terça-feira, 12 de novembro de 2019

Porque não a Excelência?

Randall Smith

Está à procura de uma boa catequese para um amigo? “Oh não. Onde é que o podemos mandar sem que perca a fé?” Preparação para o matrimónio? “Epá, vão ter de aguentar, mas não liguem a grande parte das coisas que vão ouvir.” E acontece o mesmo aos bispos que querem mandar seminaristas para formação. “Oh não, onde é que os podemos mandar que não sejam corrompidos e fiquem com a fé minada?”

Porque é que estamos constantemente neste estado absurdo de procurar a opção menos má? Porque é que as instituições de educação católicas não são as melhores do país? E até do mundo?

Tenho uma amiga que trabalha com seminaristas. Ano após ano ela lida com candidatos ao sacerdócio que não sabem escrever nem lêem. Queixa-se ao responsável pelos estudos. “Sim”, diz ele, abanando a cabeça, “temos de fazer melhor”. Mas nunca fazem. Não se preocupam o suficiente para fazer a diferença. Vemos o mesmo a acontecer na educação a toda hora. Este tipo de “preocupação” é um mero sentimento, não uma intenção viva de fazer algo de concreto. Mais tempo fora da sala de aula. Mais tutoria. Mais esforço dedicado a assuntos difíceis.

Em vez disso levamos constantemente com “reorganizações” em que nada de substancial acontece. Acabamos por ver repetições do mesmo, com diferentes categorias e pessoas mudadas de um lado para o outro, com novos títulos. Depois os responsáveis dizem: “Temos uma nova e importante iniciativa”, mas de novo e importante não tem nada. Esta “importante nova iniciativa” é, de facto, praticamente igual na sua falta de profundidade às últimas cinco “novas iniciativas importantes” que não resolveram os problemas.

E para dizer a verdade, ninguém se preocupou o suficiente depois desses anúncios para garantir que estavam a resolver os problemas. Foram anunciados. Isso deixou-nos satisfeitos. O novo programa, disseram-nos, resultou de horas e horas de “trabalho árduo” – o que significa reuniões sem fim com diferentes “grupos de interesse” que era preciso apaziguar. O resultado é que acordavam no denominador comum mais baixo. Não o melhor, nem o pior, apenas o menos mau.

A minha amiga que faz tutoria a seminaristas tem de ler os seus trabalhos de “Homilética Avançada”. Um terço deles são claramente plagiados. Ela informa o seminário. Nada acontece. Já pensou porque é que as homilias são tão fracas? É porque temos seminaristas que não lêem e não sabem escrever, e raramente são obrigados a fazer uma coisa ou outra. Como é que podemos esperar que um seminarista que nunca leu e que não sabe escrever construa uma homilia sensata e entusiasmante? Que mais podemos esperar de homens tão mal treinados do que platitudes piedosas ou frases feitas ideológicas?

Futuros padres são apanhados a fazer batota numa cadeira de homilética avançada e os seus superiores limitam-se a olhar para o lado? Porquê? A resposta: “Precisamos de padres!” Mas não, do que precisamos é de bons padres. E não os teremos, não os conseguiremos desenvolver, se não deixarmos de aceitar a mediocridade e a opção menos má, insistindo antes na excelência.

Um seminarista foi ter com a minha amiga no final do ano lectivo e disse-lhe que precisava de ler mais. Queria saber o que é que devia ler. Ela recomendou as Confissões de Santo Agostinho. Quando regressou, no final do Verão, tinha lido esse e todo o Kristin Lavransdatter (mil páginas). Disse que lhe tinha mudado a vida.

Se aguentam com Rowling, aguentam com Agostinho
Estou neste momento a escrever um manual de introdução à teologia moral. Toda a gente me pergunta a que nível é que me dirijo. Respondo que estou a dirigir-me a alunos de final de liceu e universitários. “Escrevi ao mesmo nível dos meus artigos do ‘Catholic Thing’, mas cada capítulo tem umas vinte páginas”. Abanam logo a cabeça. “Não consegues meter miúdos a ler tanto, nem a um nível tão avançado. Não são capazes. Não podes esperar que leiam mais do que cinco a dez páginas de prosa simples.”

