terça-feira, 4 de novembro de 2014

Mortes absurdas e indignas

Campanha pró-vida no Dakota do Norte
Foi divulgado hoje o relatório sobre liberdade religiosa da fundação Ajuda à Igreja que Sofre. Há muito a saber mas, basicamente, a situação está bem pior do que há dois anos, quando saiu o último relatório.

E está pior em grande parte por causa da maltinha do Estado Islâmico, pelo que vale a pena ler a reportagem da Reuters sobre a vida sob o jugo dos islamitas, no Iraque.

Por trágica coincidência, no dia em que o relatório saiu, um casal cristão foi barbaramente assassinado no Paquistão. Tinham 24 e 26 anos. Deus os guarde.

E lembra-se daquela boa notícia que demos há semanas sobre o acordo entre o Boko Haram e o Governo da Nigéria, que previa a libertação das 200 raparigas que foram raptadas pelo grupo fundamentalista? Pois, esqueçam. Foram todas convertidas e casadas à força, informa o grupo.

A Igreja não julga Brittany Maynard, que pôs fim à própria vida no dia 1 de Novembro, mas condena o acto. É mais um capítulo na luta sobre a eutanásia, desta feita nos EUA.

Os EUA vão a votos hoje, mas há mais do que política partidária em cima da mesa. Aborto, álcool, drogas e armas são temas que estão a captar a atenção. Que tenha dado conta não há nenhuma medida sobre Rock and Roll.

Quem vive em Lisboa pode votar no orçamento participativo pela defesa do património da Igreja de São Cristóvão, em Lisboa. Saiba como.

E o bispo das Forças Armadas, D. Manuel Linda, explica que a Igreja portuguesa está apostada numa nova evangelização, mas que esta não se faz por decreto.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Partilhar