an operational arm - The Catholic Safeguarding Advisory Service - and the responsibility of that service was in setting up guidelines for safeguarding, auditing, inspecting safeguarding in dioceses and religious orders. So this all happened post-2007, and then they have constantly been looked at and reviewed.

The board you mention, is that the National Catholic Safeguarding Commission?
Yes. I chaired it for just over three years.

What would you highlight about the guidelines? In what fields have they made more of a difference?
I think they made a positive difference in that ostensibly all the bishops signed up to them. And then, following that, we persuaded almost all the religious orders to sign up to diocesan safeguarding structures, which they had to pay for, rather than being independent. If any religious order wanted to have their own safeguarding commission - and the Jesuits did - that was ok, so long as they subjected themselves to national guidelines and inspection. The Jesuits actually have a very good safeguarding commission. That is the positive side.

The negative side is that you still, on occasions, come up against the autonomy of the bishop. I had a bishop who ignored the national guidelines for how you appoint a safeguarding coordinator. I had an archbishop and a bishop who refused to meet with victims of abuse to apologise to them because their lawyers said they shouldn't.

Is reporting mandatory? Do you think it should be?
It is not mandatory by law. I always said, when I was chair, that I would unreservedly support it being the law. But in fact when we produced our guidelines we made it mandatory that if anybody came forward with an allegation then the appropriate services - police, social services - should be informed immediately.

To your knowledge, is that being followed?
As much as I know that is being followed.

Was there much communication between the Church in England and other English speaking churches?
These guidelines were produced. The Vatican liked them and recommended them to other bishops’ conferences around the world. Every year there is what is called and anglophone conference in Rome, on safeguarding, for English speaking bishops conferences. You would have people there from the African continent, from India, all kinds of countries where English was a major language spoken. We had representatives from Chile, because they just found it a supportive conference to go to, even though their main language was not English.

I think there was influence in that direction, that countries which were English speaking were able to look at our guidelines and see how helpful they might be.

And when I was chair I was certainly aware of what was happening in Germany, Australia, and I would be looking at what other countries were doing in relation to guidelines. You can always learn good practice from others. It is a bit of a two-way process.

I think also some countries bishops don't believe they have a problem, they think it is a western problem. I remember in one of these conferences an African archbishop saying "we don't have this problem in Africa, our problem is priests who have children", and Father Hans Zoller, from the Vatican commission on safeguarding said "you don't have this problem because you don't recognise it. When you do recognise it you will need our help and you will need our support".

I am under the impression that England and Wales had gone from a dreadful situation – especially at Catholic boarding schools, apparently – to becoming a model institution in terms of child safety. Is that correct?
The guidelines are a good model.

If you spoke to some of the victims and survivors, like that group I mentioned who were victims of the Comboni religious order, they would say what good are guidelines if the religious leaders ignore them? If they won't even meet us? If they won't engage with us? The only way the comboni order will meet a victim or survivor is in court. They won't meet them, they won't apologise, so while that scandal still exists I would be very weary of saying that England has a good model of anything, because your model is only as good as your weakest element, and we have some very weak elements still, in England and Wales.

This order has signed up to the guidelines, and they are ignoring them. They are ignoring all the guidelines about how you relate and relate to victims and survivors. They are ignoring everything that Pope Francis has said.

I took two survivors to meet with Pope Francis in July 2014 and I compared with what he said in his mass to victims and survivors from England, Germany and Ireland with what the leader of the Comboni order in England said. Did he apologise? No! He attacked me. How dare I criticise him. It’s all right for Pope Francis, he doesn't have the responsibility, the leader of the religious order does. It was unbelievable.

When you say "he attacked me" you mean the head of the Comboni order in England?
Yes. The Observer did a two-page story on the victims of the Combonis, and I was appalled at the lack of pastoral sensitivity in the quotes of the leader of the order in this country. I wrote a letter to the Observer, which they published, comparing his comments to what Pope Francis had said to the victims at mass, in Rome.

At that mass, in his homily, for the first time... I had never heard any bishop, archbishop or cardinal say this, Pope Francis actually identified the lived experience of victims of abuse in front of the victims. And he named that lived experience as suicide, alcohol addiction, drug addiction, inability to either make or sustain relationships and marginalisation from the Church.

I was sitting with a victim I had brought over who had started a charity to help victims of abuse, and he is quite a hardened person. And he was in tears. He said "nobody in that position in the church has ever named our experience like this".

In terms of new cases, have the guidelines made a difference? Are there fewer new cases at the moment because of them?
One of the unique things the Church in England and Wales has been doing, long before my time, is have an annual report, and every diocese and religious order is required to provide data, so we can monitor the number of allegations and priests and religious who are suspended. When I was chair we had a 10-year review of those statistics, which showed that over 50 priests had been removed from the priesthood. I don't recall, in my time, seeing the number of allegations falling in any significant way. But that might be a healthy sign, since there are good guidelines, victims and survivors feel confident enough to come forward and make the allegations.

Are children safer in the Church now than they were 20 or 30 years ago?
I think minors will only ever be safe in the Church when it is recognised that abuse is linked directly to the abuse of power and when those in power who abuse or who cover up abuse are speedily and effectively dealt with by the criminal systems of their countries and by the Church. Until lay people become sharers in decision making in the Church then a clerical elite will continue to make the rules and decide how to follow them.

If you think that exaggerated then consider: 
The CDF has a backlog of almost 2000 abuse cases.
It has only recently increased the number of Canon Lawyers working on them.
It still refuses to respond to victims of abuse who contact it but happily responds to Bishops or indeed even perpetrators. You may recall that Cardinal Mueller when in charge of the CDF and asked why he should write to victims responded by saying it was their Bishops responsibility to do that not his. Shocking!

