sexta-feira, 30 de novembro de 2018

Maratona religiosa pelos arménios


Hoje é dia de Santo André e o Papa, como é costume, escreveu uma carta ao Patriarca de Constantinopla em que volta a sublinhar o seu desejo de plena comunhão entre católicos e ortodoxos. A união entre os próprios ortodoxos é que está complicada por estes dias.

Na Holanda está a decorrer uma maratona de celebrações religiosas, de diferentes confissões, numa igreja protestante. O objetivo é impedir a deportação de uma família para a Arménia.

Foi descoberto um documento cristão no Japão que data dos tempos da pior perseguição naquele país.

Começa na segunda-feira um curso online sobre “A Missa Explicada”, que promete ser do maior interesse para quem gosta de aprofundar o seu conhecimento nestas áreas.

Publiquei esta sexta-feira no blogue a transcrição integral da minha conversa com o Pe. Tomás Halík. Aconselho a sua leitura!


E deixo-vos ainda com o link para um site chamado Livres para Amar, que pode ser de interesse para cristãos que procuram conciliar a sua fé com uma atração por pessoas do mesmo sexo. Não tenho nada a ver com o site, mas este é um assunto que me interessa, por isso se tiverem comentários a fazer agradeço que me os façam chegar.

"Pope Francis is starting a new era of the Church"

This is a full transcript, in the original English, of my interview with Fr. Tomás Halík. The published version can be found here, in Portuguese.

Esta é uma transcrição completa, no inglês original, da minha entrevista com o Pe. Tomás Halík. A notícia pode ser lida aqui.


Pope Francis has been a strong critic of what he calls self-referentialism. Is there anything more self-referential than an autobiography? Does this worry you?
I think my book is a testimony. It is inspired by St. Augustine's “Confessions”. It is the combination of a theological reflection and autobiography. It is not only an autobiography, it is not only about my life story, it is also about the history of the Church in our country, and not only in our country. There are many of my life experiences, from the time of the hard persecution of the Church and the transition, and there are some which I felt I should share with other people. 

You have become a very popular writer and spiritual reference. Your books are translated in many languages, you have won awards, you mingle with important and successful people. How do you keep from being affected by vanity and pride?
There is a nice story from the Desert Fathers. One told people to go to the cemetery and think very good things about the people there. They did so and when they returned the spiritual father asked them what the dead had replied. And they said: “nothing”. 

So, he said “Go again and think terrible things about the people there, blame them”, and so on. They did so and when they returned he asked them what they had answered. They said: “nothing”. 

So, the master told them they must be like this. If people are attacking you, if they are glorifying you, you must be like the dead people. 

I think that what God thinks about us is more important than what other people think about us. 

You say that the persecution in Czechoslovakia was worse than in the rest of the communist bloc. Why?
I think that the communists chose Czechoslovakia as a terrain for the total atheisation of a country, because of the very dramatic Czech religious history. Jan Hus, the reformer who was burned in Konstanz in 1415, then the Hussite wars, the crusades against the Czechs and the violent Catholicisation in the XVII Century, then the link between the Catholic Church and the Habsburg Monarchy. There are some wounds in the history of our country, and there were tensions between the Catholic identity and the national identity. 

It is the opposite of Poland. In Poland the Catholic Church was always an instrument of national identity, but not in our country, because of these tensions and these anti-Catholic feelings from before the Communist times. And the communists tried to use this, but the effect was rather the opposite, because Czech people are always sympathetic to the persecuted, so during the persecution the moral authority of the Church increased.

In the first few pages you mention several times the importance of Jan Hus for the Czech mentality. Who was he, why was he so important and why do so many Czech Catholics seem intent on restoring his standing as a Catholic? Would you like to see that happen?
Yes! When I first met John Paul II, in 1989, the day before the fall of the Berlin wall, one of his first questions was "what should we do with Jan Hus? I rehabilitated Galilei, perhaps it is time for the rehabilitation of Jan Hus. Remember that the Polish delegation was the only one which defended him in the Council of Konstanz”. 

So, I returned to Prague and I visited our Archbishop Cardinal Tomasic, and I told him about this, but the Cardinal was very reserved, because he spent his youth in the time of the first republic and at that time Jan Hus was a symbol of the anti-Catholic tensions. So, we had to wait. But when the Holy Father came to Czechoslovakia for the first time, I was in Rome to help him prepare, because it was his first visit to the post-communist world, he spoke about Jan Hus in a very positive way, and then, on the eve of the new millennium, there was a symposium in Rome about Jan Hus and the Pope made quite a remarkable speech there, and many other figures were present as well. 

Something happened there, because St. John Paul said a very important thing. "Hus was a sign of our division, between Catholics and Protestants, and now he may become a bridge between Catholics and Protestants", because he was a Catholic priest his whole life, and he didn't want to fight against Rome, he wanted to reform the Church, but many of his ideas were developed in a more radical way by Martin Luther and the German Reformation, but he was not in such tension as the German reformation. 

A friend of the Holy Father, a Polish Theologian and Historian, wrote an article called "Jan Hus: Heretic or precursor of Vatican II?". He wrote about some of Jan Hus' ideas which were fulfilled by Vatican II, a poorer and more modest Church, without triumphalism. I think Pope Francis is the type of Pope Jan Hus would like very much. 