A sério? Estamos a falar de miúdos que leram os sete volumes da série Harry Potter e toda a trilogia do Senhor dos Anéis, memorizando blocos inteiros, e não podemos esperar que leiam vinte páginas do nível de escrita do “Catholic Thing” porque é “demasiado difícil” e “complicado”? Acho isso insultuoso. Recuso-me a acreditar. Porque é que temos de ser sempre arrastados por este peso da mediocridade? Porque é que não estamos constantemente a desafiá-los a ir mais longe, a procurar a excelência?

Os atletas olímpicos treinam incansavelmente, como bem nos diz São Paulo. Tenho miúdos na minha sala que treinam tanto que mal conseguem subir um lance de escadas. Mas estamos aterrorizados de os assustar, tão envergonhados pela nossa fé, que não nos atrevemos a pedir-lhes que leiam vinte ou trinta páginas que lhes possam mudar a vida?

Esperamos qualidade de excelência olímpica no desporto, mas quando chega à teologia damos-lhes papinhas de bebé? É desprezível. E acreditem no que vos digo, com isso só aprendem a desprezar-nos. Eu converti-me em adulto e lembro-me bem de me terem tentado impingir essas mesmas papinhas quando tinha a idade deles. Não me interessei pelo Cristianismo até ler as Confissões de Agostinho e o "Tratado da Lei" de São Tomás de Aquino na universidade. “Caramba”, pensei, “estes tipos são de outro nível. A religião afinal não é um conjunto de pieguices. Há aqui substância. Agora sim, estou interessado”.

Não fiquei totalmente convencido, mas tinham conseguido a minha atenção. Nada do que normalmente se destinava “aos adolescentes” tinha merecido o meu respeito ou conseguido grande parte da minha atenção. “Voltem quando tiverem algo de interessante para me dizer”, pensei – qualquer coisa séria como as pessoas que fundaram empresas, ou foram à guerra, ou amararam um jato sem motores no Rio Hudson.

Os jovens adultos gostam de se divertir, mas quando vão a uma conferência ou a uma aula querem algo sério e com substância, ou então sentem que estamos a desperdiçar o seu tempo. Já os seminaristas, se não os conseguimos convencer a levar a sério a sua vocação ao ponto de ler livros e não fazer batota, então não devemos deixar que desperdicem o tempo dos outros.




Randall Smith é professor de teologia na Universidade de St. Thomas, Houston.

(Publicado pela primeira vez em The Catholic Thing na terça-feira, 12 de Novembro de 2019)

© 2019 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

segunda-feira, 11 de novembro de 2019

Bebés no lixo e um novo santo

Frei Bartolomeu dos Mártires
Portugal tem um novo santo. Frei Bartolomeu dos Mártires foi canonizado ontem. Trata-se de um “santo com o cheiro das ovelhas”, como diz D. Anacleto, de Viana do Castelo, a diocese onde ele morreu.

Numa interessantíssima entrevista sobre a canonização, D. Jorge Ortiga falou do novo santo mas comentou também a atualidade, dizendo que o Estado devia investir em cuidados paliativos e não em matar pessoas, isto a propósito da Eutanásia.


O caso da mulher que pôs um bebé no lixo continua a dominar as atenções. Há muito a refletir sobre este triste evento, que felizmente não acabou em tragédia, mas uma das conclusões que tiro é que a reação geral de compaixão pela mulher que deixou o seu bebé num ecoponto desmascara a argumentação de quem defendeu a liberalização do aborto nas campanhas dos referendos.

Mais um dia triste no nordeste da Síria, onde hoje foram assassinados dois padres – pai e filho – e uma igreja foi atingida por uma bomba. Rezemos.

Por falar em cristãos do mundo árabe, está de volta a Portugal o Nicolas Ghobar, um cristão palestiniano que vende artigos de artesanato para ajudar a sustentar os cristãos da zona de Belém, na Terra Santa. Saibam mais aqui e ajudem!

Não deixem de ler o artigo encorajador da semana passada do The Catholic Thing

domingo, 10 de novembro de 2019

Sobre o caso do bebé abandonado no ecoponto

Tenho acompanhado com atenção e emoção o caso do bebé que foi abandonado num ecoponto em Lisboa, salvo, graças a Deus, por um homem sem-abrigo que o ouviu chorar. Muito se tem falado sobre este caso, e muito se tem escrito.

