segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Papa na Suécia e misericórdia no Sudão

Dinheiro no Sudão do Sul
O Papa está na Suécia, onde hoje protagonizou dois importantes momentos ecuménicos com a comunidade Luterana. Francisco diz que as duas comunidades não podem resignar-se à distância que a separação criou entre eles e elogiou a “loucura” de quem arrisca tudo por Deus e pelo seu próximo.

Este foi um encontro, “sobretudo para relembrar o que nos une”, diz a pastora presibiteriana Eva Michel, que esteve na Renascença com o padre Tony Neves para comentar a visita.


Em Jerusalém foi aberto, pela primeira vez em vários séculos, o túmulo de Jesus, na Igreja do Santo Sepulcro, para investigação arqueológica.

E publiquei esta segunda-feira a oitava e última reportagem da série que fiz ao longo deste Jubileu da Misericórdia. Desta vez é uma conversa com o padre Zé Vieira, dos combonianos, sobre as obras da misericórdia. Não percam, as histórias são comoventes e fascinantes. 

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Papa Francisco e bizantinices

Arcebispo de Melbourne Denis Hart
Existem em Portugal alguns milhares de católicos de rito oriental, nomeadamente da Ucrânia e mais alguns países de Leste. O líder da Igreja Greco-Católica da Ucrânia, o arcebispo-maior Sviatoslav Shevchuk, acredita que estas pessoas precisam de integração, mas não assimilação.

Há quem chame a Shevchuk Patriarca, mas oficialmente não é. Essa questão, e toda a da relação e autonomia em relação a Roma, é sensível, como é também o factor russo. São assuntos que o líder religioso refere aqui.

O Papa Francisco manifestou ontem a sua vontade de visitar o Sudão do Sul. Não está confirmado, mas falta só um convite oficial do Governo, o que não deve ser complicado. O complicado virá depois.

O Papa fez ontem um discurso à comunidade académica do Instituto João Paulo II,em Roma. O discurso era suposto ser feito pelo Cardeal Sarah, mas o Papa decidiu que faria ele. Francisco falou da enorme importância desta instituição – para a qual nomeou uma nova direcção em Agosto – mais ou menos no mesmo dia em que o arcebispo de Melbourne, na Austrália mandou encerrar o polo local.

Por tudo isto podia-se pensar que o arcebispo estava metido em sarilhos, mas pelos vistos não, porque hoje foi nomeado para a congregação do Culto Divino e da Disciplina dos Sacramentos, juntamente com outros 25, incluindo o bispo de Bragança, D. José Cordeiro. Quem é o prefeito dessa congregação? Cardeal Sarah. Coincidências! (Mas leiam a notícia sobre o discurso, porque independentemente de todas estas confusões, é muito bonito).

“Greek Catholic migrants need integration, not assimilation”

This is a full transcript, in the original English, of my interview with His Beatitude Major-Archbishop Sviatoslav Shevchuk, of the Ukrainian Greek Catholic Church. The news reports, in Portuguese, can be found here and here.

Esta é uma transcrição integral, no inglês original, da minha entrevista a Sua Beatitude o Arcebispo-maior Sviatoslav Shevchuk, da Igreja Greco-Católica da Ucrânia. As reportagens podem ser vistas aqui e aqui.

You are in Portugal to discuss the pastoral care of Eastern Catholic migrants in Western countries. What are the main challenges?
This is the first meeting of Eastern Catholic Bishops of Europe here in Portugal.

We have not only Ukrainian Catholic Bishops, but bishops of the Byzantine Rite from Hungary, Romania, from Slovakia, Czech Republic. But also we have with us the Melkite Patriarch, from Syria.

We also have another family of Eastern Rite bishops, the Maronites.

So for us it is very important to meet in Portugal and the main issue that we will discuss is the pastoral care of migrants who belong to Eastern Catholic Churches.

Myself, as head of the UGCC, I am responsible for the Ukrainians not only in Ukraine, but also for Ukrainian Greek Catholics Worldwide. In Europe, in many countries, we have our structures, our dioceses, eparchies and metropolises, but there are many countries such as Portugal where we have our faithful, we have our priests, but we don't have our structure.

The main concern of our church is how can we help Roman Catholic Bishops who are responsible for the Eastern Rite faithful living in their territories, to be good pastors, to give an adequate pastoral care to those who belong not to the Latin tradition but to other Eastern Catholic traditions.

That question is very interesting and important, because the main message we would like to convey to our brethren Catholic Bishops in Europe is that pastoral care to the migrants from the Eastern Catholic Church can be expressed in the phrase “Integration, but not assimilation”.

We are very open to help our people to be well integrated, not only in society, but in the local church, because this is a way that we can share the richness of our Eastern Catholic liturgy, piety and worship, as well.

The man who greeted me at the airport told me today that many people would call us workers who are coming to look for a job, but we are really missionaries, because we are trying to share our Christian identity. So integration is very important, but not assimilation, because assimilation means to lose your own tradition, your own richness, to lose everything that you have to share with others.

For many years I have heard Eastern Catholics complain about their level of autonomy within the Catholic Church and their direct responsibility for diaspora communities. For example, until recently you could not ordain married clergy outside of your ancestral territories. That has changed, are there other changes you are hoping for?
I would like to stress not so much autonomy, but cooperation and communion.

I hope that this meeting will be a possibility to meet those responsible for the pastoral care of migrants from many different Roman Catholic Bishops Conferences in Europe, so as to exchange ideas.

The local Roman Catholic Bishop has his responsibility, but the mother Eastern Catholic Church has its own responsibility as well. How can we cooperate? How can we help each other to be good pastors, good fathers to migrants in Europe?

But for example the naming of bishops, how does that work? Are you responsible for naming bishops in the USA, for example, or in Western Europe? Or does that depend on Rome?
Well, if we have to elect a bishop for the Ukrainian Diaspora, normally we will do that during the synod of our bishops. At the synod we elect new bishops.

For the diaspora we are supposed to elect three candidates, and present them to the Holy Father and he has his authority to choose one among those three, who according to his vision would be the best for those responsibilities.

So it is not the Holy Father directly who appoints a bishop for the Eastern Catholic Diocese outside of his mother land, that election is done during the session of the bishops synod, because the synod – as a collegial body – is a way of rule in the Eastern Catholic churches “sui iuris”. And then we would present those candidates to the decision of the Holy Father.