The Church is going through a period of division now, and it sometimes seems like those close to Pope Benedict XVI are against Pope Francis. But you have been a strong defender of Pope Francis and you were also close to Pope Benedict. How do you interpret this current division in the Church?
I think that John Paul II and Pope Benedict ended – with great honesty and in a very positive way – a long period of Church history. It was a long period where the main task was confrontation with modernity. I think the happy end of this confrontation was the famous interview of Cardinal Ratzinger, the year before he was elected Pope, with German philosopher Jurgen Habermas. They both agree with the statement that Secular Humanism and Christianity need each other to overcome one-sidedness.

Also, Pope Benedict had a wonderful speech during his flight to Portugal, I always say that his best speeches were in the airplane... Perhaps because he was so near to heaven! And this speech about the compatibility of secular culture and Christianity was very profound and very courageous. 

I think it marked the end of one long period of Christianity. But now modernity is over, we live in the post-modern global age, the age of internet, of radical plurality, and we need something different. And I think Pope Francis is starting this new era of the Church, and every time somebody starts something new, such as happened with many saints in History, they found trouble in the Church, they were attacked, but they keep the fidelity to the Church, and I think that the supporters of Pope Francis want, and have the sensitivity, to read the signs of the times, and I think Pope Francis really discovered in a new and profound way, the very heart of the Gospel, which is mercy, solidarity with the poor, the struggle for Social Justice and responsibility for nature.

I think this is a very important thing. These things have been a little bit overshadowed by things to do with sexual morality, which are important questions, but they are not the most important questions. The most important is solidarity, mercy, justice and this is the focus of the message of Pope Francis.

At one point you say that you would not be comfortable in a society which is overtly Christian. Is this just a question of personal sensitivity, or do you think there is something inherently wrong with more overt expressions of popular devotion, as we see in Latin or African countries, for example?
I think that sometimes people in the countries where religion is taken for granted have the temptation for superficial religiosity, conformism. But in the secular situation we must make a personal choice.

I think that in the countries where religion is very traditional, and is taken for granted, there is a temptation for religiosity to be superficial, just keeping the traditions, turning to the past, but in the secular society we must decide, our faith is our free choice, and we must think about faith, and rethink many things, so what I support is the idea, which is expressed for example by the American philosopher Richard Kearney of Irish origin, who speaks about “anatheism”, to believe again, not to return to the past, to pre-modern religiosity, to take seriously the criticism of religion by many modern thinkers.

After this criticism this could be a time of purification of faith, purification of idolatry, and then we can believe again, after the crisis, and believe deeper, not just return to the past. I think our faith is the faith of Easter, and Easter is the mystery of death and resurrection.

Sometimes our faith, in our personal history, but also in the history of the Church, must be crucified and withstand the “dark night of the Soul”, Must withstand the moment in which Christ was crying “My God, my God, why have you forsaken me”. And then after the Good Friday we can be open to the Easter morning. There is no resurrection without the Cross. 

I was struck by something… You were an only child, and although you had many uncles and aunts, it seems that most of them either never had children or had very few. Looking around the world one does seem to notice that countries that draw away from God seem to have fewer children. Does that explain what happened in the Czech Republic in your time? Does it have a deeper meaning?
I think this phenomenon is more recent, that people are not willing to have families and rear children. I think it was not like that in the generation of my parents, it is more now that the family is in crisis.

We should rethink many things. I am a little bit afraid of the Feast of the Holy Family, because I have heard many sermons for this feast and Holy Family was spoken of as an ideal patriarchal family from the XIX Century, a bourgeois family, and the family of Nazareth was not like that.

Our situation is also not like this. We cannot turn to this model of the traditional patriarchal family of the XIX Century. Now we live in another time, and it is not easy to find a proper model for the family of our time. I think we should think deeply about the spirituality of the family, about the role of women, the relation between the generations, we cannot just keep, or try to return to, the past.

There is something substantial about the family, the love between men and women, and procreation and education of children, but the history and the context is always changing. I admire the young people who, in this situation, have the courage to not only found a family, but I am digressing…

You explain conversion as a sunrise. This is a very profound image… Could you elaborate?
Faith is, for me, not just a worldview, some sort of philosophy. It is an existential orientation, and conversion is the transformation of the whole personality. I think that people who were brought up in the traditional family must also experience this sort of conversion, because the faith of children is nice, but there is always a time when that children's faith is in crisis. And I think that education in the Church, and pastoral work, is not prepared to work with this crisis, as a challenge to go deeper. For many people this crisis ended in atheism or a “apatheism”, where people are apathetic to the Church, and we need to accompany people through this crisis, not to push them back to the faith of their childhood, this is often a type of fundamentalism, this attempt to go back to the style of my faith as it was in my childhood, or in the past of the Church.

We must go through this crisis and discover the deeper dimension of the faith. It is a transformation, it is not just a situation where we add something to our worldview, but it is real, like a sunrise, and now we see everything in a new light, from a new perspective, and I think we all need this perpetual transition, this perpetual conversion.

The sign of the times today is to move from being Christian to becoming Christian, it is a long-life process.

You express the moment when you, yourself, went through this conversion. But is this something which happens only once? When was the last time you experienced a sunrise such as this, which changes the way you see reality?
I think it was at the beginning of the pontificate of Pope Francis. I realised that there was something new in the Church, a new way to read the Gospel and to take it and the radical challenges, the radical message of the Gospel very seriously. So, when I meditate, practically every day, on the preaching of the Holy Father in Santa Marta, which can be found on the Internet, which is sometimes very simple, but it has something new and fresh, the spirit of somebody who is deeply involved with the heart of the Gospel.

