quarta-feira, 18 de março de 2015

Terror na Tunísia e o direito a nascer

Clicar para aumentar
Novo ataque terrorista, desta feita na Tunísia. Tendo em conta o que poderia ter acontecido, o rol de 21 mortos não é o pior cenário… Nada que surpreenda quem sabe que na Tunísia, a par de muitos turistas, há muito radicalismo.

Partiu hoje para o Líbano e para o Iraque uma delegação da fundação Ajuda à Igreja que Sofre, para averiguar no terreno das condições dos refugiados da guerra na Síria e no Iraque. A presidente da AIS Portugal acompanha o grupo.

De vez em quando ouvem-se pessoas a queixar-se de que o Papa não fala o suficiente sobre questões como o aborto, mas a verdade é que Francisco já se referiu várias vezes ao tema e voltou a fazê-lo hoje, lamentando que a sociedade trate mal as crianças, privando-as até do direito a nascer.

Por falar em direito a nascer, há uma sessão de esclarecimento sobre a iniciativa legislativa de cidadãos que visa restringir a lei do aborto. É amanhã, em Sete Rios, para quem quiser saber mais.

Francisco escreveu ontem uma carta aos nigerianos, solidarizando-se com as vítimas do terrorismo do Boko Haram.

E esta quarta-feira publicamos mais um artigo do The Catholic Thing em português. O filósofo Daniel McInerny explica porque é que não se pode justificar o casamento homossexual com base no direito natural. O direito natural às vezes parece estar “fora de moda”, mas é um conceito crucial para o Cristianismo, e não só, diria mesmo para uma noção da dignidade humana.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Partilhar