And is that a decision you are comfortable with, or would you like to be able to name them directly?
Until now we are comfortable, because the election of a new bishop is not only an internal issue, a private issue. A new bishop is a bishop for the whole Catholic Church. And it is how we can be not only in a dialogue, sharing information, but in communion with the Holy Father.

And for the Holy Father it is also very important to have the possibility to listen to the decisions of the different synods, of the different Eastern Catholic Churches “sui iuris”.

You became Patriarch under Pope Benedict, but you knew Pope Francis well from your time in Argentina. He was very close to the Greek Catholic community in Argentina. From your point of view, has his knowledge and his love for the Eastern Catholic tradition played a role in his papacy?
I think so.

In Argentina he was an ordinary bishop for the Eastern Catholics who did not have their own ecclesiastical structure, so he was responsible for the pastoral care of the Eastern Catholics in Argentina.

The Ukrainian Catholic eparchy in Argentina is a part of the Archdiocese of Buenos Aires, so he was my direct superior. And I had a chance to meet with him many times, to convey to him the situation in the Ukrainian Catholic Church worldwide, so he knows pretty well our spirituality and our identity. Even more, the priest who was his spiritual director in the Salesian school in Buenos Aires was Ukrainian, so that is why the Holy Father would normally greet the Ukrainian bishops in Ukrainian.

But I think that the vision of the Universal Church, form the point of view of Latin America, brings some new horizons and perspectives, even for the Eastern Catholics in Europe.

During his speech, Patriarch Gregory III Laham referred to you as a Patriarch. I know that this is an issue which has a lot to do with Russia. Many Ukrainian Catholics feel that they are stuck in the middle of the relationship between Rome and Moscow. What are your feelings on this?
We are trying to be ourselves.

The patriarchate is a normal, organic stage of the development of an Eastern Catholic Church and we have reached that stage of development. Our people are praying for the Patriarchate. In the relations with the Holy Father, we are trying to be good Catholics, considering our own tradition, but in full communion with the successor of Peter, because we believe that is the image of the Church in the first Millennium, and that is our heritage of the baptism of Kiev-Rus.

Of course our Orthodox brethren have a different ecclesiology. Their way to understand the role of the successor of Peter is pretty different. Often they would deny any form of supremacy of the Pope in the Universal Church.

But nevertheless, being ourselves, we are trying to testify, to reveal that reality of the undivided Church of the first Millennium.

Are you worried that the UGCC might be almost sacrificed in favour of better relations with Moscow?
Not at all. But we are trying to be ourselves, and to speak out on behalf of our people, and if we feel that not everything is correctly interpreted, we are trying to testify to the reality in our country today.

When do you hope there might be peace in Ukraine?
We pray for peace. We work for peace. We defend peace. And I think that God will bless our nation and people with his heavenly blessing, and that blessing will bring us peace.

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

“The rebels brought the war into people’s houses. That is their strategy!”

This is a full transcript, in the original English, of my recent interview with His Beatitude Patriarch Gregory III of the Melkite Church. The news reports, in Portuguese are here and here.

Esta é uma transcrição integral, no inglês original, da minha recente entrevista a Sua Beatitude o Patriarca Gregório III da Igreja Melquita. As reportagens estão aqui e aqui.

You were telling me that the other day on your trip to Lebanon there were only four checkpoints, whereas before there would be 12. Is the situation in Syria improving?
The first big tragedy was in Homs. Now it is peaceful in Homs and the people have returned there. They are reconstructing their churches in Homs, in Yabroud, in Qusayr, in Nabek. This is positive.

Around Damascus there are still battles. My home town Darayya has now been liberated, but was totally destroyed, including two churches and all our people's houses.

Maaloula also has been liberated and the people, most of them, returned. We have about 125 or 130 families back and we are building for them not the whole house, but one room per family, which means that they can be at home even in a small place, without having to pay rent.

Damascus itself was always peaceful, but you had daily rocket attacks, sometimes hundreds of rockets per day, killing, destroying, it depends. But despite that, life goes on.

Just today [21st of October], we had rockets and our Cathedral was hit. Not much damage, just a little. This was the fifth time our Patriarchate in Damascus was hit by a bomb, but despite this we remain.

Now the big problem is in the North of Syria and in Aleppo, which means the border to Turkey and Iraq and to Jordan are closed now. This tells you where the belligerants are coming from, from Jordan, Turkey, Iraq, but because Iraq is weak now, and not under the control of the Government. This geographical description shows us how the war is. The war is against Syria, in Syria. The Holy Father said there is a third world war going on.

Now the worst problem is in Aleppo. We had a meeting of bishops of Aleppo, we wanted to have it in Aleppo, but because of the situation we were obliged to have it in Damascus. They told us that there used to be four million people in Aleppo and now there are one million. The others are displaced, not necessarily outside of Syria. There were 150 thousand Christians in Aleppo, but now there are maybe 30 thousand.

All the churches of the different communities are destroyed, more or less. The people are in need of food, light, water... But they are still there.

Around Damascus there are belligerants, but the army is advancing slowly.

Now our problem is really how to get people to stay at home. Emigration is the biggest danger for the Church in the Middle East, not only in Syria. Syria, Lebanon are all under this influence, even Jordan. In Iraq, from around 1 million, or perhaps 800 thousand, the Christian population is only around 350 thousand now. In all of Syria, 55 thousand Christians displaced, inside or outside Syria, 50% of doctors are out. This is hemmorhaging of the Syrian society, Christians and Muslims alike.

The future of Syria is very problematic. You have around three million children without schools, these are the clients for ISIS in the future. That is why we are very keen to work for the children in Syria, in the schools, and to rebuild schools. My own school was destroyed, two thousand children were left with nowhere to go. Everything was stolen.

This is a very big tragedy, but in spite of this we have so much hope. You can't believe how the people are crowded in the churches, especially for Lent. Every day our churches are full. We have youth movements; our congregations, women, men, young people, are filling our churches with social and pastoral activities. I don't understand how the people react this way. Inspite of the fear and the imigration, this is a complex situation of hope, of power, generosity, fidelity, trust in the Lord and in the future.

Darayya
Obviously the whole world is watching Aleppo and there have been many accusations against Russia and the regime because of the bombings. People are calling for a ceasefire...
First of all, the Church is for reconciliation. Already I wrote a letter in 2013 saying that the only way for the future of Syria and the church is reconciliation. So we are apostles for reconciliation, for peace, for dialogue, for reconciliaiton inside the society, not only for belligerants. This is our situation, our position.

