terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Papa escreve a ditador e telefona a colega

Mons. Javier Echeverria
Depois de várias folgas e um feriado, estou de regresso, na noite em que se soube da morte de Mons. Javier Echeverria, prelado do Opus Dei, aos 85 anos de idade.

Isto depois de um fim-de-semana triste, com um novo atentado no Egipto a matar dezenas de cristãos coptas. O Papa Francisco telefonou esta segunda-feira para o Papa Tawadros, dos coptas, para mostrar a sua solidariedade.

Também hoje o Papa Francisco fez chegar uma carta a Bashar al-Assad. Nela pede respeito pelos direitos humanos, mas a simples existência da carta recorda o facto de o Vaticano nunca ter abandonado o reconhecimento da legitimidade de Assad. Tudo isto no dia em que Alepo foi reconquistada pelo regime…

Anda meio mundo em alvoroço porque saiu um documentário em que o Papa diz que pensa que o seu pontificado vai ser curto. Ora essa frase não é nova, e mesmo que fosse, tirar daí ilações sobre uma eventual resignação em Março de 2017 (como ouvi alguém a dizer hoje, ressalvando que antes o Papa vai a Fátima em Maio…) parece-me abusivo.

Saíram novas indicações para a formação nos seminários. Entre outras coisas os seminaristas vão ter de aprender sobre o aquecimento global. Não é novidade, mas acabou por ser o centro da notícia, que a homossexualidade continua a ser um impedimento para a ordenação.

A semana passada publiquei no blog mais um artigo do The Catholic Thing em português.Leiam para saber como uma universidade feminina nos EUA proibiu qualquer representação de “Os Monólogos da Vagina” no seu campus. Porquê? Porque discrimina contra “mulheres que não têm vagina”. