quarta-feira, 17 de junho de 2015

Porque é que a Religião é Suspeita?

David G. Bonagura Jr.
Recentemente um comentador desportivo estava a tecer considerações sobre a razão pela qual um treinador e ex-estrela da NBA não tem conseguido arranjar trabalho naquele campeonato, sugerindo que talvez se deva ao facto de ser “muito religioso”. Não é que haja problema em ser religioso, acrescentou rapidamente, mas esse factor poderia tornar mais complicado lidar com ele.

Não acredito que o comentador tivesse más intenções, estava a falar de improviso e por isso não estava a exprimir uma opinião cuidadosamente pensada, mas sim um preconceito absorvido e não raciocinado. Mas isso faz com que o comentário seja ainda mais impressionante: De onde é que esta ideia surgiu? Porque é que se havia de associar o facto de uma pessoa ser religiosa com um carácter complicado, isto é, inflexível, teimoso, difícil ou antipático?

Num conflito cultural em que as percepções parecem contar mais que a realidade, os inimigos da religião conseguiram utilizar os media, a indústria do entretenimento, as escolas e as leis para criar esta associação que o comentador fez. “Extremismo religioso”, por exemplo, faz parte do léxico comum, mas o seu sentido deixou de se aplicar só a violência cometida sob a capa de crenças religiosas para abranger também as crenças que entram em conflito com os valores das elites seculares.

A indústria cinematográfica mostra regularmente as personagens cristãs como sendo tolos ou vilões. Na praça pública as afirmações baseadas na fé ou na Bíblia são frequentemente recebidas com cepticismo, hostilidade, ou simplesmente ridicularizadas. As conversas sobre os benefícios da fé são recebidas com a evocação das crusadas, a inquisição ou guerras religiosas.

Sejamos claros: O Cristianismo é a maior força para o bem que o mundo alguma vez viu. Ponto final. Não há nada que se aproxime sequer. As instituições caritativas, o cuidado pelos vulneráveis e marginalizados, arte, arquitectura, música e filosofia, tudo isto tem sido sustentado e avançado por cristãos que procuram a glória de Deus e o benefício da humanidade. Os valores e os ideais que são mais queridos pelo mundo hoje – liberdade, justiça e igualdade – derivam todos da reflexão filosófica e da prática cristã.

Então o que é que a religião tem – sobretudo o Cristianismo, contra qual tanta revolta se tem feito sentir nas últimas décadas – que faz com que possa ser retratada de forma tão negativa? Juntamente com o mandamento da caridade, o Cristianismo inclui um estrito código de proibições morais que contrariam a ética secular de autonomia radical individual – o alegado “direito a definir o nosso próprio conceito de existência, o significado, o universo e o mistério da vida humana” ao ponto de poder fazer o que nos apetecer em privado e definir o nosso próprio género ou raça.

À medida que a opinião popular parece deslocar-se mais em direcção ao libertinismo, não é segredo nenhum que um Cristianismo fervoroso permanece como último obstáculo a um colapso moral completo. E aqueles que desejam acelerar esse colapso estão a fazer os possíveis para difamar o Cristianismo sempre que podem.

Propaganda pró casamento gay
Quem é contra é primitivo...
Nos últimos anos, enquanto o enfoque das questões fracturantes passou do aborto para o casamento, a retórica passou a descrever os cristãos como “intolerantes” – somos portadores de “ódio” e “fobias” – por não cederem às exigencias da libertinagem cultural. A convicção moral tem sido descrita intencionalmente como sendo ódio por indivíduos. O juízo de actos confunde-se intencionalmente com o juízo de pessoas. Os cristãos que se atrevem a defender a moral tradicional foram obrigados a recuar até uma posição em que dificilmente conseguem ganhar terreno numa cultura que vive de sound-bites.

E é assim que nos vemos perante a afirmação do nosso comentador desportivo. Esta sua ideia tornou-se parte da narrativa dos media generalistas que são a linha da frente da ofensiva desta guerra cultural. Numerosos filmes, programas de televisão, protestos, livros e videoclips, vistos por mais de 100 milhões de pessoas, têm contribuído, aos poucos e de formas diferentes, para retratar a religião, e o Cristianismo em particular – uma religião baseada no amor por Deus e pelo próximo – como um obstáculo anacrónico e opressor à satisfação pessoal.

Sobretudo entre jovens este preconceito tornou-se prevalecente. Não admira, por isso, que uma pessoa religiosa seja descrita como “de trato difícil” – porque quando uma pessoa abraça uma crença parte-se do princípio que ela seja um obstáculo aos desejos de outra, seja em actos privados, seja num jogo de basquete.

Tendo em conta esta situação, como é que os cristãos podem contrariar este preconceito que se formou contra eles? Se a percepção supera a realidade, então aquela velha exortação de que “saberão que somos cristãos por causa do nosso amor” deixa de ter o mesmo encanto, uma vez que para os inimigos da religião o amor define-se como deixando as pessoas fazer o que lhes apetece. Mas o abandono da moral cristã tradicional não é solução – o protestantismo “mainstream” já mostrou que não se pode separar Cristo da moralidade.

Ao longo de dois milénios os cristãos têm conseguido converter pessoas que acreditam em toda a espécie de diferentes deuses. Mas converter aqueles que apenas acreditam em si mesmos parece um desafio ainda mais difícil. No tribunal da opinião pública os sentimentos e as emoções superam a fé e a moral.

Existe, contudo, um precedente historic, embora não seja um paralelo perfeito, que nos dá esperança. Os jacobinos radicais da Revolução Francesa, na sua tentativa de purgar tudo o que era bom, acabaram por ser destituídos por aqueles que não estavam dispostos a render-se ao caos total. Aos cristãos resta rezar para que aqueles que foram levados a desconfiar da religião compreendam que os verdadeiros suspeitos são os que a no banco dos réus.


David G. Bonagura, Jr. é professor assistente de Teologia no Seminário da Imaculada Conceição, em Huntington, Nova Iorque.

(Publicado pela primeira vez na quarta-feira, 17 de Junho de 2015 no The Catholic Thing)

© 2015 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Partilhar