We are also working with the children. We had an initiative to gather 1.2 million signatures of children for peace, an 8 meter long sheet with words of children for peace. We went with all of these documents to the European Union in Brussels and Geneva, to speak abou the future, we were the messengers of the children.

So this is the real situation and position of the Church, rather of the Churches! We have three Patriarchs in Damascus. Greek Orthodox, Syrian Orthodox and myself, and several bishops in Syria. All of them have a common vision regarding the situation, the government, the complot of this war, and so on.

For example, Darayya, which now has been liberated but is destroyed, before the destruction the people were happy, working, developed, and everything. A rebel group entered and made life impossible. They subdued the civilians; the civilians were under their control. Who has the responsibility to save these people? Who is responsible for the citizens? If the rebels are taking my house, who will kick them out?

The Government might destroy my house... This is what happened to a house of my relatives*. It was destroyed because a family came from outside and they rented a house near him. But it was an arsenal for weapons. The government shelled the house, and the house of my relatives was destroyed.

The same happened with churches. When the belligerants came to Homs, in the midst of the Old City of Homs, where the churches are, they turned the churches into their strongholds... What to do? So you can say that most of the churches were destroyed by the government. But why? Because they were no longer used as churches!

Monastic life in Aleppo
For example, the very famous monastery of St. Bachus and Sergius, in Maaloula, it was a central stronghold for the revolutionaries, the belligerants and for ISIS. What to do? The belligerants brought the whole war into the houses, in the old city, that is their strategy and that is the problem. Why, in Europe, are they blind to say that the government is targeting these structures? Yes, its true, but why? I can say this from my own experience, the same is happening in Aleppo now.

The civillians in the rebel held area of Aleppo, are they being used as human shields?
All of them! This is the whole strategy in the whole five years of war. Starting with Homs, Maaloula, my own town Darayya, the people were taken as shields to defend the rebels. That is why the civillians were killed. They were not allowed to go. Just like in Mossul now, not even the priests were allowed to go. They had to be there in order for the Government not to shell.

Now they can ask for ceasefires, but what to do next?

Would a ceasefire just drag this situation on? Would the best solution be for the Government to end the siege as quickly as possible, by taking the rest of the city?
A ceasefire is always an act of mercy. We are in the mercy of God. Everything in life is compromise. Even relations between husband and wife are about compromise. The same here with your enemies, you have to have compromises to protect the lives of the civillians. We have to think about that.

The policy of the church is to alleviate as much as posisble this very harsh time of the civillians.

Russia is seen by many Western countries as being part of the problem, criminals bombing civillians. When I speak to Christians from Syria they always have a very different idea of the Russians. What is your view of the Russian involvement?
If I am in danger, and you come to help me, can you help me without me? Without my consent? Without my advice? Without my collaboration?

Please, USA, come and fight! But with Syria and with Russia.

Let’s not do politics. Let’s speak in a simple way, like simple people. Come together Russia and America. Together. The European Union is no longer important, a shame, but the truth. If the USA and Russia came together with Syria in one month's time ISIS would be overcome. I am sure.

What is ISIS? It is a myth. It is an instrument of evil. Of a battle of interests. That is ISIS. It is nothing, not Islam, nothing at all!

Now Syria has become a supermarket for superpowers. Where are these interests? In Russia and in America. If they are ok and have common consent about their interests, where their respective profits lie, the war will end.

Everything is an instrument. Even the fighting between Shiites and Sunnis is historical, but now it is an instrument. Even the killing of Christians is an instrument. Nothing to do with the so called goal of the revolution. What can anybody in Syria bring that is different from what was already done? It was not too bad, not too good, but it was enough.

Who can build something new? The so called opposition are from the same school as the ones who are there. So they can bring nothing, nothing can be brought.

Reconciliation. Together, America, Russia and Syria can bring forth ceasefire and peace and also the renewal of Syria. We have to be renewed, we have to present a vision. You can't end the war without vision. Russia and América can end this, but they have to have a vision for Syria, and with Syria.

I am not for Assad or for the regime; I am for Syria, which is a key society in the Middle East. Not Lebanon, not Jordan, not Egypt, not Iraq, it is the most important place where Christians are a little group, but living in a cohesive society.

You have been criticized by leading figures in your own Church. Several bishops have called for your resignation. Is resignation an option?
I am for the cannon law, which says that the Patriarchal See is vacant upon the death of the Patriarch or by his own resignation. I like to tell my bishops "I love you. Let us love eachother so that we can confess, love, and serve our Church and make it a symbol of testimony for the Lord in this tragic situation for the whole Christian Middle East"

Can you imagine a situation where you would resign in the future? Or do you prefer to die in your post, as is traditional among Eastern Patriarchs?
That is up to God. I can't answer you, because I don't have that power. Let's just say that I am here for the service of the Church and the future is in the hands of God.

Patriarchs Laham, Shevchuk, Clemente and caridnal Sandri
You are a special guest at the meeting of European Eastern Catholic bishops, who are discussing the pastoral care of migrants in the West. Have you come here to learn from them, or to share your own experience?
I was invited by them, especially by the Ukrainian Church, because I was in Lviv in September, in the synod of the Ukrainian Church and they told me about this meeting and invited me, and I was happy to come.

I am very happy to have come because it very important learn and to give our own experience and especially our own vision of the very tragic situation of emigration.

Emigration, for us, is very important, very problematic. It is very problemetic for Christians in Europe and for Muslims in Europe, and in encountering a region which is no longer a Christian Europe, but an area of globalisation, an area of Laicité, and in some respects atheist. This is a very big danger, more dangerous and more acute than the whole war in Syria.

I tell you the result of the war, migration of Christians and of Muslims, from both sides, it is a bigger danger and more harmful for the world than the war in Syria. Therefore I proposed, today to bring this theme of the results and dangers of the emigration of Christians from the Middle East, both for the Middle East and for them in Europe, and for the Muslims from the Middle East and in Europe.

For me it is a very current and urgent to have a special assembly of the bishops conferences of Europe about this theme. Europe is not prepared to have such a tsunami of migrants, both Christians and Muslims. How to cope with Muslims and Christians coming with their own identity. Islam has a different approach that Christians in Europe. That is a very big danger for...

