quarta-feira, 21 de abril de 2021

O Bom Pastor dá a Vida pelas suas Ovelhas

Stephen P. White

No dia 14 de Setembro de 2018 o bispo Robert Morneau, um bispo auxiliar emérito de Green Bay, Wisconsin, publicou uma curta nota na qual admitia que, em 1979, não tinha denunciado um padre às autoridades locais, por ter abusado de um menor. Na altura o bispo acreditava que os seus atos respeitavam a vontade da família do menor, mas como o próprio admite, o facto de não ter reportado os abusos permitiu ao padre reincidir.

O que a carta do bispo Morneau tinha de especial não era só a admissão de ter errado, quase 40 anos depois da ocorrência dos factos, mas sim aquilo que se propunha a fazer à luz desse erro.

“Por esta razão, peço voluntariamente a suspensão de todo o ministério público. Pretendo passar o resto do meu tempo em oração por todas as vítimas e sobreviventes de abuso sexual e praticarei atos corporais de misericórdia, em reparação por aquilo que não fiz”.

O bom pastor dá a vida pelas suas ovelhas.

Enquanto católicos, acreditamos que não há pecado tão grave que não possa ser perdoado, mas também que o perdão não apaga as consequências materiais do pecado. E também é verdade, evidentemente, que toda a gente tem direito ao seu bom nome. Não devemos esperar que homens inocentes se comportem como se fossem culpados.

Dito isso, a Igreja teria muito a ganhar se mais bispos tivessem a coragem e a humildade de seguir o exemplo de Morneau, tanto porque baixaria o número de casos de escândalo, mas também porque a oração e a penitência são cruciais para a missão da Igreja.

Nem todas as falhas têm de resultar na suspensão do ministério e adoção de uma vida de oração e penitência. Mas o caso de Morneau ganha relevância precisamente por ser tão incrivelmente raro.

Recordei-me do caso do bispo Morneau esta semana, quando foi anunciado que o Papa Francisco tinha pedido e recebido a renúncia do bispo Michael Hoeppner, de Crookston, Minnesota. A renúncia surge no final de uma investigação de dois anos sobre alegações de que o bispo Hoeppner “interferiu intencionalmente, ou evitou a investigação canónica ou civil de uma alegação de abuso sexual de um menor”.

O Papa retirou o bispo da diocese de Crookston, mas Hoeppner parece determinado a sair à sua maneira. Antes de renunciar, o bispo de 71 anos marcará o fim do seu episcopado em Crookston com uma “Missa de despedida”, que será celebrada na catedral da diocese. Nem o bispo Hoeppner, nem aqueles que o rodeiam, incluindo muitos dos seus colegas bispos, parecem compreender o escândalo que isto representa.

E depois temos o caso do bispo Joseph Binzer, um auxiliar da arquidiocese de Cincinnati e ex-membro da Comissão para a Proteção de Crianças e Jovens da Conferência Episcopal dos Estados Unidos, que resignou o ano passado depois de ter sido revelado que não tinha denunciado às autoridades diocesanas o caso de um padre acusado de abusos. Binzer nem sequer notificou o seu próprio arcebispo. O padre foi depois mudado para outra paróquia, com uma grande escola, onde voltou a abusar. No início da semana passada o bispo Binzer foi nomeado pároco de duas grandes paróquias no Cincinnati.

Talvez esteja a ser injusto ao referir especificamente os bispos Binzer e Hoeppner. Ambos pediram desculpa pelos seus falhanços e cada caso é diferente, e complexo. Talvez o bispo Binzer venha a ser um excelente pastor que conduz muitas almas até Cristo. Deus queira. Talvez o bispo Hoeppner possa alcançar mais bem com os seus planos para o futuro do que se renunciasse ao ministério público, como o bispo Morneau. Não vou fingir saber.

Bispo Morneau
Mas dado o número de bispos em todo o país que têm um historial, no mínimo inconsistente, neste campo, e dado o número minúsculo dos que optam por se retirar para uma vida tranquila de oração e penitência, não há como não questionar.

Porque será que são tão poucos os nossos bispos por quem passa sequer pela cabeça que a resolução da sua inépcia a lidar com casos de abuso sexual por parte de padres possa envolver a possibilidade da sua própria reabilitação?

Porque será que tantos bispos caídos em desgraça, depois de terem traído e perdido a confiança do seu rebanho, continuam a infligir-nos com a sua presença, abusando da nossa fé e boa vontade, colocando o seu ministério e as suas carreiras acima das necessidades de um rebanho sofredor?

Porque será que não há mais pastores dispostos a retirar-se e a dedicar o resto das suas vidas à oração e penitência, em reparação pelos seus pecados e falhanços – e para o bem dos seus rebanhos?

A Igreja precisa de bispos e estes não são funcionários de Roma permutáveis, a baralhar e distribuir à nossa vontade. Mas devemos mesmo acreditar que é tão importante para a missão da Igreja e para a edificação do Povo de Deus que praticamente todos estes homens continuem a exercer ministério público? Que estes homens são ministros do Evangelho tão insubstituíveis que o perigo de escândalo é compensado pelo valor de os manter no activo? Será que as graças que a Igreja tem a obter através de uma vida humilde de oração e reparação são tão insignificantes em comparação?

Podem parecer apenas perguntas de mais um leigo exasperado. Mas pergunto, não com vontade de criticar os nossos bispos por terem falhas, como todos temos, ou para dar a entender que as suas vidas e ministérios valem menos que palha. Pergunto, antes, para sublinhar aquilo que está em causa.

Não somos chamados, todos nós, a morrer para nós mesmos? Não somos chamados a depor as nossas vidas pelo Evangelho? Seria injusto esperar mais dos nossos bispos do que Nosso Senhor pediu de nós, mas certamente não devemos esperar menos.

Um bom pastor não abandona as suas ovelhas; dá a vida por elas. E é precisamente por isso que mais bispos fariam bem em seguir o exemplo do bispo Morneau. Bispos que estejam dispostos a abdicar de tudo – que não tenham medo de dar a vida pelo seu povo – são os bispos que fazem falta à Igreja.

Porque onde o pastor for, o rebanho seguirá.


Stephen P. White é investigador em Estudos Católicos no Centro de Ética e de Política Pública em Washington.

(Publicado em The Catholic Thing na Quinta-feira, 15 de Abril de 2021)

© 2021 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing

Sem comentários:

Enviar um comentário

Partilhar