Inevitavelmente surgiram comparações com o caso do aborto, com várias pessoas pró-vida a notar que é paradoxal que se considere uma tragédia que uma mulher ponha um bebé recém-nascido no lixo, mas que se defenda com unhas e dentes o seu direito a tratar como lixo o mesmo bebé antes de nascer.

Eu até concordo com esta perspetiva, mas por alguma razão, que no futuro irá encher de espanto os nossos descendentes, uma grande parte da nossa sociedade continua a achar que as salas de partos são locais carregados de poderes mágicos que conseguem transformar um aglomerado de células num bebé merecedor de todos os direitos humanos. Enquanto essa ideia absurda não se dissipar, não adianta estar a fazer comparações, porque não serão compreendidas.

Gostava, por isso, de sublinhar outra coisa. Tenho notado com satisfação que o que inicialmente parecia ser uma onda de indignação e revolta contra a mãe desta criança (já repararam como ninguém fala no pai?) se tem transformado sobretudo em compaixão. De facto, só uma mulher desequilibrada, em profundo desespero ou absolutamente corrompida pelo mal consegue fazer o que ela fez. Como eu e a maioria das pessoas continuamos a pensar que pessoas absolutamente corrompidas pelo mal são poucas, graças a Deus, tendemos a acreditar que se tratou de desequilíbrio e/ou desespero, agravados pela situação social da rapariga em causa.

Mas existe aqui uma outra ligação com a questão do aborto que importa sublinhar. Aquando da primeira discussão no Parlamento, em 1997, do primeiro referendo em 1998 e do segundo em 2007 os defensores da liberalização do aborto fizeram uma campanha de demonização dos defensores do “não”, dizendo que estes queriam ver as mulheres presas e que consideravam assassinas as que abortavam. Ficou famoso o cartaz do Bloco de Esquerda que mostrava uma mulher atrás das grades, numa altura em que as mulheres presas em Portugal por abortar eram exatamente zero.

Quando os defensores do “não” respondiam que não queriam ver mulheres punidas, mas que achavam ainda assim que a proibição fazia sentido enquanto mensagem social e dissuasora, eram impiedosamente gozados. Ficou famoso o sketch de Ricardo Araújo Pereira a caricaturar o atual Presidente da República.

Mas partindo do pressuposto de que os defensores da liberalização do aborto são a favor da penalização do infanticídio, deviam agora estar a pedir a condenação e prisão desta mulher. É uma questão de coerência.

Afinal, como estão a ver, é possível achar que um acto é mau e condenável, mas compreender que possam existir atenuantes para quem o cometeu sem, com isso, chegar ao extremo de exigir que o acto seja legalizado.

Afinal, como estão a ver, os defensores do “não” ao aborto legal estavam a ser perfeitamente razoáveis, tanto que desde o referendo foram esses – e apenas esses – que continuaram a trabalhar no terreno para ajudar e acompanhar estas mulheres que se encontram em situações de desespero.

O aborto foi legalizado em Portugal através de uma campanha de mentiras, demonizações e más intenções. Esta foi apenas mais uma. Perdemos todos.

Filipe d'Avillez

quarta-feira, 6 de novembro de 2019

Silêncio que clarifica e orações que sustentam

Canelas 2015, ou Canelas 2010?
O Papa pede aos católicos que rezem pela paz e pela convivência e diálogo inter-religioso no Médio Oriente. É a sua intenção para novembro.

Lembram-se da guerra que foi a substituição do pároco de Canelas há uns anos? Dois dos paroquianos foram agora condenados por difamar o vigário-geral e tiveram de pedir desculpa.

Leia aqui a entrevista ao padre Pablo D’Ors, membro do Conselho Pontifício da Cultura, que diz que “o silêncio nos dá clareza”.

Se é como eu haverá alturas em que se sente assoberbado pela avalanche de propostas, leis e medidas anti-humanas que nos esmagam. O artigo desta quarta-feira do The Catholic Thing em português é para si! Elizabeth Mitchell escreve sobre a fé e o amor da 12ª hora, precisamente aquela hora em que parece que não há esperança, que é tarde de mais.

