sexta-feira, 22 de março de 2013

Abraços. Mais para uns que para outros

Depois de ontem um prémio Nobel da Paz ter vindo dizer que o Papa não foi cúmplice do rapto de dois padres nos anos 70, hoje um desses mesmos padres veio dizer a mesma coisa.

“Um abraço ao mundo” foi como o Papa hoje descreveu a audiência com o corpo diplomático. Francisco falou também de pobreza, de ditadura do relativismo e das relações com o Islão.

Noutras partes do mundo há muita falta de abraços. No Myamnar budistas e muçulmanos andam novamente às turras. Até agora, pelo menos 20 mortos.


E os escuteiros também estão a precisar de um abraço (eles que o ano passado deram o maior abraço do mundo), pela morte do “pai do escutismo português”, Monsenhor Américo Ferreira Alves (na foto).

Sem comentários:

Enviar um comentário

Partilhar