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

O Celibato não é o Problema, é a Solução

Pe. Carter Griffin
Muitos católicos, incluindo os mais fiéis, parecem ter desistido de defender o celibato sacerdotal. Na nossa era pós-revolução sexual, muitos vêem o celibato como uma repressão pouco saudável das vontades sexuais, fomentando a epidemia de abusos sexuais na Igreja que hoje conhecemos. Segundo esta linha de pensamento, se nos queremos livrar dos abusos sexuais na Igreja, temos de nos livrar do celibato.

Esta é uma solução que, nas palavras de um crítico literário, é “limpa, plausível e errada”.

O problema não é o celibato. Dizer que os abusos sexuais entre o clero são causados pelo celibato é como dizer que a culpa do adultério é do casamento. Em ambos os casos estamos perante violações de votos sagrados, promessas que beneficiam da ajuda do Senhor para serem vividas fielmente. Por outras palavras, permitir aos padres que se casem não evitaria as transgressões sexuais. O casamento, infelizmente, não é um espaço imune ao escândalo e ao abuso sexual.

O problema não está no celibato, está no celibato mal vivido. É causado por padres que não vivem castamente. A resposta não é a eliminação do celibato, mas exigir que os padres, tal como as pessoas casadas, vivam a exigência da sua vocação.

De facto, o celibato é em si um dom precioso e insubstituível para a Igreja. Costuma ser definido de forma negativa, como “não casar”, mas é antes uma escolha positiva, uma forma poderosa de amar, com uma unicidade de propósito e uma abertura de coração única. Permite a um padre viver a sua paternidade espiritual com particular força e eficácia.

Durante séculos os benefícios espirituais do celibato sacerdotal enriqueceram a Igreja e até a cultura mais alargada. Abolir o celibato num momento de desespero não só não resolveria o problema dos abusos sexuais, como também privava as gerações futuras das inúmeras graças de paternidade espiritual que nos chegam através do celibato sacerdotal.

Mas então como é que podemos explicar esta tempestade de escândalos? A história não é bonita, mas há boas notícias para o fim.

Em primeiro lugar, durante décadas houve surpreendentemente pouco escrutínio dos candidatos à formação sacerdotal. Normalmente bastava a recomendação de um pároco e uma demonstração de aptidão académica, não havendo investigação rigorosa da maturidade espiritual nem do carácter moral, referências ou exames psicológicos.

A Igreja insistiu persistentemente que homens com inclinações homossexuais não deviam ser admitidos ao seminário (o documento mais recente neste sentido foi aprovado pelo Papa Francisco em 2016). Todavia, estes homens eram admitidos em grande número.

A maioria dos padres com atração pelo mesmo sexo não são, claro, culpados de abusos sexuais e vivem fielmente. Ainda assim, a grande maioria dos casos de abusos por padres envolvem o abuso homossexual de rapazes. Por mais controversa que tenha sido, a sabedoria da Igreja tornou-se hoje claríssima. Ignorá-la tem tido consequências terríveis para a vida de milhares de jovens ao longo de várias décadas.

Em segundo lugar, durante anos os seminaristas receberam uma formação lamentavelmente inadequada para viver o celibato casto. Segundo o testemunho de padres formados nesses anos turbulentos entre as décadas de 70 e 80, a vida interior e as práticas ascéticas necessárias para sustentar uma castidade saudável não eram inculcadas. Muitos homens foram mesmo ordenados com a ideia errada, reforçada pelos formadores no seminário, de que a obrigação do celibato seria em breve abolida.

Nalguns seminários existia uma cultura de libertinagem sexual entre seminaristas e até entre formadores que corrompia jovens vulneráveis ou afastava, enojados, os que procuravam a virtude. A situação era tanto pior quanto, em muitos seminários, a dissidência teológica e a experimentação litúrgica eram uma praga, levando a uma duplicidade hipócrita que os homens levaram com eles para o sacerdócio.

A infidelidade intelectual conduz, invariavelmente, à infidelidade moral. Se eu posso distorcer os ensinamentos da Igreja ao sabor das minhas opiniões, preferências e desejos, porque é que hei de limitar essa arrogância às proposições dogmáticas e normas litúrgicas? Porque não aos preceitos morais também? O preço a pagar na Igreja pela dissidência que durante anos fermentou nas faculdades de teologia tem sido muito alto tanto em termos de confusão doutrinal e litúrgica como, diria, em termos de abusos sexuais.

Por fim, depois de ordenados, alguns dos padres que cresceram neste clima de duplicidade permissiva foram, sem grandes surpresas, infiéis. E raramente foram censurados por isso pelos seus superiores. Alguns foram transferidos para novos serviços, quase nenhum foi demitido do estado clerical. Muitos bispos perderam a coragem e a confiança. A dimensão da corrupção entre o clero era uma vergonha embaraçosa para os bispos e o resultado é que surgiu uma cultura de profundo secretismo que agora está a ser revelada.

Felizmente a história não acaba aqui. Contra todas as expectativas, muitos padres e bispos permaneceram fiéis através dessas décadas negras e hoje honramos o seu testemunho heroico. Depois, em 1992, foi publicado o documento seminal Pastores Dabo Vobis em que São João Paulo II propôs um retrato estimulante do sacerdócio e da formação nos seminários.

Nos anos seguintes este documento foi aplicado de forma desigual pelo mundo, mas o aumento da qualidade da formação foi inquestionável. Os requisitos para admissão na maioria das dioceses têm aumentado e a qualidade de formação na maioria dos seminários melhorou drasticamente. Embora muitas pessoas não o compreendam, a reforma do clero começou há bem mais de duas décadas.

Claro que ainda há muito para fazer. Uma vez que o celibato é uma forma privilegiada de viver a paternidade espiritual, devemos continuar a melhorar a seleção e formação de futuros padres à luz dessa paternidade. Eles devem estar imbuídos de uma identidade masculina confiante e um desejo normal e saudável pelo casamento e pela paternidade, bem como a capacidade madura de poder abdicar destes grandes dons para se poderem focar na paternidade sobrenatural e possuir, ou demonstrar aptidão para, as qualidades e virtudes humanas dos melhores pais naturais.