This was a wakeup call for me and led me to read the Gospel in a new and more radical way.


quarta-feira, 28 de novembro de 2018

Red wednesday

Já viu as imagens do menino autista e mudo que se tornou a estrela da audiência geral do Papa Francisco, hoje?

O Presidente das Filipinas quer que os cristãos deixem de frequentar as igrejas. Nós gostaríamos que ele deixasse de assassinar toxicodependentes. São escolhas…

Quatro finlandeses foram expulsos da Malásia por distribuir material cristão e nos Camarões um padre foi assassinado por soldados e dois outros raptados no espaço de três dias. Na República Centro-Africana os bispos convidam os fiéis a um dia de oração e luto pelo regresso da violência.

É por esta e por outras que hoje é Red Wednesday, para recordar os cristãos perseguidos. Em Portugal, se viver por perto, pode ver o Cristo Rei, os Jerónimos, os Clérigos e a Basílica dois Congregados iluminados de encarnado.

É possível construir igrejas modernas e bonitas? Sim. Aqui está a prova.

O bispo D. José Ornelas está solidário com os estivadores do Porto de Setúbal.

E hoje é quarta-feira, por isso trago-lhe mais um artigo do The Catholic Thing, com Randall Smith a perguntar se o Antigo Testamento é uma história de progresso ou de contínuos falhanços por parte do povo de Deus. A resposta? “Ambas as duas”.

Progresso ou Falhanço Repetido?

Randall Smith
Entre os Padres da Igreja havia duas tradições sobre o Antigo Testamento. Uma via o Antigo Testamento como uma progressiva educação da humanidade por parte de um Deus providente e sábio, com o objectivo de elevá-la, passo-a-passo, e prepará-la para a revelação final de Deus em Cristo. Sob esta perspectiva, “a humanidade não aguenta demasiada realidade”, por isso Deus tinha de preparar os homens pouco a pouco para estarem prontos para a revelação final do Verbo incarnado.

O teólogo Eusébio escreveu, no quarto Século, que “a raça humana, nos tempos antigos, não estava ainda capaz de receber os ensinamentos de Cristo, a perfeição do conhecimento e da virtude”. Era necessário primeiro que as “sementes da religião” fossem semeadas pelo mundo até que “todas as nações da terra estivessem prontas a conceber a ideia do Pai que lhes ia ser revelada”. Só então é que o Verbo apareceu em pessoa.

Mas outra tradição sugere que o Antigo Testamento não passou de uma série de falhanços. Santo Agostinho pergunta: “Há dúvidas de que é por isto que a lei foi dada, para que o homem se encontrasse? E por isso ele se encontrou; encontrou-se imerso no mal”. Entregue a si próprio, o homem “teve de se submeter a uma longa e variada experiência da sua própria malvadez, e descer às profundezas para reconhecer melhor que precisava de um salvador”. De igual modo o autor da Carta a Diogneto confessa que “Ele antes nos convenceu da impotência da nossa natureza para ter a vida; agora mostra-nos o Salvador capaz de salvar até mesmo o impossível”.

Na obra de São Tomás Aquino encontram-se ambas as tradições, tal como ambas se encontram nas Epístolas de São Paulo. Por um lado, diz São Tomás, a lei era uma pedagogia, um mestre ou tutor, que nos ensinava, protegia e preparava para a vinda de Cristo (ver Gal. 3,24). Por outro lado, a lei também revelou a nossa impotência porque mesmo quando, orientados pela lei, sabemos o que devemos fazer, não somos capazes de o fazer. A lei era incapaz de nos tornar bons e revelou a nossa impotência, aumentando assim em nós o desejo por um Salvador e o dom da graça de Deus (ver Rom. 7, 8)

Então como é que ficamos? O Antigo Testamento é uma história de progresso, ou de repetidos falhanços?

As duas coisas. O Antigo Testamento é a história da aliança de Deus com o seu povo. O povo, pela sua parte, falhou repetidamente no cumprimento da aliança e afastou-se. E, porém, apesar das infidelidades, Deus permaneceu sempre fiel. Os castigos existiram apenas para exaltar o povo.

Depois de 40 anos no deserto, que foi quer um castigo quer uma preparação, Ele introduz o povo na Terra Prometida. Subsequentemente, por causa das suas repetidas infidelidades, envia-o para o exílio na Babilónia, outro castigo e outra preparação. Então trouxe-o de volta da Terra Prometida para construir o Templo e preparar a vinda do Messias.

Por entre os triunfos e as derrotas, as quedas e as elevações, Deus, na sua providência de amor, está sempre a conduzir o seu povo rumo a uma união mais completa e uma comunhão mais profunda com Ele. A história judaico-cristã não é o antigo “mito do eterno retorno”. Não estamos condenados a repetir o mesmo ciclo sem sentido para toda a eternidade. Somos um povo peregrino e, embora possamos cometer os mesmos erros vezes e vezes sem conta, Deus está a dirigir-nos de volta para si.

Eusébio de Cesareia
Estas duas abordagens ao Antigo Testamento não têm algo de importante para nos ensinar? Talvez possamos ver a providência de Deus em acção, inspirando os pais e os doutores da Igreja, ensinando-nos a evitar dois erros contrários: imaginar que a história é de contínuo “progresso”, por um lado, ou que é apenas uma série de ciclos sem sentido, e sem rumo, por outro.

