domingo, 24 de fevereiro de 2019

Cimeira anti-céptica e FNOmenal

Sei que não vos costumo maçar ao fim-de-semana, mas como vou estar de folga nos próximos dois dias não queria deixar de vos mandar este mail com o essencial da cimeira sobre abusos sexuais, e não só.

Mas se os abusos representam a pior faceta da Igreja, perdoem-me se prefiro começar com uma bem mais bonita. Ontem foi o Faith’s Night Out. Uma iniciativa feita inteiramente por jovens, amadores, mas de um nível absolutamente incrível. Eu cresci como homem e como cristão nas Equipas de Jovens de Nossa Senhora e a minha geração não sonhava fazer coisas tão boas. Aqui está a minha reportagem de uma noite muito, muito bem passada.

E agora para a cimeira. Hoje foi a conclusão, com um discurso do Papa em que comparou os abusos sexuais ao sacrifício de menores e elencou oito orientações para resolver este problema não só na Igreja mas em toda a sociedade.

Tendo acompanhado tudo isto de perto devo confessar que um certo cepticismo de que fosse só conversa foi ultrapassado. O arcebispo Scicluna diz que este encontro marca o ponto definitivo em que se percebeu que o encobrimento é um pecado tão grave como os próprios abusos e isso está em linha com a “revolução coperniciana” pedida pelo arcebispo de Brisbane, por uma Igreja que coloca a vítima no centro, e não o contrário .

Ontem houve também momentos fortes, entre os quais uma jornalista veterana (ainda mais veterana que a Aura Miguel!) a dizer muito claramente aos bispos que se eles estão do lado dos abusadores, então bem podem ter medo dos jornalistas. Isto no mesmo dia em que o cardeal Marx admitiu que a Igreja preocupou-se mais em disciplinar as vítimas do que os abusadores e falou de dioceses que até destruíram documentação sobre os criminosos. Uma das oradoras que mais impressão causou foi a freira nigeriana que disse aos bispos que por mais que se escondam, esta é uma tempestade que não vai passar.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Partilhar