quinta-feira, 23 de julho de 2015

A fúria dos fiéis da Igreja da Revolução Sexual

Foram ontem aprovadas alterações à lei do aborto. A maioria anunciou que ia rejeitar a Iniciativa Legislativa de Cidadãos “Pelo Direito a Nascer”, mas fê-lo só depois de ter roubado as principais propostas da ILC. O resultado é que a ILC foi retirada e as propostas da maioria aprovadas.

Este debate – e aliás todo o processo – revelou muita coisa, mas uma das coisas que mais deu para perceber é que quando a esquerda fala do assunto não o faz com a paixão de quem defende uma causa política, fá-lo com o fanatismo de quem defende um dogma. A triste verdade é que a revolução sexual é hoje uma religião e o aborto é o seu sacramento.

Já foi há uma semana, mas ontem não falei no assunto. Há mais um caso suspeito de abusos de menores em Portugal, praticado por um membro do clero. O caso, de Coimbra, está a ser investigado pela PJ. Esta quinta-feira actualizei, devidamente, a cronologia de casos de abusos de menores envolvendo a Igreja.

Chamo ainda atenção para os últimos dois artigos do The Catholic Thing em português. Randall Smith explica o que é a fé – de forma muito simples e útil, e o padre Schall conclui, com base num livro sobre uma equipa olímpica de remo, que “a transcendência passa pelo lar”.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Partilhar