*His Beatitude here used the word “parents”, but considering his age, and the fact that the word Parent in Latin languages actually means relative rather “mother and father”, I have changed it to relative. 

This is the second time I interview His Beatitude. You can read the first interview, from November 2014, here.

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Gregório não foge, mas se fugisse teríamos de o acolher

Vamos acabar com o EI? Bora não!
Se os Estados Unidos e a Rússia se juntassem, acabavam com o Estado Islâmico no espaço de um mês, diz o Patriarca Gregório III, da Síria. O líder da Igreja Melquita tem estado a e enfrentar divisões internas na sua igreja, contestado por vários dos seus bispos, insiste que não pretende resignar.

O Papa Francisco falou esta quarta-feira da obrigação moral de acolher quem foge da guerra.

Em Fátima reuniram-se representantes de 16 cidades-santuário, para um congresso e ontem, também em Fátima, foram apresentados o terço oficial e as orações digitais para o centenário das aparições.

Sabem o que disse João Paulo II sobre a queda do comunismo? “Livrar-nos desse sistema absurdo não foi milagre nenhum. Era uma questão de tempo. Foi feito para falhar.” No artigo desta semana do The Catholic Thing em português, Robert Royal argumenta que o mesmo se aplica ao secularismo militante que domina o Ocidente nos nossos dias.

Secularismo: Um Sistema Feito para Falhar

São João Paulo II, cuja festa celebrámos sábado passado, disse e fez muitas coisas que serão recordadas durante anos fora da Igreja. Mas recentemente li uma frase dele na interessante autobiografia de Michael Novak, de 2013, “Writing from Left to Right” que me apanhou de surpresa. Depois de um jantar no Vaticano, Novak congratulou o Papa pela queda do Comunismo. João Paulo respondeu mais ou menos nestes termos (Novak cita de memória), “livrar-nos desse sistema absurdo não foi milagre nenhum. Era uma questão de tempo. Foi feito para falhar.”

Os soviéticos tinham um grande exército; mais armas nucleares do que os Estados Unidos; um sistema policial e aparelho de Estado impiedosos; países satélite na Europa de Leste e Central; entrepostos em Cuba, África, Ásia e América Central e uma rede de simpatizantes comunistas e aliados à volta do mundo, incluindo os Estados Unidos. E contudo, à medida que o tempo passava e a sua incompatibilidade com o divino e o humano se revelava, tudo virou pó.

Claro que para isso contribuiu também a enorme coragem de muitas pessoas, como Solzhenitsyn, Sharansky, Havel, Walesa e muitos outros – incluindo mártires como o padre Jerzy Popieulsko, compatriota de Karol Wojtyla e milhares de outros nos campos de concentração e nas gulags. Ainda assim, o comentário feito por João Paulo II – em privado, sem cerimónias, como se estivesse simplesmente a afirmar o óbvio – mostra, de forma muito resumida, como um espírito profundo olhava para uma força maligna que – de acordo com a bitola meramente mundana do poder – podia ter durado indefinidamente: “Era uma questão de tempo. Foi feito para falhar”.

Nos nossos dias a América foi tomada por um secularismo ideológico e agressivo que parece estar a tornar-se norma do Ocidente e ter vindo para ficar por tempos indeterminados – uma marcha em câmara lenta rumo a um novo socialismo desumano. (Sendo que o actual espectáculo eleitoral não dá qualquer indício de produzir um resultado capaz de o combater). Por isso é bom recordar por que razão este tipo de sistema tem tudo para – provavelmente mais a curto prazo do que a longo – falhar.

Claro que há amplas razões humanas e culturais pelas quais o humanismo ideológico não é compatível com uma vida humana plena. Mas primeiro pensei que poderia ser útil ver umas provas concretas. A sempre útil Pew Research Center conduz estudos equilibrados e bem feitos da religião na vida pública. O seu estudo global, por exemplo, revela que os “nones”, ou seja, aqueles que não professam qualquer religião (e, por alguma razão, os budistas), têm as taxas mais baixas de nascença, muito abaixo da taxa de substituição, enquanto os cristãos e os muçulmanos têm as mais altas. Embora haja previsão de os “nones” crescerem um pouco nas próximas décadas, vão diminuir bruscamente enquanto percentagem da população global. Cristãos e muçulmanos serão, cada um, um terço da população mundial em 2100.

Na América os padrões são um bocado piores que o cenário global: Os “nones” devem continuar a crescer até serem cerca de 25%, mas os cristãos continuarão a constituir 66% da população do país em 2050 (um bocado abaixo dos 70% actuais).

A Pew limita-se, e bem, a analisar números. Mas que tipo de cristãos e de “nones” é que teremos em 2050? Essa é que é a questão central. Desde que cheguei a Washington nos anos 80, quando a religiosidade estava em ascensão, já vi como as tendências podem mudar. O Espírito sopra onde quer e à medida que as vidas dos “nones” se tornam mais e mais inegavelmente insípidas, como já acontece em partes da Europa, poderemos ser surpreendidos por ressurgimentos repentinos.

Tudo virou pó
Na encíclica Rerum Novarum, de 1891 – o texto fundacional da doutrina social católica dos tempos modernos – Leão XIII listou várias razões pelas quais o socialismo estava destinado a falhar. Ele sabia que (por enquanto) o fenómeno estava a aumentar, mas sabia também que era preciso chamar a atenção para os seus profundos erros sobre os seres humanos e a sociedade.

Podemos fazer o mesmo hoje com o inevitável fracasso do humanismo militante:

·         Sem a crença numa dignidade humana que radica no Criador, como se lê na nossa Declaração de Independência, não existe qualquer base para uma sociedade livre para além da fraca mentalidade de “viver e deixar viver”, que deixará de ter qualquer utilidade a partir do momento em que um grupo ou pessoa se torna suficientemente poderosa para dizer “vive assim, ou morre”.

·         Isto é, aliás, precisamente o que estamos a ver nas sociedades democráticas avançadas, um regime autoritário de direitos – alguns absurdos e novos como o casamento homossexual e as normas de casas de banho para transgéneros – que negam não só a história, a razão, a religião e a biologia, mas até o senso comum.