Confessamos repetidamente muitos dos mesmos pecados, na esperança de conseguir fazer melhor, apenas para voltar a confessá-los mais tarde. Estaremos a conseguir algum progresso?

Orgulhámo-nos tanto do Papa São João Paulo, o Grande e de Bento XVI. Parecia uma “nova primavera” para a Igreja. Contudo, a isso seguiu-se uma “longa Quaresma” de McCarricks e companhia, levando as pessoas a perguntar se as coisas alguma vez estiveram tão más (resposta: Sim, mas não é um concurso) e será que a Igreja está acabada? (resposta: não, mas só por causa do Espírito Santo).

A verdade é que progredimos. Podemos esperar que o Espírito Santo nos mude verdadeiramente. Mas devemos contar com regressões. Precisaremos de nos levantar e começar de novo, uma e outra vez.

Durante o Século XX foi feito um trabalho teológico fantástico, e tivemos alguns dos melhores Papas da história. A nossa compreensão de quem Deus é e da missão a que nos chama avançou de forma maravilhosa desde os tempos do Concílio de Niceia, em 325 até ao Concílio Vaticano II. Isto sim é progresso. E, porém, continuamos a cometer erros, por vezes piores que os do passado.

Se tem havido progresso, e tem, então é de Deus e não nosso. Nós, juntamente com São Paulo, devemos admitir a nossa impotência e voltar-nos para Ele para obter a salvação que sabemos que não podemos alcançar para nós mesmos. Estamos aqui, nas palavras de T.S. Eliot, para “ajoelhar onde a oração já teve valor”.

E o que há para conquistar,
Por força e obediência, já antes foi descoberto
Uma vez ou duas, ou várias vezes, por homens que não podemos ter esperança
De emular — mas não se trata de competição —
Trata-se apenas da luta para recuperar o que se perdeu
E achou e perdeu outra e outra vez: e agora, sob condições
Que parecem desfavoráveis. Mas talvez nem ganho nem perda.
Para nós, há apenas a tentativa. O resto não é connosco.
(Tradução de Gualter Cunha – Relógio d’Água)


Randall Smith é professor de teologia na Universidade de St. Thomas, Houston.

(Publicado pela primeira vez em The Catholic Thing no domingo, 25 de Novembro de 2018)

© 2018 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

segunda-feira, 26 de novembro de 2018

Os portugueses do extremo-oriente

Cardeal Bo
O novo líder da Federação das Conferências Episcopais da Ásia é um lusodescendente, que vem substituir outro lusodescendente, numa prova vida da importância do legado português naquele continente.

Conheça aqui a história da freira polaca que morreu aos 110 anos e ajudou a salvar judeus durante a II Guerra Mundial.

Faz sentido continuar a haver um bispo das Forças Armadas? O novo foi ordenado ontem, e diz que sim.

É um caso muito peculiar, do início ao fim… Um juiz considerou inconstitucional a lei americana que proíbe a mutilação genética feminina


E na quarta-feira vamos poder ver o Cristo-Rei, os Jerónimos, a Torre dos Clérigos e a Basílica dos Congregados pintados de encarnado. É uma forma de chamar atenção para os cristãos perseguidos no mundo.


quarta-feira, 21 de novembro de 2018

Diferentes Papas para Diferentes Épocas

Dentro de cerca de uma hora o padre Tomás Halík vai proferir uma conferência em Lisboa. Se não teve a sorte de poder ir ao evento, não deixe de ler a entrevista que lhe fiz, em que ele explica como o Papa Francisco inaugurou uma nova época para a Igreja, mas sem tecer qualquer crítica – muito pelo contrário – aos seus antecessores. Se conseguiu ir à conferência, leia a entrevista à mesma. Quando acabar de a ler podem ainda ir ler a entrevista que ele deu à Ecclesia, ao Octávio Carmo, que complementa bem a minha.

Por falar na Ecclesia, os nossos amigos dessa agência estão por Angola e de lá mandaram estas duas reportagens muito interessantes. Numa os bispos sublinham a importância da relação com Portugal e noutra colocam-se firmemente junto ao atual regime e às reformas que está a empreender.

O Vaticano divulgou esta quarta-feira o programa da visita do Papa ao Panamá, para as Jornadas Mundiais da Juventude, em Janeiro. O Papa publicou ainda uma mensagem em vídeo para os participantes.

Hoje no artigo do The Catholic Thing trago-vos Michael Pakaluk, que comente ao Evangelho de Marcos e a centralidade, no mesmo, do poder de Cristo sobre os demónios. É uma análise muito interessante, cuja leitura recomendo!

Onde Estão os Demónios?

Michael Pakaluk
De entre os primeiros relatos da vida de Cristo, o Evangelho de Marcos tem uma certa primazia. É possível, como crêem a maior parte dos especialistas, que tenha sido o primeiro Evangelho a ser escrito. A tradição dita que era o “evangelho de Pedro”, isto é, que foi escrito por Marcos mas que lhe foi contado por Pedro. E Pedro era “a pedra”, o primeiro de entre os apóstolos, o primeiro Papa.