Depois de ordenados, os padres devem ter de viver segundo os mais altos padrões de castidade. Deve-se lidar com as violações desse compromisso de forma consistente, imediata e justa, com a seriedade correspondente a uma violação de confiança grave contra a família espiritual. A castidade – serena, profunda e alegre – ao serviço da paternidade espiritual é sem dúvida o caminho para uma reforma genuína no sacerdócio.

Com a melhor das intenções, os médicos medievais costumavam tratar as doenças sangrando os seus pacientes. Sem o saber, estavam a privá-los dos nutrientes de que precisavam para se curar. Aqueles que procuram curar a doença dos abusos sexuais na Igreja sangrando-a da graça do celibato não conseguirão curar a doença e privarão o corpo de Cristo dos nutrientes tão necessários à restituição da saúde.

Se queremos abordar o problema dos abusos sexuais praticados por membros do clero, podemos começar por exigir a mesma fidelidade aos nossos padres que exigimos a toda a gente, convidando-os a abraçar, através do dom do celibato, as bênçãos da paternidade sacerdotal de que precisamos mais do que nunca.


O padre Carter Griffin é sacerdote da Arquidiocese de Washington. Está envolvido, desde 2011, com a seleção e formação de seminaristas no Seminário São João Paulo II, em Washington, DC. O padre Griffin é licenciado pela Universidade de Princeton e é ex-oficial da marinha americana. O seu livro Why Celibacy?: Reclaiming the Fatherhood of the Priest, será publicado pela Emmaus Road na Primavera. Uma versão mais longa desta deste artigo pode ser lido no site do First Things.

(Publicado pela primeira vez em The Catholic Thing no domingo, 24 de fevereiro de 2019)

© 2019 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

domingo, 24 de fevereiro de 2019

Cimeira anti-céptica e FNOmenal

Sei que não vos costumo maçar ao fim-de-semana, mas como vou estar de folga nos próximos dois dias não queria deixar de vos mandar este mail com o essencial da cimeira sobre abusos sexuais, e não só.

Mas se os abusos representam a pior faceta da Igreja, perdoem-me se prefiro começar com uma bem mais bonita. Ontem foi o Faith’s Night Out. Uma iniciativa feita inteiramente por jovens, amadores, mas de um nível absolutamente incrível. Eu cresci como homem e como cristão nas Equipas de Jovens de Nossa Senhora e a minha geração não sonhava fazer coisas tão boas. Aqui está a minha reportagem de uma noite muito, muito bem passada.

E agora para a cimeira. Hoje foi a conclusão, com um discurso do Papa em que comparou os abusos sexuais ao sacrifício de menores e elencou oito orientações para resolver este problema não só na Igreja mas em toda a sociedade.

Tendo acompanhado tudo isto de perto devo confessar que um certo cepticismo de que fosse só conversa foi ultrapassado. O arcebispo Scicluna diz que este encontro marca o ponto definitivo em que se percebeu que o encobrimento é um pecado tão grave como os próprios abusos e isso está em linha com a “revolução coperniciana” pedida pelo arcebispo de Brisbane, por uma Igreja que coloca a vítima no centro, e não o contrário .

Ontem houve também momentos fortes, entre os quais uma jornalista veterana (ainda mais veterana que a Aura Miguel!) a dizer muito claramente aos bispos que se eles estão do lado dos abusadores, então bem podem ter medo dos jornalistas. Isto no mesmo dia em que o cardeal Marx admitiu que a Igreja preocupou-se mais em disciplinar as vítimas do que os abusadores e falou de dioceses que até destruíram documentação sobre os criminosos. Uma das oradoras que mais impressão causou foi a freira nigeriana que disse aos bispos que por mais que se escondam, esta é uma tempestade que não vai passar.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

Como lidar com os bispos abusadores e tolerância zero

Mais um dia de cimeira sobre os abusos no Vaticano. Hoje o cardeal Cupich, dos Estados Unidos apresentou uma lista de 12 pontos para ajudar a criar um mecanismo de responsabilização dos bispos, que todos têm reconhecido ser uma lacuna nos actuais sistemas em vigor nos diferentes países.

Tanto Cupich como o cardeal Gracias da Índia falaram da importância de uma abordagem colegial a este problema.

Mais tarde, durante o briefing diário, houve oportunidade de se esclarecer um termo que é muitas vezes usado mas nem sempre explicado. Tolerância Zero… O que é que significa afinal?

Para além das diretrizes da Conferência Episcopal portuguesa, os jesuítas têm em vigor as suas próprias normas. A Renascença e a Ecclesia entrevistaram o padre José Maria Brito, do gabinete de imprensa, que diz que a denúncia destes casos deve ser entendida como uma obrigatoriedade de todos na Igreja.

Uma das vítimas que ontem deu o seu testemunho por vídeo foi uma mulher africana. África está imune a esta crise dos abusos sexuais? De todo… Simplesmente em muitas partes do continente nem existe a noção de que se trata de abusos.

E por fim, mudando de assunto, morreu esta sexta-feira o frei Bernardo Domingues.


quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

Pedi resultados concretos, e dár-se-vos-ão

Vítima de abusos, ouvido pela Renascença
Como devem calcular, hoje – e pelo menos até domingo – o tema é quase só um: Abusos.

Começou a cimeira no Vaticano, o Papa introduziu, pedindo aos participantes para “escutar o grito dos que pedem justiça”. Francisco também deu a cada participante uma lista de 21 pontos de reflexão que, sendo apenas pontos de reflexão, não deixam de ser pontos de reflexão dados pelo Papa. Traduzi-os para português. Vale muito a pena ler!

Depois viu-se um vídeo com testemunhos gravados de vítimas de abusos, que causou um grande impacto. Aqui podem ler alguns dos testemunhos. Custa, mas leiam.

Entretanto a Renascença falou diretamente com uma vítima que se encontra em Roma nestes dias. Mais uma vez, um testemunho duro, mas que deve ser lido.