·         Tal como na antiga União Soviética, o regime levará a cabo esforços cada vez mais agressivos para sustentar uma visão da pessoa e da sociedade que na verdade se mina a si própria, mas trata-se de uma proposição falhada. Mesmo os pagãos sabiam que ser pode “expulsar a Natureza com uma forquilha, mas ela volta sempre”.

·         Que as Igrejas e as instituições formadoras de cultura, tais como as universidades e os media, parecem incapazes de compreender esta tendência, ou estão mesmo comprometidos com ela, é irritante. Mas no final de contas pouco importa. Quando o ciclo se completar, voltarão a cumprir as suas funções mais nobres.

·         Os secularistas militantes pensam que não estão a fazer nem mais nem menos do que ajudar a conduzir a história no rumo certo. Mas não existe um simples rumo. O desapontamento com os resultados – tal como aconteceu quando o a história não conduziu inevitavelmente ao “socialismo científico” – poderá bem ser o maior impulso para um renovamento espiritual.

Podíamos continuar, mas vocês percebem a ideia.

Claro que não sei quando é que tudo isto vai passar, mas para saber que falhará basta ter a confiança revelada por João Paulo II de que existe um Deus e uma natureza humana; que as sociedades, por mais decaídas, não o estão para sempre nem se encontram para lá da salvação; que os esquemas que são feitos para falhar, falharão.

O nosso desafio passa por ter o cuidado de viver bem entretanto e preparar-nos – e os espaços em redor – para o que inevitavelmente seguirá. 


Robert Royal é editor de The Catholic Thing e presidente do Faith and Reason Institute em Washington D.C. O seu mais recente livro é A Deeper Vision: The Catholic Intellectual Tradition in the Twentieth Century, da Ignatius Press. The God That Did Not Fail: How Religion Built and Sustains the West está também disponível pela Encounter Books.

(Publicado pela primeira vez em The Catholic Thing na Segunda-feira, 26 de Outubro de 2016)

© 2016 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

terça-feira, 25 de outubro de 2016

A Freira e o Míssil

Vatican says "no!"
A Santa Sé emitiu um novo documento a repetir que prefere a sepultura à cremação mas que em caso de as pessoas optarem por esta nunca devem guardar as cinzas em casa ou transformá-las em objectos decorativos.

Marcelo Rebelo de Sousa partiu esta terça-feira para Cuba. O Presidente realça a importância da Igreja Católica naquele país comunista.

Chegou às bancas o livro “O Rosário para Crentes e para Não Crentes”, de Rui Martins e Paulo Pereira da Silva. Um livro que tem “pano para muitas mangas”, dizem os autores.

Esta manhã o mosteiro das carmelitas em Alepo foi atingido por um míssil que… não explodiu. Cliquem aqui, nem que seja para poderem ver a foto inesquecível de uma carmelita a olhar com curiosidade para um míssil maior do que ela.

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Venezuela, Iraque e Famílias - Crises para todos os gostos

Até as lojas de álcool no Iraque estão em crise
O Papa recebeu esta segunda-feira, e sem que tivesse sido previamente anunciado, o presidente Nicolás Maduro, da Venezuela. Falaram da crise que o país atravessa, que vai de mal a pior.

Com o cerco a Mossul a apertar são já várias as terras cristãs que já foram libertadas do jugo do Estado Islâmico. Qaraqosh já é livre, bem como Bartella, onde voltaram a tocar os sinos das igrejas. Falei sobre este assunto com o especialista Nuri Kino, cristão assírio, que me diz que os cristãos estão “cautelosamente felizes” com estes desenvolvimentos, porque ainda há muito por fazer. Aqui podem ler a transcrição integral, no inglês original.

A situação no Iraque não passou o lado do Papa, que admitiu que as notícias que recebe de sofrimento e morte lhe levam às lágrimas e deixam sem palavras.

Enquanto alguns iraquianos combatem o Estado Islâmico, outros estão corajosamente a combater o consumo e comércio de álcool. A proibição do comércio de bebidas alcoólicas é mais uma medida que afecta sobretudo os cristãos naquele país.

A Igreja quer fazer mais e melhor no acompanhamento de casais e famílias em crise. D. António Marto diz que é preciso “olhar para o matrimónio como uma vocação e um projecto a construir” e a Renascença dá-lhe a conhecer vários projectos que existem nesta área, incluindo o “projecto família” do MDV que em 10 anos já evitou que mais de três mil crianças fossem retiradas às suas famílias.

Arrancou ontem a Semana da Educação Cristã. D. João Lavrador presidiu à missa inaugural, nos Açores.

Christians “cautiously joyful” with liberation of Nineveh Plains

This is a full transcript, in the original English, of my conversation with Swedish Assyrian journalist and activist Nuri Kino about the liberation of Qaraqosh and other Christian towns and villages in the Mossul region. Read the news story, in Portuguese, here.

Transcrição integral, no inglês original, da minha entrevista ao jornalista e activista sueco/assírio sobre a libertação de Qaraqosh e de outras vilas e aldeias cristãs na região de Mossul. A reportagem está aqui.

We have had conflicting reports about the situation in Qaraqosh. From your information, what is the situation on the ground?
The news regarding the Christians is that Bartella, a town of about 30 thousand inhabitants prior to ISIS, has been fully liberated. We have received videos and pictures of the church bells ringing. That is of course very satisfying.

When it comes to Qaraqosh we received pictures of the main hospital being liberated, the town hall buildings and also the Iraqi Army headquarters. But it is very hard to know if it is totally liberated or not. We are also receiving conflicting information about that.

I just spoke to two of the priests from Qaraqosh and they also have no full information, but the Iraqi army and some of the Christian forces are supposed to be inside Qaraqosh.

Two days ago we received information that it had been liberated. Then information came a couple of hours later saying that there were about 20 ISIS suicide bombers and snipers left in Qaraqosh and they were shooting people from the rooftops. Also, one of the biggest problems is the mines. There are a lot of mines around the city, both anti-personnel mines and street mines.

But we believe that Qaraqosh will be liberated today. [Saturday 21st October]

How does that make you and other Christians feel?
Qaraqosh is about 70% Syriac Catholic and 30% Syriac Orthodox and I am Syriac Orthodox. For us there is no difference whether it is in southeast Turkey, where I was born, or in Syria or Iraq, or in Iran or in Lebanon. We are all the same nation, the same ethnicity, the same people with different names: Assyrian, Syriac, Chaldean...

Of course, after more than two years of ISIS in our home towns, we are very happy to see it, though we are also careful and cautious, because we never know how things will turn.