É costume, hoje, (ainda que em tempos tenha sido mais), ouvir os não-cristãos a admitir pelo menos que Jesus foi “um grande mestre moral”. Este ponto de vista já foi bastante bem demolido por C.S. Lewis e por Peter Kreeft: Jesus ensinou que era o Filho de Deus, que podia perdoar os pecados, e que a nossa salvação dependia dele. Mas se não forem verdade, então estas afirmações apontam mais no sentido da demência. Logo, Jesus ou era Deus ou era um homem mau. Não há alternativa. E em nenhum dos casos ele pode ser descrito simplesmente como “um grande mestre moral”. Os Padres da Igreja já tinham argumentado no mesmo sentido: aut Deus aut homo malus.

Daí que a ideia de que Jesus é um “grande mestre moral” não tenha fundamento. Se é grande, devemos acreditar nos seus ensinamentos, incluindo a de que é Deus; se, todavia, os seus ensinamentos são falsos, então não pode ser grande. Infelizmente, contudo, este tipo de argumentação não aponta para a verdade. Só por si é tão provável que leve alguém a rejeitar Jesus como aceitá-lo.

Mas aquilo que transparece do Evangelho de Marcos é um “argumento” mais forte e convincente, talvez aquele que mais falta faz nos nossos dias. Não é que Jesus não seja simplesmente um mestre moral – é antes que o Jesus que lá nos é apresentado nem sequer é um “mestre moral”! Mais simplesmente, mais do que ensinar alguma coisa, ele proclama, e o que ele proclama é a incursão do “Reino de Deus” nas possessões do demónio.

Aquilo que está em causa no Evangelho de Marcos não é tanto o género de conselhos sobre como conduzir a vida, mas o facto de estarmos perante a chegada de uma autoridade espiritual capaz de banir e subjugar o demónio.

Dito isto, sim, é verdade que alguns especialistas tendenciosos têm disputado estas conclusões: também é verdade que os ensinamentos da Igreja ao longo dos séculos continuam a ser a única forma sã de interpretar as escrituras. Mas continua a ser verdade que Marcos oferece uma correção impressionante de alguns dos nossos preconceitos, como por exemplo o à vontade com que lidamos com o pecado e os actos pecaminosos.

O primeiro milagre de Jesus em Marcos (capítulo 1) é um exorcismo: “Que tens tu a ver connosco, Jesus de Nazaré”, grita o demónio, “vistes destruir-nos? Eu sei quem és, o Santo de Deus”. Logo desde o inicio aquilo a que as pessoas se referem quando falam no “seu ensinamento” é o seu poder sobre o demónio. “Que é isto?”, perguntam, “um novo ensinamento! Com autoridade ele comanda até os espíritos impuros, e estes obedecem-lhe” (1,27).

Quando Jesus nomeia os doze como seus apóstolos, envia-os para ensinar, dando-lhes “autoridade para expulsar demónios” (3,15). O facto de Jesus possuir este poder é, aos olhos dos seus inimigos, a sua principal característica: “é pelo príncipe dos demónios que ele expulsa os demónios”, dizem, reconhecendo o facto.

Quando ele começa a ensinar (capítulo 4), fala apenas em parábolas sobre a incursão do Reino. Logo na primeira parábola refere-se a Satanás e aos seus esforços de resistência, roubando a palavra que é semeada (4,15). Quando começa a fazer actos de misericórdia é a cura do “endemoniado gadareno” que recebe mais atenção, num capítulo que também inclui a cura da hemorroísa e a ressurreição da filha de Jairo (capítulo 5). Quando envia os doze para pregar, a sua mensagem é a do arrependimento dos homens, associado ao facto de terem “expulso muitos demónios” (capítulo 6).

A primeira vez que lida com os pagãos, sinal de que o Evangelho está a ser pregado às nações, é quando exorciza a filha da mulher sirofenícia (capítulo 7). A sua famosa repreensão a Pedro mostra o que achava da oposição ao Reino: “Vá de retro, Satanás!” (capítulo 8). Quando se procura saber se certa pessoa está com ele ou contra ele, a prova dos nove é saber se expulsa demónios em nome de Jesus (11, 38-41).

Só no décimo capítulo é que encontramos algum traço do “ensinamento moral”. Nem de propósito, tendo em conta os nossos tempos, diz respeito à indissolubilidade do casamento e o acolhimento das crianças. Depois disso, o Evangelho de Marcos dedica-se aos eventos da Semana Santa.

Mas devemos enfrentar este contraste. Muitos de nós rezamos a oração de São Miguel depois da missa. O Santo Padre refere-se várias vezes ao demónio, que claramente trata como uma realidade.

Contudo, em geral a “cultura” da fé em que estamos imersos é muito diferente da de Marcos. Perdemos o sentido de luta contra o demónio como sendo parte do discipulado cristão, e que é precisamente daí que a Igreja retira o seu poder.

Mas com a nossa atitude complacente estamos a colocar-nos em campos opostos, não apenas a Marcos mas a todo o Cristianismo histórico. “Pelo pecado dos primeiros pais, o Diabo adquiriu certa dominação sobre o homem, embora este último permaneça livre (CCC 407); “E porque o Baptismo significa a libertação do pecado e do diabo, seu instigador, pronuncia-se sobre o candidato um ou vários exorcismos” (CCC 1237).

