segunda-feira, 4 de novembro de 2013

“Onde é que lhes dói?”, é isso que o Papa quer saber

Transcrição integral da entrevista feita ao Padre Carlos Delgado a propósito da “Lineamenta” do sínodo da Família. Notícia aqui.

Qual é o sentido destas perguntas que a Santa Sé envia para as conferências episcopais?
O sentido é o documento preparatório que sempre se faz para todos os sínodos e que de maneira prioritária é enviada aos bispos, mas o Papa quis que esta consulta fosse mais verdadeira e activa, que não ficasse apenas nos bispos e nos peritos convidados pelos bispos, mas que chegasse às próprias paróquias, às que vivem o concreto, neste caso, da problemática familiar, no contexto da transmissão da fé e da nova evangelização.

Portanto não há nada de extraordinário, há este vincar e esta tonalidade tão típica do Papa Francisco de chegar às pessoas concretas e às que vivem o dia-a-dia desta problemática familiar. É fundamentalmente essa a questão, ele quer respostas que sejam bem vividas e sentidas pelo povo cristão espalhado pelo mundo e pelas pessoas que estão nas paróquias.

Muitos têm interpretado este questionário como sendo um sinal de mudanças na doutrina… que tem a dizer sobre isso?
É possível que venham algumas respostas que sejam orientativas, mas de qualquer maneira não podemos esquecer que há uma doutrina comum na Igreja e é por essa dimensão comunitária da fé que nos temos que regular. Não apenas por uma questão de unidade e de sintonia, mas por uma questão de fidelidade à mensagem que Deus deixou à sua Igreja e de que somos portadores.

Creio que não é por acaso que o Papa tenha convidado para secretário do Sínodo o teólogo Bruno Forte. Creio que é uma questão de ver até que ponto estas questões, que causam interpelações aos cristãos nos dias de hoje, interpelam a fé, e que resposta a fé da Igreja lhes pode dar. Creio que é essa busca que o Papa Francisco quer, são questões que se vivem à nossa volta, por isso é necessário ver até que ponto isso implica a vivência cristã.

De facto as perguntas não falam quase de doutrina, mas sim de pastoral. Qual é a diferença na prática?
A questão doutrinal tem a ver com a mensagem traduzida numa linguagem universal, a pastoral são as questões concretas do dia-a-dia, aquilo que no fundo dificulta ou facilita a vivência cristã num determinado contexto. O Papa não vai perguntar as questões doutrinais aos cristãos e fiéis leigos do mundo inteiro, vai-lhes pedir as interpelações à sua vivência de fé. É mais esta questão experiencial que está em causa. É isto que tem de ser questionado e que as pessoas têm de apresentar. Dizer “onde é que lhes dói”, para usar um termo clínico. É isso que o Papa quer saber e que depois porá nas mãos de alguns bispos para tentar dar respostas e dar unidade de orientação pastoral prática da vida cristã.
                                             
Se a questão dos casais divorciados e recasados causa dor e sofrimento a muitos cristãos, como é que isso pode ser superado, como pode ser vivido por um cristão? Que ajuda é que a Igreja pode dar a homens e mulheres nessa situação?  É essa a pergunta que tem de ser feita, por isso o melhor é perguntar a quem está nessas realidades e a partir daí encontrar um caminho mais uniforme da Igreja universal.

É possível mudar a prática pastoral, sem mudar a doutrina?
A doutrina é um conteúdo único, um conteúdo que nos é transmitido por Deus e que o Espírito Santo nos ajuda a concretizar. Há formas diferentes de a concretizar consoante as épocas, mas a mensagem é sempre a mesma, é a salvação e a santificação da pessoa humana. E há muitos caminhos e todos são chamados a essa santificação. Agora, como é que se faz? Que meios se lhes dão? Que apoios é que a Igreja dá? É isso que o Papa procura, como dar a mão e ajudar a caminhar na santificação os homossexuais, os divorciados recasados, etc. Por isso importa questionar seriamente quem vive nesta situação. É isso que importa que seja transmitido para depois encontrar as propostas concretas que virão do sínodo.

Enquanto sacerdote muito envolvido com a questão das famílias, qual é a sua principal preocupação que gostaria de ver discutida no Sínodo?
A questão que me interpela mais, que me tem chegado mais na prática pastoral, é de facto a dos cristãos divorciados e recasados. Não só a vivência pessoal da fé dessas pessoas, mas a transmissão da fé e a continuidade da vida cristã dos filhos e descendentes.

Depois, toda a questão da vivência comunitária da fé, o acolhimento que nas comunidades se pode fazer. Esta tem sido para mim a maior interpelação e aquela em que tenho mais dificuldade de fazer entender a posição da Igreja.

1 comentário:

  1. Gostei muito desta explicação que me ajudou a entender o que o Papa pretende para saber contestar todas os "sensacionalismos" com que nos bombardeiam com o intuito de nos confundir

    ResponderEliminar

Partilhar