Look at what happened in Kirkuk yesterday... All of a sudden sleeping terrorist cells in Kirkuk started to hit the street, more than 20 suicide bombers. They also kidnapped some people and threatened to kill them, and battles are ongoing in Kirkuk, which is also a bit Iraqi city.

So I would say that we are cautiously joyful.

Also, after the liberation there is a lot of work to be done for our people to return to the Nineveh plane, where Bartella and Qaraqosh are. The Swedish MEP Lars Adaktusson is presenting a new resolution in the European Parliament about self-administration in the Nineveh Plane and two other provinces in Northern Iraq, so that these people can feel that they get their dignity back and rule their own areas, or at least get some power in the administrations, so that the inhabitants can feel confident to come back.

Also it is about dignity, so as to get their dignity back. The same thing is going on in Washington DC, there are political movements and political solutions – hopefully – so that people can move back.

In Iraq, before the fall of Saddam, approximately 1.3 million Christians lived there. After the fall of Mossul, we don't know, but we estimate that there are more not more than 250 thousand left.

So more than one million have already left the country, and people are emigrating every day, because they lost hope in the world leaders to protect them. But we do have some hope in what is happening these days, in the liberation of Nineveh and Mossul, and we also have hope in the political solutions that will be on the table over the coming weeks.

Are Christians afraid to be caught in between Baghdad and the Kurds, over who actually controls this region...
That has been going on since the fall of Saddam, it’s nothing new. It’s not a question of being afraid, we know it’s a fact, it’s been a fact for a decade now. So that is why we are asking for self-administration, so as not to be caught in the middle.

Will Bagdad and Kurdistan accept that idea?
Well we hope on the European Union and on Washington and the UN.

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Aparecer, orar, conhecer

Algo deste género, amanhã, nos Jerónimos
Se é daquelas pessoas que, como eu, gosta de conhecer as tradições, liturgia e espiritualidade do Cristianismo oriental, então nos próximos dias pode encher a barriga. Estão a chegar a Lisboa dezenas de bispos de Igrejas Católicas de Rito Oriental (imagino o caos na alfândega com aquelas coroas todas nas malas) para um encontro em Fátima. Amanhã às 17h30 há oração das vésperas nos Jerónimos, presididas pelo líder da Igreja Greco-Católica da Ucrânia. Apareçam!

Continua a batalha por Mossul. E esta é uma guerra que pode acompanhar em directo no Facebook. Entretanto a vila cristã de Qaraqosh poderá ter sido libertada – há informações contraditórias – mas estará pelo menos em vias de o ser, o que será uma enorme alegria para os cristãos do Iraque. Oremos.

Deixo-vos com o artigo desta semana do The Catholic Thing, onde pode ler sobre o futuro Cardeal Ernest Simoni, que sofreu das mais duras perseguições do século XX, na Albânia. Conheçamo-lo! 

Um Cardeal da Perseguição Comunista na Albânia

Ines A. Murzaku
No final do ângelus e da missa que marcou o final do jubileu mariano, no passado domingo, o Papa Francisco surpreendeu ao anunciar um consistório que terá lugar no dia 19 de Novembro, véspera da Solenidade de Cristo Rei e encerramento do Jubileu da Misericórdia. Na mesma ocasião nomeou 17 novos cardeais. As suas escolhas revelam um enfoque na misericórdia e na “periferia”.

O seu esforço para enfatizar a dimensão universal e não apenas ocidental da Igreja é evidente, tendo em conta que a maioria dos novos cardeais vem de fora da Europa, nomeadamente de África, Ásia, América do Sul e Oceânia.

Por exemplo, o Papa nomeou o cardeal Dieudonné Nzapalainga, arcebispo de Bangui, na República Centro-Africana, em cuja catedral Francisco abriu uma Porta Santa, antecipando o início do Jubileu da Misericórdia. Na lista encontram-se ainda o arcebispo de Daca, no Bangladesh e de Port-Louis, nas Maurícias, respectivamente Patrick D’Rozario e Maurice Piat.

Mas entre os quatro novos cardeais com mais de 80 anos, ou seja, homens cuja nomeação é uma honra simbólica, destaca-se o padre Ernest Simoni, de 88 anos, um padre albanês que passou 28 anos numa gulag e que sentiu na pele algumas das piores perseguições religiosas do século XX.

A Albânia é um país pobre e de maioria muçulmana; os católicos são uma minoria de cerca de 10% da população. Ao reconhecer o padre Simoni, Francisco está a mostrar que, mesmo dentro da Europa, existem periferias que a Igreja não pretende esquecer.

Simoni é o segundo cardeal albanês que sofreu perseguição. O primeiro foi o cardeal Mikel Koliqi, que sobreviveu a trinta e oito anos de detenção e trabalhos forçados e foi feito cardeal aos 92 anos pelo Papa João Paulo II no consistório de 1994.

Durante a sua visita à Albânia em 2014, o Papa Francisco emocionou-se com o testemunho de fé daquele país. “Recordando as décadas de sofrimento atroz e de dura perseguição a católicos, ortodoxos e muçulmanos, podemos dizer que a Albânia foi uma terra de mártires: Muitos bispos, padres, religiosos, religiosas e leigos pagaram com a vida pela sua fé”, afirmou Francisco num discurso.

A perseguição na Albânia foi de uma dureza excepcional, mesmo no contexto da Europa de Leste comunista. Entre os mártires vivos que foram apresentados e que cumprimentaram o Papa Francisco encontrava-se o padre Ernest Simoni, que deu um testemunho comovente sobre as quase três décadas que passou nos campos de trabalho. O Papa ficou visivelmente comovido.

Vale a pena recordar a história por detrás deste testemunho pessoal. O conflito entre a Igreja Católica e o Estado Comunista na Albânia pode-se dividir em três fases:

1) 1944-1948 altura em que o Governo aterrorizou e perseguiu crentes e clero;

2) 1949-1967 fase em que o Governo tentou nacionalizar e “albanizar” as religiões do país, e estabelecer uma Igreja Católica Nacional Albanesa, semelhante à Igreja Patriótica criada pela então aliada da Albânia, a China Comunista. Esta fase atingiu o seu ápice quando a Albânia se proclamou o primeiro Estado ateu do mundo;
 
3) 1990 até ao presente, em que a Igreja Albanesa se reergueu depois de décadas de perseguição e martírio.