Então e hoje? Onde é que se meteram os demónios? Espero que possam ser banidos da “Cristandade”. Mas as muralhas dessa civilização já foram comprometidas – não obstante o facto de uma vida sacramental continuar a ser a melhor maneira de se proteger. Os demónios são seres imateriais, que não podem, por isso, ser destruídos. Diz-se que andam pelo mundo, até ao fim desta geração. Se admitirmos que sempre existiram, então faríamos bem em partir do princípio de que actualmente estão bem mais próximos.


Michael Pakaluk, é um académico associado a Academia Pontifícia de São Tomás Aquino e professor da Busch School of Business and Economics, da Catholic University of America. Vive em Hyattsville, com a sua mulher Catherine e os seus oito filhos.
  
(Publicado pela primeira vez em The Catholic Thing na terça-feira, 13 de Novembro de 2018)

© 2018 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

terça-feira, 20 de novembro de 2018

Passaporte para a Asia, precisa-se

A face da coragem e a face da revolta
Foi durante a minha licença, mas a maioria terá tido conhecimento da libertação de Asia Bibi. Hoje o seu advogado disse que ela precisa de um passaporte estrangeiro para poder abandonar o Paquistão, onde a sua vida está em perigo.

Ontem quando mandei o mail decorriam operações de salvamento após o desabamento de uma estrada em Borba. Há mortos, e hoje o arcebispo de Évora associou-se “à dor e ao luto” pelas vítimas.

Amanhã, se puderem, não percam a conferência do padre Tomás Halik, da República Checa. Vai decorrer no Colégio São João de Brito, pelas 18h30. Nos próximos dias poderão ler na Renascença um artigo com este padre extraordinário.


segunda-feira, 19 de novembro de 2018

A raiz perversa da pobreza, segundo o Papa Francisco

O Papa Francisco almoçou com cerca de três mil pobres, ontem em Roma, na segunda Jornada Mundial dos Pobres. Antes celebrou missa e criticou a injustiça, que é a “raiz perversa da pobreza”. O Papa elencou ainda diferentes classes de pobreza, incluindo os bebés que não chegam a nascer e as populações privadas dos seus recursos naturais.

Ontem houve ainda a celebração do Angelus, como é tradicional. O Papa recordou as vítimas de um terrível massacre de cristãos na República Centro Africana e também as vítimas mortais dos incêndios na Califórnia.

A Faculdade de Teologia da Universidade Católica tem nova direcção. Pela primeira vez na sua história a directora é uma mulher e leiga, embora consagrada. A Renascença deu a notícia na véspera de o Papa ter valorizado o papel das mulheres na teologia.

Os Jesuítas de Angola juntam-se aos bispos do Congo ao manifestar preocupação pela situação de centenas de milhares de congoleses deportados de Angola e que poderão ter sido vítimas de maus-tratos.

Não deixem de ler o artigo da semana passada do The Catholic Thing, sobre o perigo para a alma dos bispos que encobrem casos de abusos sexuais praticados pelo clero. Pode também gostar de ler outro artigo na mesma linha, da semana anterior, sobre como a sua oração e os seus sacrifícios espirituais podem beneficiar a Igreja nesta fase difícil que atravessa.

Termino com um aviso. No dia 27 de Novembro há concerto dos Simplus, no auditório da Igreja de Santa Joana Princesa, em Lisboa. A cara mais bonita desta dupla de artistas católicos fala sobre o seu trabalho nesta entrevista a Aura Miguel. Todas as informações no cartaz anexo.

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Nazaré não é só ondas grandes

De volta após um mês de licença, começo por trazer-vos esta notícia do Papa Francisco, que recebeu das mãos do presidente da Câmara uma imagem de Nossa Senhora da Nazaré, juntamente com um pedido de apoio à candidatura da devoção a património imaterial da humanidade.

Os bispos do Congo estão muito preocupados com a sorte de cerca de meio milhão de compatriotas que foram expulsos de Angola ao longo das últimas semanas.

Na passada segunda-feira houve uma homenagem ao padre João Seabra, que contou com a presença de centenas de amigos e admiradores, incluindo o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa.

Foram vários os artigos do The Catholic Thing publicados ao longo deste último mês, que vos convido a ver no blog. Destaco o que foi publicado agora mesmo, em que Stephen White fala do perigo dos bispos trocarem as suas mitras por mós de moinho no caso de falharem na resposta aos abusos sexuais sobre menores. Mas podem ainda ler o artigo de Filip Mazurkzak, também sobre o tema dos abusos.

Mitras e Mós

Stephen P. White
Ouvi uma vez uma homilia sobre vocações ao sacerdócio que concluiu com o seguinte desafio aos homens novos da paróquia: “Se não há sequer uma pequena parte de vós que quer ser padre, é porque não sabem verdadeiramente o que é um padre”.

Nessa altura, com vinte e poucos anos e acabado de sair de um período de discernimento, achei que este era um ponto muito profundo e muitas vezes desvalorizado. Por um lado, contraria a ideia do sacerdócio ordenado como um tipo de serviço eclesial selectivo, como se alguns homens fossem chamados e outros simplesmente não. Mas o que me chamou mais a atenção foi a confiança do padre quanto à universalidade do seu apelo. Estava a fazer uma afirmação subtil, mas ainda assim forte, não só sobre o que significa ser padre, mas sobre o que o que significa ser homem.

