quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Estratégias do Abismo

Anthony Esolen
“No pensamento”, escreve o tio Escritorpe [Screwtape], personagem criado por C.S. Lewis em Vorazmente Teu, “as modas servem para distrair as atenções dos homens dos verdadeiros perigos”. É uma estratégia simples, mas eminentemente eficiente.

Dirigimos a revolta de cada geração contra os vícios que representam menor ameaça e fixamos a sua aprovação nas virtudes mais próximas do vício que estamos a tentar tornar endémico. O objectivo é pô-los a correr de um lado para o outro com extintores sempre que há uma inundação e todos a refugiarem-se do lado do barco que já está quase debaixo de água. Logo, promovemos a moda de se expor os perigos do Entusiasmo no preciso momento em que estão todos a ficar mundanos e mornos... Nas épocas cruéis pômo-los de guarda contra o Sentimentalismo, nas eras fúteis e preguiçosas, contra a Respeitabilidade e nos lascivos contra o Puritanismo.

Ao leitor ocorrerão vários exemplos actuais deste fenómeno. Precisamente quando o Islão procura expulsar todos os cristãos e judeus do Médio Oriente, e os jihadistas decapitam repórteres, fuzilam crianças e incendeiam aldeias inteiras cheias de mulheres e crianças, os habitantes do Ocidente sonâmbulo e indiferente à religião revoltam-se contra a islamofobia.

Numa altura em que é considerado crime de lesa-majestade sugerir que as mulheres possam ter quaisquer limitações, seja de corpo, espírito ou mente, e quando os homens de classe operária vêem os seus empregos a desaparecer ou os ordenados a descer, ficamos muito preocupados por saber se uma menina universitária de uma faculdade chique devia ter de pagar um punhado de dólares para financiar hormonas sintéticas, para poder continuar a levar uma vida dissoluta e despreocupada.

Recentemente uma estrela da equipa de futebol americano Minnesota Vikings foi acusado de ter batido no seu filho de quatro anos. Pegou num ramo e chicoteou-lhe as pernas, uma e outra vez. As fotografias são terríveis. Desde esse dia temos ouvido muitas discussões sobre o que a entidade empregadora devia fazer sobre o assunto e as mais severas condenações para o caso de não fazer nada.

Não faço questão nenhuma de defender jogadores de futebol americano chicoteadores. Mas parece-me um claro exemplo da estratégia do Escritorpe. Não me parece que a nossa seja uma época em que se exagera na disciplina das crianças. Tenho muito pouco de bom para dizer sobre a escola pública, mas é um facto que em muitas escolas simplesmente não se consegue educar ninguém, porque as salas de aula estão fora de controlo. O problema é particularmente grave em sítios onde as crianças crescem sem a figura paternal.

O perigo vem de duas direcções diferentes. Uma criança insolente e teimosa pode sempre ameaçar os seus pais com uma queixa falsa de abusos, o principal perigo vem de miúdas a quererem-se vingar de mães solteiras.

Entretanto, os rapazes crescem sem pais e nunca aprendem a controlar a sua agressividade. Ensombram a mãe, os professores, a enfermeira da escola e a directora. Não querem saber se essa atitude traz caos e confrontação. É o prato do dia.

Estamos a prejudicar muito as nossas crianças e muito pouco desse dano vem de um chicote. Regressemos à entidade patronal do jogador e aos jornalistas e adeptos que estão a exigir o seu despedimento. Não me pronunciu sobre o que deve ser o castigo. Só sublinho a total cegueira das pessoas que seguem esta moda moral.


As pernas do rapaz não sofreram danos permanentes. Mas, e se o jogador tivesse feito algo infinitamente mais danoso para o seu filho? E se ele tivesse dito à mulher: “Vou-te deixar por outra mulher” e simplesmente ter abandonado o rapaz, mandando-lhe um cheque de vez em quando por descarga de consciência?

Aí alguém pediria para ele ser despedido? Ninguém. Mas porque não? O abandono abre feridas que nunca saram, não são feridas na pele, mas no coração.

Não basta dizer que o divórcio é legal mas espancar uma criança não é. Ninguém nega que o jogador devia ser castigado segundo a lei. Mas os críticos pedem uma punição muito para além do que a lei impõe. Estão a pedir à Liga de Futebol Americano para se dissociar desta enormidade moral. É isso que me parece estranho.

Se o homem tivesse abandonado o seu filho, ninguém pestanejava. Seria interessante saber quantos dos seus críticos já conceberam filhos fora do casamento, quantos abandonaram, quantos corromperam, gabando-se das suas desventuras sexuais ou deixando pornografia ao seu alcance? Isto para não falar das crianças esquartejadas no útero. Esses chicotes não deixam sequer criança para cicatrizar.

Claro que não vamos ouvir qualquer comentador a pedir tolerância zero para o divórcio, ilegitimidade ou aborto. Esses pecados estão na moda. Também são omnipresentes.

As térmitas estão a transformas as vigas em pó, mas estás preocupado com uma racha no chão da cave. Tens os ossos corroídos por cancro, mas estás preocupado com a cintura. E depois de tapares a racha, perderes dois quilos e despedires o jogador, congratulas-te por seres tão responsável e dizes que está tudo bem.

Quem se ri é o Escritorpe.


Anthony Esolen é tradutor, autor e professor no Providence College. Os seus mais recentes livros são:  Reflections on the Christian Life: How Our Story Is God’s Story e Ten Ways to Destroy the Imagination of Your Child.

(Publicado pela primeira vez na Quarta-feira,1 de Outubro de 2014 em The Catholic Thing)

© 2014 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

2 comentários:

  1. Screwtapeletters, um dos melhores livros de sempre!

    ResponderEliminar
  2. Para a comunicaçao tudo o k e normal para eles e anormal.Se o pai estivesse a beijar o filho nos labios era normal.

    ResponderEliminar

Partilhar