O padre Simoni foi detido no dia 24 de Dezembro de 1963, depois de ter celebrado Missa do Galo na aldeia de Barbullush, Shköder. Apareceram na sua igreja quatro oficiais da Sigurimi, a polícia secreta albanesa, munidos de ordens de detenção e de execução. “Ataram-me as mãos atrás das costas e começaram a espancar-me enquanto me conduziam até ao carro”, recorda.

Foi levado para interrogatório e mantido em isolamento total e sujeito a torturas insuportáveis durante três meses seguidos. Foi acusado de ter estado a ensinar a sua “filosofia”. Na verdade tinha ensinado aos seus paroquianos que deviam estar prontos a “morrer por Cristo”. Durante os três meses de detenção e interrogatório os seus algozes tentaram obrigá-lo a fornecer provas contra a hierarquia católica e os seus irmãos sacerdotes, mas recusou.

Existe um interessante factor americano nesta perseguição. Uma das acusações contra o padre Simoni era de que tinha celebrado missa por alma do presidente Kennedy, precisamente um mês depois da sua morte. Encontrou-se no seu quarto um caderno com uma imagem do Kennedy, que foi apresentado no tribunal como prova material de… Qualquer coisa.

“Pela graça de Deus, a execução não foi levada a cabo”, contou o padre Simoni. Depois do julgamento, foi condenado a 28 anos de trabalhos forçados, primeiro nas minas e depois como trabalhador sanitário e de esgotos, até à queda do Comunismo, em 1991.

O padre Simoni é o último padre sobrevivente das perseguições na Albânia. O facto de Francisco se ter deixado emocionar pela sua história e de agora o ter feito cardeal significa que, tal como são João Paulo II deu a entender nas celebrações do Terceiro Milénio Cristão em 2000, o actual Papa ainda acredita que ainda há injustiças históricas por recordar… e corrigir.

Tal como muitos dos mártires e confessores modernos, o padre Simoni perdoou publicamente os seus acusadores e perseguidores e rezou repetidamente por eles. Numa entrevista com a Rádio Vaticano, depois de ter recebido as notícias inesperadas de Roma, afirmou: “Sou um servo indigno da Igreja, mas tudo o que fiz foi para Glória de Cristo, da Igreja e do povo da Albânia”.


Ines A. Murzaku é professora de Religião na Universidade de Seton Hall. Tem artigos publicados em várias publicações e livros. O mais recente é “Monasticism in Eastern Europe and the Former Soviet Republics”. Colaborou com vários órgãos de informação, incluindo a Radio Tirana (Albânia) durante a Guerra Fria; a Rádio Vaticano e a EWTN em Roma durante as revoltas na Europa de Leste dos anos 90, a Voice of America e a Relevant Radio, nos EUA.

(Publicado pela primeira vez no Sábado, 5 de Outubro de 2016 em The Catholic Thing)

© 2016 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Cardeal Sarah em Lisboa e Trump goes to Bollywood

É já amanhã a conferência do Cardeal Sarah na Universidade Católica, às 18h30 no auditório Cardeal Medeiros. Irá falar sobre a Crise de Deus no Ocidente, e antecipando o tema disse à Renascença que se a Europa perder as suas raízes virão outros impor os seus valores.

Temos também uma entrevista interessante com um jornalista curdo, que explica porque é que a batalha por Mossul, que já se trava, é tão importante e porque é que a questão sectária tem tanta influência.

Dos Estados Unidos Donald Trump continua a brindar-nos com momentos no mínimo bizarros. Desta vez foi num comício organizado por hindus republicanos. Vale a pena clicar aqui para ver Trump photoshopado numa flor de lótus e “navy seals” a dançar ao som de “Born in the USA”, ao melhor estilo Bollywood…

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Estado Islâmico perde Dabiq e terços em Braga

Contas de rezar budistas, esculpidas em sementes
O Estado Islâmico está em maus lençóis… Que pena, não é? Um dia depois de terem perdido uma aldeia aparentemente inútil, mas que tem um valor simbólico importantíssimo, foi lançada a ofensiva para reconquistar Mossul, a cidade cuja queda nas mãos do EI catapultou o grupo para a fama, em 2014.

D. Jorge Ortiga teme que tudo fique na mesma com o Orçamento do Estado, no que diz respeito aos mais pobres.

Começou hoje a semana dos Bens Culturais da Igreja. Saiba mais aqui.

Celebrou-se esta segunda-feira a missa pelos que morrem sem ninguém… A Irmandade de São Roque ocupa-se desta missão tão importante.

Já está em palco o musical sobre as aparições de Fátima e noutros palcos pode muito bem encontrar o padre Victor Silva, conhecido como o “padre do Rock”.


Por fim, e por falar em terços, deixo-lhe com o convite para ver a exposição de “contas de rezar”, que está patente em Braga e que inclui todo o tipo de terços e contas de outras tradições religiosas.

sábado, 15 de outubro de 2016

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Boko Haram liberta meninas e morreu Bhumibol, da Tailândia

Tailandeses choram a morte do Rei
António Guterres foi hoje aclamado pela Assembleia Geral. Agora é oficial, vai ser o próximo líder da ONU. Algo que agrada ao Papa, segundo o cardeal Parolin.

Parolin presidiu às celebrações do 13 de Outubro em Fátima e falou de Maria como exemplo nos momentos de dúvida e dor. Ontem, numa conferência, pediu aos católicos que façam a opção pela fé na era da informação e da comunicação.

Marcelo Rebelo de Sousa fala da visita de Francisco a Fátima, em 2017 e diz que aquele santuário é de importância “inegável” para crentes e não crentes.

O Papa denuncia a “ilegalidade” e a “violência” que hipotecam o futuro das crianças migrantes.

Foram libertadas 21 das raparigas raptadas pelo Boko Haram de uma escola, há dois anos e meio.

Hoje é o dia D para Asia Bibi, que foi ouvida em Tribunal no seu derradeiro recurso para evitar ser executada. 60 deputados portugueses mandaram uma carta para a embaixada do Paquistão.

Hoje morreu o Rei da Tailândia. Era um homem venerado e que soube modernizar o país, mantendo o lugar do Budismo, segundo um especialista português. Miguel Castelo Branco fala ainda da minoria católica naquele país e as relações com Portugal. Vale mesmo pena ler.

