quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Recordando Rich Mullins: Discípulo de São Francisco

Patrick Beeman
Nesta época de Todos os Santos e dos Fiéis Defuntos devemos recordar aqueles que tiveram uma grande influência nas nossas vidas espirituais. Há um homem a quem eu estou particularmente agradecido.

A 19 de Setembro de 1997 tinha eu 14 anos. Estava precisamente no meio dessa crise hormonal à qual chamamos puberdade, e no início de uma crise de fé (que acabaria por me conduzir à Igreja Católica), quando soube que Rich Mullins, autor de músicas como “Awesome God” e “Sing Your Praise to the Lord”, tinha morrido num trágico acidente de carro. A notícia foi divulgada numa estação de rádio cristã, e devastou-me.

O meu pai trabalhou numa rádio cristã durante grande parte da minha infância e em nossa casa não se ouvia música secular. Quando cheguei à adolescência, comecei a pensar nas grandes questões da vida: Deus, verdade, fé, o sentido da vida. Senti-me imediatamente atraído às letras profundas das músicas de Mullins e à beleza e clareza com que ele expressava a fé cristã.

Quanto mais ouvia, mais me sentia atraído pela sua vida extraordinária, uma vida marcada pelo total abandono a Deus e alegria cristã irreprimível, que são nada mais nada menos que os materiais que Deus usa para escrever a história de um santo.

Rich Mullins tinha uma vertente ecuménica corajosa, um sinal de contradição no meio da subcultura evangélica de que fazia parte e que tinha, em parte, ajudado a edificar. Trilhava a fronteira entre o Catolicismo, por um lado, com uma visão sacramental do mundo e o cheiro a incenso, imagens de santos, corpo e sangue de Cristo sob a aparência de pão e vinho e, por outro lado, (na medida do que tem de bom), as tendências anti litúrgicas e iconoclastas do Cristianismo Evangélico. Aos 40 anos abraçou o celibato, em forte contraste com a tendência geral protestante de ignorar esta opção tão bíblica e viva de seguir a Cristo de forma apostólica.

Mullins abordou a sua vocação como um monge (ou melhor: como os mendicantes dos quais cantava em “Land of My Sojourn”), dando particular atenção às virtudes evangélicas da pobreza, castidade e obediência. Para poder viver neste espírito, vendeu literalmente todas as suas posses, tirou um curso de educação musical e mudou-se para uma reserva Navajo, para servir o povo e ensinar nas suas escolas. Tinha ainda em comum com os católicos o facto de ser um devoto de São Francisco.

Foram as suas tendências franciscanas que mais me marcaram. Eram estranhas para a minha mente evangélica na mesma medida em que eram estranhas à minha experiência de vida numa igreja não-denominacional. Fazer-se pobre, abdicar do casamento, imagens de Nossa Senhora nas capas dos álbuns, gosto pelo litúrgico, crença na presença real... Não são propriamente as marcas típicas da teologia evangélica. Mas para mim soavam a verdade. Sem o perceber sequer, estava a começar a aproximar-me de tudo o que me parecesse minimamente católico.
 Admirava o Rich Mullins como um filho admira um pai, pela autenticidade da sua fé. E sentia uma proximidade semelhante à que se sente para com um mentor ou director espiritual. Mas claro que nem nos conhecíamos. Lembro-me vagamente de lhe ter sido apresentado uma vez, quando era criança, quando ele actuou numa igreja, num concerto apoiado pela rádio onde o meu pai trabalhava.

Lembro-me de o ver descalço no palco com a sua guitarra. Queria ser como ele. E ele queria ser como São Francisco. Isto pôs fim a qualquer objecção que eu poderia ter em relação ao culto aos santos ou forma como o Catolicismo encorajava a oração por sua intercessão. A devoção que Rich tinha por São Francisco não retirava nada ao seu Cristianismo. Enchia-o de vigor e de vida. Tornava o seu amor por Cristo mais forte e mais cristão. É esta a lógica da devoção aos santos.

A sua morte tocou-me profundamente. Daquela forma paradoxal que marca tantas verdades do Cristianismo, a morte de Rich deu-lhe ainda mais vida. É o eco da oração de São Francisco: “É morrendo que se nasce para a vida eterna”. À medida que o tempo passava, comecei a sentir uma ligação com ele que era muito mais profunda que o sentimento de perda. Já pensei se isso não será porque ele estava a rezar por mim, como certamente São Francisco intercedia por ele.

No final da sua vida, Mullins estava com um pé dentro da Igreja Católica. Tragicamente, a sua morte aconteceu apenas três dias antes da data em que planeava entrar em comunhão plena.

As tempestades da juventude trazem sempre uma chuva forte de curiosidade e de algum descontentamento. Mas para mim a música de Rich Mullins era como o trovão que se segue aos relâmpagos de verdade que estavam a atingir-me na minha caminhada em direcção à Igreja. Felizmente para os meus pais a minha rebelião adolescente consistiu quase por inteiro da minha conversão ao Catolicismo. Devo ter passado demasiado tempo com a malta errada: nomeadamente São Francisco e o seu irmão mais novo, Rich Mullins.

Saiba mais sobre o musical de Rich Mullins, baseado na vida de São Francisco de Assis.



Patrick C. Beeman é obstetra e ginecologista na região de St. Louis. Quando não está a fazer partos, escreve sobre bioética, música, medicina e cultura.

(Publicado pela primeira vez domingo, 2 de Novembro de 2014 no The Catholic Thing)

© 2014 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org


The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Partilhar