E nisso tinha razão. Há algo da essência da masculinidade num homem que se distingue dos demais, pelos demais, e oferece um sacrifício em nome daqueles que lhe são confiados. Não pavoneia a sua autoridade sobre as pessoas; dá a vida por elas. Sem querer confundir aqui as diferentes vocações, de certa forma isso descreve bem a vocação de todos os homens.

Se é verdade que o sacerdócio revela algo sobre o ser-se homem, então também se aplica que a paternidade deve revelar algo sobre a essência do sacerdócio. Se um padre não compreende de alguma maneira o que significa ser-se pai – não necessariamente no sentido natural, mas espiritual – então por mais que seja tratado por “padre”, terá dificuldade em viver bem o sacerdócio.

E com isto chegamos aos bispos americanos, que na próxima semana se encontrarão em Baltimore para o plenário anual da Conferência Episcopal*. A crise dos abusos sexuais – e sobretudo as falhas dos bispos em responder adequadamente a esses abusos – estará no centro das atenções.

Os bispos terão de colocar muitas perguntas a si mesmos e uns aos outros. Mas há uma pergunta que toca em cheio na fúria e na revolta sentidas por milhões de fiéis católicos: Que tipo de pai, que tipo de homem, reage aos abusos praticados sobre os seus próprios filhos da forma como muitos dos nossos bispos responderam aos abusos cometidos sobre os seus?

A pergunta encerra em si a resposta.

Quantos são os bispos que compreendem que as suas falhas são falhas de paternidade, e que as suas traições e as suas mentiras são sentidas com a mesma devastação? Quantos bispos têm a coragem de denunciar os seus próprios colegas – mesmo que em privado – nestes termos?

A reunião dos bispos começa na Segunda-feira com um dia inteiro dedicado a “oração e discernimento”, que terminou com Missa. Isto dará aos bispos a oportunidade de contemplar estas questões, tenham eles essa coragem.

Por providência, as leituras para a Missa de Segunda-feira devem contribuir para um exame de consciência.

A primeira leitura é de Paulo, que instrui Tito, seu “verdadeiro filho” na fé, quanto à selecção de homens para o sacerdócio: “Estabelece presbíteros em cada cidade, como te instruí, na condição de que sejam irrepreensíveis”. A seguir Paulo instrui Tito nas suas responsabilidades enquanto bispo, exortando-o a rectidão moral e concluindo com a necessidade de “reter firme a fiel palavra, que é conforme a doutrina, para que seja poderoso, tanto para admoestar com a sã doutrina, como para convencer os contradizentes.”

São palavras boas e edificantes para os bispos (e todos nós) escutarem. Mas se as palavras de Paulo são edificantes, as palavras de Cristo aos apóstolos no Evangelho de Segunda podem ter um efeito diferente: “É mister que venham escândalos, mas ai daquele homem por quem o escândalo vem! Melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma mó de azenha, e se submergisse na profundeza do mar, do que causar escândalo a um só destes pequeninos”

Quantos são os bispos que abordam os deveres do seu ofício com tremor e temor, não vão eles trocar as mitras por mós?

Nosso Senhor não os deixou apenas com esse aviso. Não basta que os apóstolos deixem a sua própria casa em ordem, se ignorarem aquilo que se passa à sua volta. Eles são responsáveis pelos “pequeninos”, mas também uns pelos outros.

“Estejai atentos! Se o teu irmão pecar, repreenda-o.”

Um bispo que se recusa a proclamar a verdade aos seus irmãos bispos, um bispo que não oferece (nem aceita) correcção fraterna, não só falha na caridade para com os seus irmãos bispos, mas falha os “pequeninos”, que são os que mais sofrem pela sua negligência.

Mais uma vez, não se trata de bispos a exibirem a sua autoridade uns sobre os outros, mas de levar a sério a sua vocação enquanto bispo, padre, pai e homem.

E quando um bispo falha, o que fazer?

“Se ele se arrepender, perdoa-o. E se te ofender sete vezes num só dia, e voltar sete vezes dizendo ‘desculpa-me’, deves perdoá-lo”.

Ora, aqui somos nós que devemos fazer um exame de consciência. Os nossos bispos são homens, isto é, são pecadores. Não obstante a importância de punição justa e prudente, estamos dispostos a perdoar os nossos bispos quando estes se arrependem e pedem perdão? E estamos dispostos a distinguir entre erros honestos e erros de juízo, por um lado, e depravação e corrupção por outro? Ou será que estamos tão seguros da nossa revolta que não consideramos necessário fazer tais distinções?

Esperemos e rezemos para que os bispos tenham a coragem e a humildade de enfrentar as questões mais difíceis, e que nós tenhamos a sabedoria de responder, honestamente, como os apóstolos às admoestações de Cristo: “Aumenta a nossa fé”.

* O encontro entretanto já começou.


Stephen P. White é investigador em Estudos Católicos no Centro de Ética e de Política Pública em Washington.

(Publicado pela primeira vez em The Catholic Thing na Quinta-feira, 8 de Novembro de 2018)

© 2018 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte:info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing

quarta-feira, 7 de novembro de 2018

Leigos Preocupados e Sacrifício Espiritual

Pe. Bevil Bramwell
Ao longo destes dias muitos padres têm recebido mensagens de pessoas preocupadas com o estado da Igreja. É uma questão grande, para a qual não temos respostas imediatas nem muito confortantes. Muitas pessoas estão a par da situação: redes de padres homossexuais; abusos sexuais de crianças e jovens adultos; a deturpação da doutrina; a incapacidade dos bispos de responder à crise; sinais confusos de Roma.