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Marcelo condecora Parolin, Papa clama no deserto

Encontra-se em Portugal o secretário de Estado da Santa Sé, o cardeal Pietro Parolin. Esta manhã deu uma conferência na Universidade Católica, onde lamentou que a Europa esteja sem voz e paralisada pelo medo.

Depois o número dois da hierarquia da Santa Sé foi condecorado por Marcelo Rebelo de Sousa, que elogiou a relação histórica de Portugal com a Igreja.

Ainda esta quarta-feira, o Papa Francisco implorou, como toda a sua força, por um cessar-fogo na Síria. Vejamos se é escutado.

Lembro-me de estar numa aula de sociologia, no meu curso, e de ouvir o professor a falar alegremente sobre a contribuição dos sociólogos para o “desencantamento do mundo”. Foi aí que percebi que não queria mais nada com essa disciplina. O desencantamento e a perda da capacidade de deslumbramento dos jovens é o tema do artigo desta semana do The Catholic Thing. Porque o mundo e a vida são de facto coisas deslumbrantes. Leiam. 

Em Busca do Maravilhoso (e Porque isso Interessa)

Regis Martin
Há dias comecei uma aula com uma referência a algo escrito por Aldous Huxley há muitos anos. É uma observação que me parece tanto certeira como profética e que certamente valeria a pena transmitir aos quarenta e tal caloiros que se inscreveram em “Fundamentos do Catolicismo”, a cadeira que lecciono no primeiro semestre. Eis o que escreveu o autor de “Admirável Mundo Novo”, a famosa distopia do início dos anos 30:

“Outrora observava as estrelas com maravilha e deslumbramento. Agora, no crepúsculo da vida, olho para os céus da mesma forma como olho para o papel de parede desvanecido na sala de espera de uma estação ferroviária.”

Claro que nenhum dos meus alunos tinha ouvido falar de Huxley; nem tinham estado no interior de uma estação de comboios. Quanto a estrelas, imagino que tenham visto algumas, mas a experiência não os deve ter deslumbrado. Talvez se deva à poluição luminosa. Seja como for, aqui estava eu com menos de três minutos de palestra e já os tinha perdido.

O que é que se pode fazer para despertar nos jovens este sentido de maravilha e deslumbramento? Quando eu e a minha mulher vivíamos em Roma, depois de termos tido a nossa primeira filha, fui convidado para falar a um grupo de jovens que frequentavam um colégio interno de elite. Estávamos a falar sobre o casamento, e nenhuma palavra que eu disse causou a menor impressão.

Se não fosse a pequena Margaret, que estava a mamar silenciosamente ao fundo da sala, toda a experiência teria sido um desastre. Mas de repente ela começou a palrar insistentemente e chamou a atenção de toda a sala. Ficaram completamente hipnotizados.

Era como se um discurso maçador sobre a iniquidade da contracepção tivesse ganho vida com o surgimento desta prova inteiramente inesperada sobre as origens da vida. “Então o sexo afinal é sobre bebés? Cruzes! Porque é que eu não tinha ouvido falar disto antes? Agora percebo”.

Acabou por ser um desenrolar muito salutar. Nunca mais estas crianças imaginariam o nascimento de uma criança como sendo algo menos do que incrivelmente – aliás, milagrosamente – belo. Nem teriam grande facilidade em separar sexo de amor e – sim, isso mesmo – de vida. O nascimento de uma criança é mesmo, como escreveu o poeta americano Carl Sandburg, a opinião de Deus de que a vida devia continuar.

E não será esse o grande problema do mundo moderno? Simplesmente não aceitar a opinião de Deus sobre a vida? E por isso avança por aí fora, a esmagar tudo como um gigantesco rolo compressor. Ou, nas palavras daquela grande fraude Karl Marx, avaliando a modernidade, “tudo o que é sólido desvanece no ar”.

A vida moderna tem esse efeito sobre as pessoas, de esmagar o que apanha pela frente, reduzindo tudo a um estado de uniformidade saturante. Ou seja, uma igualdade perfeitamente previsível, como os Happy Meals que se compram no McDonalds. Que diferença faz se os compramos no Kansas, Califórnia ou Vermont? Saberá sempre ao mesmo.

O reducionismo está de tal forma instalado que hoje em dia não damos por muito espanto ou deslumbramento. Faz-me lembrar o meu velho amigo e mentor Fritz Wilhelmsen, que falava frequentemente daquilo a que chamava “a poesia do transcendente”, cujo desaparecimento do mundo moderno ele nunca deixou de lamentar, ao mesmo tempo que a mantinha brilhantemente viva para gerações inteiras de jovens que tiveram a sorte de frequentar as suas aulas na universidade de Dallas onde, por mais de 40 anos, sondou as profundezas do ser.

Porque é que existe algo em vez de nada? Esta é a questão mais escura da filosofia, segundo William James, e para nós, herdeiros da tradição metafísica do Cristianismo, a única resposta que finalmente nos satisfaz é Deus, cujo ser-amor transbordante não só dá existência ao mundo como o impede, a cada momento, de regressar de novo ao nada.

No seu “Comentário à Metafísica de Aristóteles” São Tomás de Aquino diz-nos que entre o poeta e filósofo existe um filamento de puro deslumbramento diante da realidade, diante daquilo que nos faz maravilhar e deleitar. A função do professor é mantê-lo vivo. Não o matem nem o negligenciem, porque quando se perder essa capacidade, quando o deslumbramento abandona a sala, o teatro acaba. Era esta capacidade de deleite que distinguia a mente medieval, enquanto que a moderna é caracterizada pela dúvida. E a consequência da dúvida, se for deixada à sua conta, é o desespero.  

Bem vistas as coisas o que torna o mundo misterioso não a sua forma nem o seu conteúdo, é o simples facto de ser. É esta visão que temos de recuperar para os nossos alunos. E para os seus pais também, já agora.


Regis Martin é professor de Teologia e membro docente da Veritas Center for Ethics in Public Life na Universidade Franciscana de Steubenville. É autor de meia dúzia de livros, incluindo mais recentemente “The Beggar’s Banquet”(Emmaus Road Publishing) e vive em Wintersville, Ohio, com a sua mulher e dez filhos.

(Publicado pela primeira vez no sábado, 8 de Outubro de 2016 em The Catholic Thing)

© 2016 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

Partilhar