Amor de 12ª Hora

Elizabeth A. Mitchell
Entre as ruas movimentadas de Londres, num bocadinho de passeio no cruzamento das ruas de Edgeware e Bayswater, não muito longe da famosa Marble Arch, está um memorial que assinala o local da árvore de Tyburn.

Numa cela abandonada, no agora abandonado Bloco II da Prisão de Auschwitz, um recluso gravou à mão uma imagem do Sagrado Coração.

Há muito que nos deixaram aqueles que sofreram pelas suas convicções nestes lugares infames, incluindo os mártires de Tyburn e São Maximiliano Kolbe. Silenciados pelas suas crenças, por regimes muito mais fortes que as suas pobres capacidades de resistência, as suas vozes deviam ter-se extinguido para sempre. Estes pequenos marcos deviam ser o único resquício dos seus testemunhos derrotados e aparentemente fúteis. 

E, porém, são antes os regimes e os tiranos que ficaram pelo caminho, derrotados e sem poder. Os portões de Auschwitz-Birkenau estão hoje abertos, o campo deserto e vazio. O poder absoluto que comandava os postos de vigia e que supervisionava a chegada dos comboios há muito que passou. As portas de Hampton Court agora recebem visitas e o seu poderoso senhor, Henrique VIII, foi reduzido a uma lenda vazia.

Mas as portas do Convento de Tyburn acolhem alegremente as almas consagradas que se oferecem em oração pela mesma Fé e Verdade que nem todo o poder do Rei pôde conquistar.

A cripta do Convento de Tyburn inclui a Capela dos Mártires, com uma coleção deslumbrante de relíquias preciosas destes corajosos homens e mulheres – leigos, padres e religiosos que preservaram a fé em Inglaterra durante o Reino de Terror. Entre as citações inscritas na parede da cripta estão as palavras ditas pelo superior cartusiano John Houghton do cadafalso do monte de Tyburn, em Londres, a 4 de maio de 1535: “Estou obrigado pela minha consciência, pronto e disposto a sofrer todo o género de tortura antes de negar uma doutrina da Igreja”.

Da sua cela na Torre de Londres, onde aguardava o seu próprio martírio, São Tomás Moro observou a procissão destes cartusianos a caminho de Tyburn, escrevendo à sua filha Margaret: “estes bem-aventurados padres caminham agora alegremente para as suas mortes como noivos para o casamento”.

Uma das grandes tentações que sentimos quando arriscamos tudo pela verdade é de pensar que o nosso sacrifício será em vão. Daremos tudo, e não importará. O objetivo será perdido, o mundo esquecer-se-á e também nós seremos esquecidos. Mesmo Nosso Senhor, tememos, esquecerá o nosso acto de amor e generosidade. Será inútil e infrutífero. E por isso fraquejamos.

Mas Nosso Senhor jamais se esquecerá. A autoimolação gerará fruto; a oferta terá poder porque é absoluta. Só dando tudo, sem reservas, podemos esperar ganhar o que seja que valha a pena guardar. 

São Paulo, depois de suportar sofrimentos intensos e enfrentando o martírio, confiante no prémio da rectidão, declarou que apenas uma coisa importava: combater o bom combate, não se desviar da rota, manter a fé. (2 Timóteo 4, 7-8)

“Amar é dar tudo, incluindo nós mesmos”, garante-nos Santa Teresa de Lisieux.

Numa carta dirigida à Madre Prioresa no Domingo da Paixão, a 26 de Março de 1939, poucos anos antes de morrer em Auschwitz, santa Edith Stein pediu: “Peço a vossa reverência que me permita oferecer-me ao Coração de Jesus como sacrifício de propiciação pela verdadeira paz, para que a caia o domínio do Anticristo. Gostaria que este pedido fosse atendido ainda hoje, pois estamos na décima-segunda hora. Sei que nada sou, mas é Jesus que o pede e certamente Ele pedirá a muitos outros que façam o mesmo nestes dias”.

A décima-segunda hora. Falamos frequentemente da décima-primeira – aquele momento em que permanece uma centelha de esperança. Mas Cristo delicia-se com o amor da décima-segunda hora. Permite que vejamos morrer o sonho, perder a batalha, e depois age. Exige de nós esperança quando toda a esperança está perdida.