Os primeiros oradores hoje foram o arcebispo Scicluna e o cardeal Tagle, sendo que ambos falaram da importância de se respeitar a dor das vítimas e mais tarde, no briefing, o especialista Hans Zollner deixou claro que sim, este encontro vai traduzir-se em resultados concretos.


quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

Parte do problema e parte da solução? É do melhor que há


D. Manuel Clemente partiu hoje para Roma para participar na cimeira sobre abusos sexuais. Diz que os bispos foram parte do problema, agora querem ser parte da solução.

Há quem não saiba (incluindo os autores do kit de imprensa da Santa Sé. Ver imagem) mas Portugal já tem directrizes para lidar com estes casos desde 2012 e, segundo um especialista, “são do melhor que há”. Outras diretrizes que são consideradas um modelo a seguir são as inglesas, que são até mais duras do que a lei vigente no Reino Unido, mas não impedem que continue a haver problemas.

Esta é uma boa oportunidade para recordar que no blog vou mantendo uma cronologia de casos de abusos em Portugal. Podem consultar aqui.

A cimeira termina no domingo e logo na segunda haverá uma reunião entre a comissão organizadora e todos os dicastérios aos quais este assunto interessa.

E o dia hoje começou com notícia de uma carta dos cardeais Burke e Brandmüller a tecer comentários sobre a cimeira, para a qual não foram convocados.

Mudando de assunto (sim, há outros assuntos), o artigo desta semana do The Catholic Thing em português fala de escalada, mais especificamente dos maluquinhos que fazem escalada em modo “livre solo”, isto é, sozinhos e sem cabos de segurança, para tecer algumas conclusões sobre a nossa sociedade. Leitura interessante para todos, incluindo os que, como eu, não são particularmente fãs de escalada.

O Modo de Vida Livre e a Solo

Michael Pakaluk
Os adeptos da escalada costumam trabalhar em pares. Ambos estão equipados com um cabo, que está fixo em intervalos regulares à face da rocha. O que vai à frente costuma ter um bocado de cabo livre, mas nunca de tal forma que se magoaria muito se caísse.

Uma vez que a escalada exige confiança máxima, é natural os atletas formarem das mais próximas amizades humanas. Dizem que só a irmandade sentida por soldados em batalha é que se compara. Se virmos a vida como um desafio parecido com a difícil subida de uma montanha, então os parceiros de escalada podem representar a verdadeira amizade. Não admira que tantos cristãos se sintam atraídos pela escalada, ou por histórias de escalada.

Existe uma modalidade que se chama “livre solo” em que um atleta sobe “livre”, isto é, sem a proteção dos cabos, e “solo”, isto é, sem a ajuda de um parceiro. Nestes casos a colaboração não só se torna desnecessária como seria mesmo um obstáculo. Um amador que se faz a um muro de escalada no ginásio está a fazer “livro solo”, mas em segurança, a baixa altitude e por cima de colchões.

Mas alguns escaladores verdadeiramente dotados praticam o solo livre a alturas perigosas, onde um erro é morte certa. O melhor de todos é o Alex Honnold, conhecido por ter subido em livre solo a Dawn Wall e o El Capitan, em Yosemite. O “National Geographic” fez um documentário sobre a segunda destas subidas.

O livre solo é eticamente controverso, mas antes de mais consideremos a sua atratividade. O escalador pode mover-se mais depressa, logo conserva melhor a sua força. E é uma coisa muito pura: rocha, céu e homem. Um escalada bem-sucedida é um hino à perfeição: que demonstração de mestria poderia ser mais suprema do que alguém que tem tanta confiança no seu controlo que mal considera que a sua vida está em risco?

Do ponto de vista ético, o espírito do praticante de livre solo parece altamente admirável. É a velha escolha de Aquiles: preferia morrer em busca da perfeição, do que manter-se vivo mas a fazer algo que lhe parece medíocre. Não foi Aristóteles quem disse que devíamos preferir uma “vida boa” a “simplesmente viver”? Enquanto cristãos nós admiramos as pessoas que arriscam tudo. O cardeal Newman ensinava que não estamos verdadeiramente a viver como cristãos se não estivermos a arriscar todos os dias a nossa vida inteira na premissa do Cristianismo ser verdade. (Ver a sua homilia “Ventures of Faith”)

Podemos ainda olhar para as conquistas de Alex Honnold com orgulho pela nossa humanidade partilhada. Ele parece colocar a raça humana no cume da natureza. Nem uma cabra-montês conseguiria subir a Dawn Wall em Yosemite. (Um insecto conseguiria, mas jamais o faria.) Chegado ao topo da subida Honnold poderia afirmar, com razão “este é um salto de gigante para a humanidade…” Agora, mais do que nunca, precisamos dessas fontes de orgulho. Os ecologistas não o admitem, mas essa é a verdadeira razão por detrás da popularidade de Honnold.

E por fim, entre a raça humana, o praticante de solo livre parece provar a realidade daquilo a que Aristóteles e São Tomás chamaram a virtude sobre-humana – uma virtude de tal maneira poderosa que excede os limites normais da humanidade (tal como existe uma bestialidade no pecado). A imagem de Honnold a ultrapassar uma Saliência particularmente difícil perto do topo do El Capitan, suspenso mil metros por cima do vale, parece reveladora de uma coragem sobre-humana.

Mas a modalidade de livre solo é também vista como eticamente questionável. A escalada, dizem alguns, não é uma atividade “séria” como é o combate, mas “recreativa” como o desporto e o entretenimento. Não vale a pena arriscarmos a vida por ela, consideram. Desse ponto de vista praticar o livre solo é tão insensato como tentar acabar um jogo de golfe no meio de uma tempestade. E mesmo que os maiores feitos de livre solo mereçam esse risco, outras tentativas claramente não valem a pena e nesse sentido celebrar os feitos de homens como Honnold apenas encoraja outros a tentar o mesmo.

