quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Natal à Nigeriana

Merry Christmas, from Boko Haram
Espero que todos tenham tido um bom Natal!



Precisamente na Nigéria, este foi um Natal como qualquer outro. Leia-se com bombas e mortos nas igrejas. É o terceiro ano consecutivo.

Não deixa de ser pertinente. Facilmente nos esquecemos que também o Natal contém um aspecto da Cruz, como escrevi recentemente a convite do Imissio.


É por estas e por outras que em média um cristão morreu pela sua fé em cada cinco minutos durante 2012, segundo o sociólogo Massimo Introvigne.

Lembram-se da senhora espanhola que decidiu “restaurar” uma imagem do Ecce Homo na sua igreja? Graças a essa pintura, a vila de Borja está a sobreviver à crise. É caso para dizer que Deus escreve direito por linhas… feias?

Parabéns à Lusa, que apresentou um pacote de reportagens. Como é que católicos, muçulmanos e judeus lidam com a crise em Lisboa?

E, possivelmente influenciado pelo ranking que elaborei sobre as notícias religiosas do ano de 2012, que colocaram o Vatileaks em 1º lugar, Bento XVI decidiu perdoar o seu ex-mordomo, que assim sai da prisão. (Eu disse possivelmente…)

Por fim, chamada de atenção para o artigo desta semana de The Catholic Thing. Howard Kainz pergunta “Que nos trouxe o Protestantismo?”, numa análise interessante sobre os efeitos da reforma para o Cristianismo ocidental.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Partilhar