“Pela fé, Abraão, quando foi posto à prova, ofereceu Isaac (…) ele pensava que Deus tem até poder para ressuscitar os mortos; por isso, numa espécie de prefiguração, recuperou o seu filho.” (Hebreus, 11, 17-19)

Lázaro está já morto (João 11, 1-4); a filha de Jairo está morta (Marcos 5, 21-43, Mateus 9, 18-26 e Lucas 8, 40-56). Parece que Cristo chegou demasiado tarde. Podemos baixar os braços e declarar que tudo está perdido, ou podemos elevar as mãos e declarar, com fé, “Senhor, é Tua a Vitória”. A lâmpada do santuário do coração de Nossa Senhora brilha ardentemente, enquanto Ele jaz no seu sepulcro.

É preciso dar um passo de fé para nos juntarmos à Procissão Nupcial do Cordeiro. Avançar dessa forma no nosso mundo requer um amor heroico, um “amor perfeito” que “lança fora o temor” (1 João, 4,18). Como diz o narrador no último acto de “A Loja do Ourives”, de Karol Wojtyla, “O amor foi mais forte que o medo, e hoje foram em frente”.

Cristo e a Sua Igreja precisam hoje, agora, do nosso testemunho e do nosso amor corajoso. Oferecendo-lhe as nossas vidas, através de um amor que supera o medo e até a morte, Ele nos dará tudo o que não podemos guardar sem nos perdermos nele. Entreguemos-lhe o nosso amor de décima-segunda hora e vejamos o seu poder salvífico alcançar a vitória final.


(Publicado pela primeira vez no Sábado, 2 de Novembro de 2019 em The Catholic Thing)

Elizabeth A. Mitchell, é doutorada em Comunicação Social Institucional pela Universidade Pontifícia da Santa Cruz, em Roma, Itália, onde trabalhou como tradutora para a Sala de Imprensa da Santa Sé e para o L’Osservatore Romano. É decana dos alunos na Trinity Academy, um colégio católico privado no Wisconson. A sua tese “Artist and Image: Artistic Creativity and Personal Formation in the Thought of Edith Stein,” trata o papel da beleza na evangelização pela perspetiva de santa Edith Stein. Mitchell faz ainda parte da direção do Santuário de Nossa Senhora de Guadalupe em La Crosse, Wisconsin, e é conselheira do Centro Internacional St. Gianna e Pietro Molla para a Família e para a Vida.

© 2019 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte:info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

segunda-feira, 4 de novembro de 2019

Brexit e o regresso dos "Troubles"

O Papa Francisco homenageou todos os cristãos que se vêem forçados a esconder-se para celebrar a Eucaristia, recordando o tempo das catacumbas.


A pastoral juvenil lançou em audiobook a exortação apostólica “Cristo Vive”.

Estaremos perante o regresso da violência entre católicos e protestantes na Irlanda do Norte? Todos esperamos que não, mas o Brexit pode servir de agravante às tensões que ainda existem.

Não deixem de ler o artigo da semana passada do The Catholic Thing, sobre o aumento da intolerância religiosa na América Latina, que contém dados preocupantes. Eu volto amanhã, se Deus quiser!

quarta-feira, 30 de outubro de 2019

Rupturas que se tornam tradições

A última vez que mandei mail foi para desafiar para a Caminhada Pela Vida. No sábado lá estive e fiquei genuinamente admirado com o número de pessoas que compareceram, que bom!

O Bloco de Esquerda mantém a aposta em legalizar a eutanásia, não obstante a Associação Médica Internacional manter a sua oposição. Na segunda-feira um encontro inter-religioso no Vaticano também levou a uma tomada de posição comum, saudada pelo padre José Nuno Silva.

Continua a haver países em que é muito difícil ser-se cristão. A Nigéria está perto do topo da lista, como nos explica este sacerdote (na foto) cuja diocese se encontra exatamente no berço do Boko Haram.

Chegou ao fim o sínodo da Amazónia, com o apelo à ordenação sacerdotal de diáconos casados, como se esperava. É uma ruptura? Em parte sim, mas no passado também houve rupturas que acabaram por se tornar tradição, dizem estes missionários.


Em Évora partem os monges da Cartuxa, mas podem continuar a vê-los em exposição.


Partilhar