Se está a pensar em ver o documentário “Free Solo” do “National Geographic”, então devo avisá-lo que só os últimos 15 minutos é que mostram a famosa subida. O grosso do filme lida com a sua relação com a namorada, que vive com ele na sua carrinha. Ele trata-a como uma fã monogâmica ligeiramente irritante, enquanto que ela claramente gostaria que ele deixasse a escalada para se casarem. O “National Geographic” viu-se obrigado a transformar este documentário sobre escalada num “reality show” porque descobriu, ironicamente, que Honnold simplesmente não se conseguia concentrar totalmente com uma equipa de sete homens armados com câmaras a segui-lo escarpa acima. Por isso acabaram por ter muito poucas imagens da própria subida, todas captadas a grande distância, através de teleobjetivas.

Mas para os sábios a presença da namorada revela umas verdades profundas sobre o amor e o casamento. Por exemplo: Ele não a ama a ela mais do que à escalada (isto é, mais do que se ama a si mesmo). Ou, ele comprometer-se a casar com ela implicaria comprometer-se a deixar de escalar, mostrando que o casamento é uma instituição que nos eleva do egoísmo. Ou então, se queremos ver a coisa pelo lado positivo, o celibato é necessário para um modo de vida comparável ao de Honnold (basta pensar no sacerdócio).

Mas a sua presença revela ainda outra coisa verdadeiramente perturbadora sobre a atração pelo livre solo. Se a escalada em equipa representa a amizade, então o livre solo deve ser visto como representando um tipo de autonomia que quase toca o autismo. Honnold, que foi criado pela mãe divorciada, numa casa onde, segundo ele, não se falava em amor, tem de bloquear, deliberadamente, toda a afetividade pela sua namorada para ter sucesso. Ao ponto de lhe pedir que abandone a carrinha onde vivem nos dias antes da escalada.

Eu fico maravilhado com pessoas como o Honnold. Mas isso preocupa-me. Preocupa-me que nos maravilhamos – a nossa cultura maravilha-se – com o livre solo, em vez de o achar desprezível. E isto porque nos atrai a ideia da autonomia, mesmo que seja uma autonomia temerária, que arrisca tudo por ambições que não têm qualquer valor para além da criação da vontade.


Michael Pakaluk, é um académico associado a Academia Pontifícia de São Tomás Aquino e professor da Busch School of Business and Economics, da Catholic University of America. Vive em Hyattsville, com a sua mulher Catherine e os seus oito filhos.
  
(Publicado pela primeira vez em The Catholic Thing na terça-feira, 19 de Fevereiro de 2019)

© 2019 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

Igrejas restauradas e montanhas fumegantes

Nestes próximos dias vamos olhando para alguns dos principais países que já foram afetados pela crise dos abusos sexuais. Começamos pelos Estados Unidos, o pais onde a montanha pariu um vulcão

Mas nem tudo são notícias dramáticas! Hoje temos três artigos sobre o melhor que se faz em termos de nova evangelização, ainda por cima feita por jovens. Temos por um lado a Missão País. Aqui pode ler a entrevista de um dos responsáveis, Manuel Azevedo Mendes, à minha colega Ângela Roque, e aqui a reportagem de outra colega, a Olímpia Mairos, sobre uma missão em Santa Marta de Penaguião.

O outro tema é o Faith’s Night Out, de que já falei aqui há dias. Pois esta grande iniciativa das Equipas de Jovens de Nossa Senhora já tem seis anos e julgando-se crescida até quer ir ao estrangeiro. Leiam que vale a pena.

E por fim, um convite para conhecerem melhor a Igreja da Misericórdia, em Évora, que reabriu ao culto depois de obras de restauro .

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

Actualidade Religiosa: Omertà No More

Começa esta semana a cimeira sobre abusos sexuais, no Vaticano. Hoje foi a conferência de imprensa de apresentação, com o arcebispo Scicluna a dizer que “o silêncio já não dá”. Aqui podem ver as respostas para as vossas perguntas. Se tiverem mais perguntas que não estão no artigo, não deixem de me dizer, porque se forem relevantes pode-se acrescentar.

Durante o fim-de-semana aconteceu, como já se esperava, a redução do ex-cardeal McCarrick ao estado laical. Aqui explico como o outrora influente clérigo passou do Colégio dos Cardeais à desgraça.

O próximo dia 20 de fevereiro vai ser feriado municipal em Jurandá! Porquê? Porque é o dia dos Pastorinhos e Jurandá é a terra do menino que foi curado por sua intercessão.

O Papa deixou-se fotografar hoje com um crachá a pedir a abertura dos portos a barcos com migrantes.

D. Nuno Brás foi apresentado na Madeira, recordando que a riqueza “não é o sentido último da existência dos cristãos”.

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

Na Guarda falta gente, na Venezuela falta liberdade

A menos de uma semana do início da cimeira sobre abusos sexuais, em Roma, soube-se hoje que o núncio apostólico em França está a ser investigado por assédio sexual.

Curioso sobre o que se passa na Venezuela? Leia a visão do padre Pablo Lima, nascido e criado no país sul-americano, mas em Portugal desde os 18 anos.

Há um novo Camerlengo no Vaticano. É o homem que anunciou as JMJ para Lisboa.

Faltam sacerdotes na Guarda, mas segundo o bispo D. Manuel Felício, também falta gente.


No sábado dia 23 de fevereiro temos nova edição do Faith’s Night Out. Eu sou fã incondicional do formato desta iniciativa das EJNS. Na próxima semana haverá entrevista com a organização, mas até lá não se deixem dormir e comprem bilhetes aqui.

Fiquem também com um convite para uma interessante conferência sobre o Amoris Laetitia, chamado “Quando nem só a morte nos separa”, que se realiza na próxima sexta-feira.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

Tão Maduro que Desilude

O Papa tem sido acusado de ter mão leve em relação a Nicolas Maduro. Pois hoje foi revelada uma carta escrita por Francisco em que se manifesta “desiludido” com o líder venezuelano, a quem nem sequer trata por Presidente.