Os leigos têm todo o direito a estarem horrorizados – até zangados – com tudo isto. Mas algumas coisas não mudaram, como por exemplo o facto de continuarem a ser baptizados e crismados. Chegou a altura em que vamos ver do que são feitos os leigos.

Os sacramentos do Baptismo e do Crisma significam que os leigos são membros adultos da comunidade católica, responsáveis pela “prática da Fé” – palavras sugeridas para as homilias nos baptismos.

A prática da fé envolve tudo o que tem a ver com a nossa adesão pessoal a Jesus Cristo, tornando a comunidade cristã uma realidade viva e participando na missão redentora da Igreja. Isto envolve aquilo que o Vaticano II e a tradição descrevem como “sacrifício espiritual”.

O sacrifício espiritual é uma opção espiritual interior e positiva do cristão individual. Trata-se da atitude básica para confrontar qualquer crise, incluindo a actual.

O primeiro passo é não tratar a pertença à Igreja como se fosse um clube, mas reconhecer os elos espirituais profundos que nos ligam. Entre outras coisas isso implica não abandonar a Igreja, amuado – mas caso esteja a pensar em fazê-lo, talvez queira averiguar primeiro o registo de abusos na igreja ou instituição secular a que pensa aderir.

Os sacrifícios espirituais interiores não dependem do clero, nem de Roma. São sacrifícios necessários para edificar, ao mesmo tempo, uma vida pessoal de virtude, a vida da comunidade eclesial e para fazer chegar mais longe a missão da Igreja.

O ensinamento no Catecismo é mais que suficiente para ajudar as pessoas a compreender as virtudes de uma vida católica, que implica tentar conformar tudo o que fazemos ou dizemos à verdade divina – isto é, procurando viver uma vida inteiramente cristã e alcançando a santidade (ver a III parte do Catecismo). Quando os leigos aplicam esse ensinamento, então mostram do que são feitos!

Depois temos a participação na vida dos sacramentos. Também isto envolve o sacrifício espiritual, na medida em que a pessoa se associa às orações comunitárias e responde vivamente com o seu “ámen” às orações do sacerdote. Podemos participar nas celebrações eucarísticas independentemente das crises na Igreja.

A Eucaristia é o momento certo para oferecer o sacrifício perfeito ao Pai. Não há crise que lhe possa tocar. A Eucaristia é a principal realização temporal do que significa a Igreja. Juntamo-nos de forma ritual para oferecer louvor e adoração e para pedir ajuda a Deus, a razão principal da nossa existência.

Nas nossas respostas à actual crise católica não devemos cair na forma secular e revoltada de comunicar que vemos à nossa volta. A crise não é uma oportunidade para birras adolescentes. É necessário um grande e constante sacrifício espiritual para nos juntarmos e comunicarmos como cristãos – sempre, em todos os assuntos.

O equivalente católico a “reuniões de condomínio” poderá alcançar alguma coisa, mas não resolve os muitos desafios profundos que enfrentamos, a não ser que também seja espaço de oração. A revolta legítima poderá levar um bispo a despertar para as suas responsabilidades doutrinais e morais. Mas a solução a longo-prazo exige uma mudança de atitude espiritual que conduz tanto a uma mudança de comportamento como a uma vontade de remediar as muitas más escolhas feitas no passado.

Outro sacrifício importante para os leigos é estar mais bem informado – e com isso não me refiro à revelação de estatísticas sobre abusos ou assuntos clericais. Estou a falar em estar bem formado interiormente sobre como se pode ser um leigo católico em pleno. Como é que eu participo nesta Igreja pecaminosa, como santo, em vez de me fechar em copas e esperar que a crise passe?

Quanto mais compreender isto, melhor se aguentará como leigo e poderá questionar o clero. Tome nota, contudo, que a maioria do clero está tão enfurecido como você sobre o abuso de jovens, mas também sobre o abuso da própria Igreja. Basta a colaboração de poucos padres para esconder um caso de abusos ou para promover um bispo abusador, da mesma maneira que basta a colaboração de poucos leigos para esconder os abusos numa família, que é onde acontece a maior parte dos casos. Saiba que a maior parte do clero está firmemente do seu lado.

Um outro sacrifício envolve aceitar que esta crise está para durar. Há cinquenta estados nos Estados Unidos e a informação sobre cada um vai sair gota a gota, ao longo dos próximos anos. Mais, grande parte da crise que já passou não pode ser “resolvida”. Sejam quais forem as novas políticas ou as sanções administrativas ou criminais impostas, em última análise a única resposta plena para este tipo de pecado é o arrependimento e a reparação.

Agora é tempo de muita penitência, jejum e oração. Os leigos devem praticar estas coisas também, porque desempenham um papel tão importante como qualquer outra pessoa neste processo: “se algum membro padece, todos os membros sofrem juntamente; e se algum membro recebe honras, todos se, alegram” (Lumen Gentium).


(Publicado pela primeira vez no Domingo, 21 de Outubro 2018 em The Catholic Thing)

Bevil Brawwell é sacerdote dos Oblatos de Maria Imaculada e professor de Teologia na Catholic Distance University. Recebeu um doutoramento de Boston College e trabalha no campo da Eclesiologia.

© 2018 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org


The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

Partilhar