quarta-feira, 7 de outubro de 2020

Médicos não mercenários

Dr. James O. Breen
Entre as doutrinas mais reconfortantes da nossa fé está a Comunhão dos Santos, uma conexão espiritual que liga os fiéis através do espaço e do tempo, na terra e no Céu. Enquanto médico católico recordo-me deste elo de ligação aos nossos antepassados todos os dias 26 de setembro, festa dos santos Cosme e Damião, padroeiros dos médicos e farmacêuticos.

Pouco se sabe das suas vidas mas têm sido amplamente venerados desde o seu martírio no final do Século III. Irmãos gémeos que se formaram em medicina na Síria, eram conhecidos por serem médicos eficientes e compassivos.

Animados pela sua fé cristã, Cosme e Damião refletiram o amor de Cristo enquanto trabalhavam ao serviço do Médico Divino, como se vê na lenda do transplante milagroso da perna de um mouro que tinha acabado de morrer para um doente oncológico. Cosem e Damião tornaram-se conhecidos por recusarem pagamento pelos seus serviços, ganhando assim o título de “os sem dinheiro”. Na Igreja Oriental são honrados como os “médicos não mercenários”.

O seu testemunho fiel conduziu-os à grande perseguição de Diocleciano, mas várias tentativas de os matar – crucificando-os, apedrejando-os, queimando-os e alvejando-os com setas foram malsucedidas. Eventualmente foram martirizados por decapitação. A veneração dos santos Cosme e Damião espalhou-se rapidamente entre os fiéis; foi construída uma igreja no local da sua sepultura e uma basílica em sua honra em Constantinopla. Os seus dias santos de guarda continuam a ser celebrados nas Igrejas Católicas e Ortodoxas do Oriente e do Ocidente.  

A minha devoção aos Santos Cosme e Damião deriva da forma altruísta como praticavam a medicina como forma de evangelização e a total ausência de medo diante da perseguição que levou ao martírio. A veneração destes santos leva-me a uma humildade contrita pelo conforto de que gozo na minha vida e no meu trabalho, comparado com as dificuldades que eles tiveram de enfrentar.

Paro também para considerar os desafios apresentados na prática da medicina pelas ideologias e as perseguições dos nossos dias. É verdade que os médicos modernos que não alinham com o regime actual não enfrentam a decapitação física, mas as consequências da dissensão incluem a perda de licença para praticar a sua profissão e o seu sustento, intimidação legal e assassinato de carácter.

Em contraste com o zelo evangélico de Cosme e Damião, hoje em dia os médicos sentem o peso da burocracia rígida e labiríntica que se sobrepõe ao tratamento dos doentes. Tal como os sacrifícios obrigatórios aos deuses romanos nos tempos de Diocleciano, o clima médico de hoje ofende frequentemente as consciências dos médicos cristãos.

Entre os desafios actuais está o ataque institucional a certas categorias de vida humana. O direito à liberdade de consciência dos profissionais de saúde também é ameaçado, sobretudo no que toca aos nascituros, através de processos e códigos de ética que retiram as proteções legais a clínicos que se recusam a participar em abortos ou a recomendar os pacientes a quem o faça.

No que diz respeito aos cuidados em final de vida há cada vez mais estados a legalizar o suicídio medicamente assistido, promovido como uma afirmação da dignidade individual. O efeito normalizador de tais atitudes permissivas e dessa legislação faz com que os médicos cristãos temam uma erosão da ética médica, tal como já aconteceu no vizinho Canadá, onde os tribunais ordenaram que os médicos que se opõem à “morte medicamente assistida” devam referir os seus pacientes a quem a forneça.

Outro assunto que ameaça a integridade dos profissionais de saúde cristãos é a teoria do género contemporânea. Quase de um dia para o outro a opinião jurídica e social classificou como odiosa a defesa do facto, outrora indisputado, de que a diferenciação natural sexual do homem e da mulher é um atributo biológico e imutável da pessoa.

Enquanto os governos estaduais e federais descobrem uma categoria interminável de direitos daqueles que não pretendem reconhecer a sua sexualidade natural, cresce a animosidade política que pretende calar a voz dos que professam a verdade da sexualidade humana. Estes novos direitos aumentaram tão rapidamente que eclipsaram o direito constitucional à liberdade religiosa.

Na base destes assuntos está uma estirpe de utilitarismo que distorce a nossa compreensão social da medicina e do seu papel na sociedade. Cada vez mais as opiniões profissionais dos médicos têm sido subjugados às preferências e aos apetites dos pacientes e dos patrões.

Uma abordagem mercantilista à medicina, combinada com um papel desmedido do Governo no financiamento dos cuidados de saúde, levou a uma explosão na burocracia e na regulação da medicina. A cada vez maior dependência contratual dos médicos é outro factor que impede a liberdade de consciência, através de condições contratuais que se sobrepõem muitas vezes a decisões neste campo.


Agora, com a pandemia de Covid-19 a ameaçar a viabilidade financeira não é difícil ver porque é que tantos especialistas na área da saúde estão a dizer que está próximo o fim dos tempos do médico independente.

Não é a primeira vez que homens e mulheres de fé ouvem o anúncio angustiado do fim dos tempos. Enquanto contemplo a Comunhão dos Santos pergunto-me como é que Cosme e Damião desempenhariam o seu ministério no nosso contexto americano contemporâneo. A sua defesa do Evangelho seria certamente contrária aos pronunciamentos do Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas para referir pacientes para abortos, por exemplo.

Imagino que eles não aceitassem utilizar pronomes de género, nem referir ou prescrever pacientes que se descrevem como transsexuais para castração hormonal ou mutilação cirúrgica, disfarçados como terapeuticamente benéficos. Penso, antes, que simpatizariam com o enorme sofrimento suportado por esses filhos e filhas de Deus, vendo na sua dor a face de Cristo crucificado.

Ao curar as feridas espirituais infligidas pelo libertinismo e autodeterminação, estes médicos apontariam as almas na direção de Cristo, proclamando a verdade aos poderosos do mundo como exemplos vivos do Evangelho da Vida.

As vidas dos santos (Igreja Triunfante) servem como modelos para os fiéis na Terra (Igreja Militante). Que a intercessão dos Santos Cosme e Damião encha de força e de esperança os profissionais médicos que se esforçam para serem as mãos, coração e mete de Cristo, o médico, por entre tanto sofrimento, ansiedade e confusão.


James O. Breen é doutorado em medicina pela Jefferson Medical College of Philadelphia e completou o seu internato e residência em Medicina de Família na Universidade de Brown. Pratica e ensina medicina e vive com a sua mulher e filhos em Fort Myers, Flórida.

(Publicado pela primeira vez no sábado, 26 de Setembro de 2020 em The Catholic Thing

© 2020 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing

 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Partilhar