O Vaticano aliou-se à Microsoft para promover a Ética na Inteligência Artificial. Vai haver um prémio internacional e tudo!

Foi aprovado o milagre que permite canonizar o cardeal John Henry Newman. São excelentes notícias.

Há quem tenha honras de capa, e há quem tenha capa de honras. O Papa conjuga os dois factores e diz que os “Portugueses são muito fortes”.

Os bispos dizem que desde 2001 os tribunais eclesiásticos analisaram cerca de uma dezena de casos de abusos. Recordo que podem ver aqui uma cronologia rigorosa de todos os casos que tem havido em Portugal nos últimos anos.

Um artigo de leitura obrigatória para quem se interessa pelo tema do aborto. Nos Estados Unidos torna-se cada vez mais claro que o direito ao aborto se estende até aos bebés que acabam por nascer vivos. Não se esqueçam que o que se passa lá, mais cedo ou mais tarde vem cá parar. Leiam e divulguem.

Redescobrindo o Born-Alive Act

O Governador da Virgínia, Ralph Northam, conseguiu, na semana passada, expressar abertamente a posição do Partido Democrata sobre o aborto: que não existe qualquer obrigação de proteger a vida de uma criança que tenha o desplante de sobreviver a um aborto quando, claramente, não é “desejada”.

Isso foi o suficiente para estimular o senador Ben Sasse, do Nebraska – que nunca perde a oportunidade de fazer gestos de grande paixão moral, mesmo quando não está disposto a fazer o trabalho necessário para os levar a bom porto. Sasse já tinha introduzido no Senado o “Born-Alive Abortion Survivors Protection Act” [Lei de Protecção de Nados Vivos Sobreviventes ao Aborto] e então pediu imediatamente um voto para segunda-feira à noite, para ver se a lei poderia ser aprovada “sem objecções”.

Claro que não pôde. O objectivo da lei é de restaurar as penas que foram removidas da lei original, a “Born-Alive Infants’ Protection Act” de 2002. Essa lei inicial tinha como objectivo colocar estabelecer no direito esta premissa chave: que uma criança que sobreviva a um aborto e nasça viva tem o mesmo direito que qualquer outro Ser Humano à protecção da lei.

Alguns dos leitores saberão que eu tive um papel em redigir estas propostas de lei e em defendê-las. É uma história que remonta a 30 anos atrás. Num caso em particular, nos anos 70, uma criança sobreviveu a um aborto durante 20 dias, foi sujeito a cirurgia e acabou por morrer. A questão estava em saber se existia a obrigação de fornecer apoio médico àquela criança e a resposta, segundo o juiz Clement Haynsworth, foi que não.

Ele “explicou” que a partir do momento em que uma mulher grávida optava por um aborto “o feto neste caso não é uma pessoa cuja lei estadual pode proteger”. Por outras palavras, o direito ao aborto corresponde ao direito a um “aborto efectivo”, ou seja, uma criança morta.

Alguns de nós pensámos que poderíamos começar por aí, para testar os limites desse “direito ao aborto”. Sugerimos então o “primeiro passo mais modesto”: a proposta de simplesmente proteger a criança que tenha sobrevivido ao aborto. [A história dessa lei, as razões que lhe eram subjacentes e a forma como passou, são narradas no meu livro “Natural Rights and the Right to Choose”.]

Mas essa era uma proposta inaceitável para os defensores do aborto, porque perceberam que assim toda a sua posição se desenvencilhava. Se aceitassem que o nado-vivo era uma criança humana, com direito a protecção da lei, nós poderíamos perguntar o que é que a mesma criança tinha de diferente cinco minutos, ou cinco dias, ou cinco meses antes?

Ben Sasse
E foi por isso que os nossos aliados ficaram tão admirados quando a lei foi finalmente apresentada no ano 2000 e promulgada em 2002. O já falecido Henry Hyde ficou estupefacto quando a National Organization of Women se opôs a esta modesta lei para proteger os nados-vivos. A ironia é que os nossos adversários compreenderam a lei melhor que os nossos amigos, porque entenderam o princípio no coração da coisa.

Decidiu-se, contudo, retirar à lei as penalizações, tanto civis como criminais, para evitar que o Presidente Clinton a vetasse. Ficaríamos contentes com uma “lei pedagógica” que transmitisse informações que chocariam o grande público: que o direito ao aborto, proclamado em Roe v. Wade, abrangia a totalidade da gravidez, podendo mesmo chegar ao direito de matar a criança depois de nascer.

Seja como for, sem as penalizações a lei tornou-se quase impossível de aplicar. E viríamos a descobrir que estas coisas aconteciam muito mais do que tínhamos pensado em 2002. Enfermeiras começaram a contar histórias de bebés nados-vivos e colocados em salas para morrer.

Mas depois veio o choque do caso de Kermit Gosnell, na Filadélfia. Era o momento ideal para regressar à lei original e restaurar as penalizações, civis e criminais, que lhe tinham sido retiradas. A lei foi aprovada duas vezes na Câmara dos Representantes, em Setembro de 2015, com 248 votos a favor e 177 contra, e em Janeiro de 2018, com 241 a favor e 183 contra.

Todos os republicanos apoiaram a lei, e todos os votos contra foram dos democratas. Este foi o voto que revelou a grande verdade, que de acordo com o entendimento do partido à esquerda no nosso quadro político, o direito ao aborto não se limitava à gravidez, aplicando-se também ao direito a matar o bebé sobrevivente.

Esse dado poderia ter ganho contornos enormes na eleiçãopresidencial de 2016, mas ninguém parecia consciente disso, incluindo católicos influentes nos media como Bret Baier, que tinham à sua disposição os vastos recursos das redes à sua disposição.

Quando, há anos, nos contentámos com uma “lei pedagógica” pensámos que esta seria uma forma dramática de fazer esta informação chegar ao grande público. O que não contávamos era que os media simplesmente ignorassem a história, não lhe dando qualquer cobertura.

Este poderia ter sido o momento de redenção para Ben Sasse. A energia que o possui agora teria sido mais útil o ano passado, obrigando a uma votação da lei no Senado, depois de ter passado na Câmara Baixa. Ou se aprovava a lei, ou então os democratas seriam obrigados a tomar posição sobre o assunto antes das eleições.

A sua desatenção levou-nos a perder essa vantagem. A questão agora está em saber se, desta vez, ele será capaz de levar a coisa até ao fim. Conseguirá romper com o blackout dos media e colocar este assunto onde merce estar, isto é, no centro do debate público e na eleição de 2020?

Howard Kainz é professor emérito de Filosofia na Universidade de Marquette University. Os seus livros mais recentes incluem Natural Law: an Introduction and Reexamination (2004), The Philosophy of Human Nature (2008), e The Existence of God and the Faith-Instinct (2010)

(Publicado pela primeira vez em The Catholic Thing na Quinta-feira, 7 de Fevereiro de 2019)

© 2019 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte:info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

Proibido rezar, permitido abortar

Perigosíssimos criminosos
Sabia que em Londres há duas zonas em que é proibido rezar? Os defensores do aborto não olham a meios para fazer avançar a sua agenda…


Mantém-se a situação de crise na Venezuela. Muitos têm estranhado a posição do Vaticano, mas o cardeal Pietro Parolin veio esta sexta-feira defender o que chama “neutralidade positiva”, que tem por objectivo “superar o conflito”.

O bispo de Setúbal foi entrevistado em conjunto pela Renascença e pela Ecclesia. D. José Ornelas falou do “processo de purificação” que a Igreja está a viver por causa dos abusos sexuais e referiu-se ainda à situação do Bairro da Jamaica, que muita tinta tem feito correr ultimamente.


quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

Francisco preparado para mediar crise na Venezuela

O Papa regressou ontem dos Emirados Árabes Unidos. No último dia lá celebrou missa com os católicos, a quem pediu que trabalhassem pela paz.


Por falar em Venezuela, a missão católica portuguesa no país diz que urge travar, de todas as formas, uma intervenção militar dos EUA no país.

Conhece o “Gabinete de Escuta”? Se não conhece, leia isto. Pode ser o que falta para ajudar uma pessoa que conhece.

Porque hoje é quarta-feira trago-vos um artigo do The Catholic Thing em português, desta vez sobre um tema muito atual, a importância do estabelecimento de uma Igreja Ortodoxa da Ucrânia independente de Moscovo e como isso pode afectar o Cristianismo global. Não deixem de ler.

E deixo-vos novamente o convite para ler a minha grande reportagem sobre o dérbi mais improvável do mundo, que se joga na língua de Cristo. Muitos dos adeptos neste jogo peculiar são naturais da Síria, onde já só 2% da população é cristã.

A Transformação do “Pulmão Oriental”

Myroslav Marynovych

Embora quase ninguém no mundo ocidental tenha reparado, houve recentemente um desenvolvimento importante para o Cristianismo global. Durante o Sínodo da Igreja Ortodoxa de Kyiv, no dia 15 de Novembro de 2018, foi criada uma nova Igreja Autocéfala da Ucrânia. A medida foi saudada pela Igreja Greco-Católica da Ucrânia.

Estaremos perante mais um caso de “nacionalismo ucraniano” numa altura em que a Rússia se tem tornado cada vez mais ativa? Ou será este o resultado da rivalidade entre Constantinopla e Moscovo por influência sobre a Ucrânia? E o que é que isto representa para os Ortodoxos e para a Igreja Católica?

Na realidade, estamos perante uma mudança gigantesca na Igreja. O Papa João Paulo II convidou a Europa a respirar com dois “pulmões” – o Ocidental e o Oriental. Normalmente sabemos bem o que é o “pulmão ocidental”, mas o que é o oriental?

Entre os séculos XI e XIV a resposta era inequívoca: O oriente cristão estava organizado em torno de dois centros: a Igreja de Constantinopla (incluindo a Grécia e Atenas) e a sua Igreja “filha”, a Igreja de Kyiv, de onde o Cristianismo se espalhou para outras terras orientais.

Entre os séculos XV e XVIII aconteceu uma “deriva continental” tremenda e Moscovo acabou por substituir Kyiv (Kiev). A partir de então o Oriente Cristão passou a estar centrado em Constantinopla e Moscovo. Muscovy absorveu em si mesmo tanto o território da antiga Rus’ de Kyiv como a Metropoly eclesiástica de Kyiv, tornando-se o Império Russo.

As características distintivas da antiga espiritualidade de Kyiv foram rigorosamente limitadas para se conformarem com os interesses do modelo russo de Cesaropapismo. Livros eclesiais “suspeitos” foram queimados. Figuras dissidentes da Igreja foram reprimidas.

Kyiv passou a estar submetida à “Terceira Roma” (Moscovo) tanto debaixo do Czar como das ditaduras comunistas. Foi só com o colapso da União Soviética que o glaciar estalinista descongelou. O que a propaganda do Kremlin classificava de nacionalismos locais, que alegadamente destruíam a unidade cristã, era a libertação dos povos e das suas comunidades eclesiásticas da influência monopolista do mais poderoso dos nacionalismos, o chauvinismo russo.

Na Ucrânia voltou a nascer a ideia de uma Igreja Ortodoxa autocéfala. O Kremlin, e a Igreja Ortodoxa Russa que lhe era subserviente, responderam de duas formas.

A primeira foi uma descriminação metódica contra os desenvolvimentos eclesiais e políticos na Ucrânia. Nas palavras de um observador ucraniano, a propaganda russa usava terminologia aparentemente retirada do “dicionário ocidental de ‘valores humanitários’, mas na verdade operava com ideias-lobisomem, ideias-parasita e ideias-fantasma” (Andriy Baumeister). O mundo ocidental não deu por esta manipulação e, pelo menos até recentemente, aceitou-a de forma acrítica.

O segundo método consistia em propagar o conceito do “mundo russo” avançado por Cirilo, o Patriarca de Moscovo, que na verdade é uma doutrina imperial quasi-religiosa que proclama a “unidade espiritual” de todos os russófonos e povos ortodoxos. 

Isto tornou-se uma forma de legitimar a guerra da Federação Russa contra a Ucrânia, alegadamente em nome da defesa da população russófona. Agora a propaganda do Kremlin está a preparar o mundo para um possível novo ataque contra a Ucrânia, para “proteger” a população ortodoxa.

Assim, hoje estamos a assistir a uma profunda transformação do “pulmão oriental”. O Patriarcado Ecuménico de Constantinopla pressentiu para onde as coisas estavam encaminhadas e tomou a medida pouco comum de intensificar as suas atividades no mundo ortodoxo. Apesar de o Patriarcado Ecuménico ser apenas um “primeiro entre iguais” – e não o líder solitário da Igreja (como acontece com o Papa no Ocidente) – ele assumiu a responsabilidade pelo destino da Igreja ucraniana, que tinha sido separada de Constantinopla.

Há vários sinais de que o Oriente Eslavo do “pulmão Oriental” é ainda largamente disfuncional. O comunismo foi um profundo trauma do qual os povos das antigas repúblicas soviéticas ainda não recuperaram inteiramente. Em muitos lugares as pessoas perderam a cultura cristã e a compreensão do verdadeiro significado da fé cristã. Por isso, ainda poderemos vir a ter notícias preocupantes – tanto políticas como religiosas – de Kyiv. Mas, apesar de tudo, está em curso uma importante reorganização e as mudanças futuras afetarão o mundo cristão por inteiro.

Metropolita Epifânio, da nova Igreja Ortodoxa da Ucrânia
A influência de Constantinopla poderá acabar por ser extremamente importante. Isto já foi manifestado através da promulgação do Estatuto da recém-constituída Igreja Ucraniana, que alterou substancialmente os procedimentos administrativos, democratizando-os.

Até aqui os cristãos ocidentais têm-se preocupado sobretudo com a preservação do status quo com Moscovo, como se o oriente cristão se resumisse à Igreja Ortodoxa Russa. Aos olhos ocidentais isto parecia ser essencial para a paz cristã e o diálogo ecuménico. A diplomacia do Vaticano tem sido cuidadosa em não intervir nos assuntos internos dos ortodoxos.

Mas a situação atual apresenta um desafio claro para a Igreja Católica. Nas palavras do cardeal Christoph Schönborn, de Viena: “Como é que o Vaticano deve relacionar-se com a nova Igreja Ortodoxa da Ucrânia? Se a reconhecer, isso levará a um conflito com o Patriarcado de Moscovo. Se não a reconhecer, isso conduzirá a um conflito com o Patriarcado Ecuménico.”

As Igrejas Ocidentais têm de compreender que o antigo status quo já não é sustentável. A situação exige uma mudança radical das posições atuais, incluindo a reconsideração dos atuais modelos de ecumenismo.

Os cristãos conscientes não podem continuar a considerar aceitável a linguagem de ultimatos e de exclusões usada pela Rússia. Os crentes ortodoxos da Ucrânia são uma parte legítima da oikumene cristã e estão, atualmente, sob cerco.  

Eles podem tornar-se um catalisador para uma transformação civilizada de todo o espaço pós-soviético, a começar pela Rússia. Os ocidentais devem compreender as novas realidades na Europa Oriental e perceber que a inclusão das Igrejas Ucranianas no diálogo com o mundo pode trazer mais benefícios do que o isolamento continuado.

Depois da queda do comunismo muitos ocidentais esperavam que o mundo eslavo, silenciado durante tanto tempo, ficaria finalmente livre para contribuir corretamente para a cultura cristã e para todo o mundo. Hoje, com a criação de uma Igreja Ortodoxa Ucraniana, pode ser que uma voz importante esteja finalmente a fazer-se escutar.



Myroslav Marynovych é vice-reitor para missão na Universidade Católica da Ucrânia, em Lviv, na Ucrânia, e president do Instituto de Religião e Sociedade da mesma universidade. Foi fundador do Ukraninian Helsinki Group e prisioneiro de consciência entre 1977 e 1987. Presidiu às estruturas da Amnistia Internacional na Ucrânia entre 1991 e 1996 e foi também president do Centro Ucraniano da PEN International.

(Publicado pela primeira vez em The Catholic Thing no sábado, 2 de Fevereiro de 2019)

© 2019 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

Dérbis há muitos, nenhum é como este

A Renascença estreia hoje uma nova grelha e foi para mim uma grande honra ser o autor da primeira grande reportagem a passar no dia da inauguração. Numa semana em que tanto se fala de dérbi, convido-vos a conhecer o dérbi mais improvável do mundo. Opõe cristãos de tradição siríaca/assíria, oriundos do Médio Oriente, mas que vivem na Suécia… Só visto, e lido. Espero que gostem, pois deu-me imenso prazer fazer.

Por falar em Médio Oriente, o Papa Francisco encontra-se em Abu Dhabi. Ainda agora acabou de falar num encontro inter-religioso, em que disse que ou se constrói o futuro em conjunto,ou não haverá futuro de todo. Ontem, antes de partir, rezou de forma especial pela paz no Iémen, um conflito esquecido por muitos, em que quem mais sofre continuam a ser as crianças.

Na Holanda chegou finalmente ao fim a maratona religiosa em defesa da família Tamrazyan. Batei e abrir-se-vos-á… Os cristãos holandeses bem bateram, e a família viu abrir-se a porta.

Nota ainda para o facto de o Papa ter enviado flores às religiosas do Vaticano e para a descoberta de uma capela quinhentista em Cabo Verde.

Em anexo mando o convite para a Caminhada de Namorados e Casais Novos promovida pela Pastoral da Família do Patriarcado de Lisboa e deixo-vos com o convite para ler o artigo da semana passada do The Catholic Thing sobre a importância do latim para a civilização ocidental.



Partilhar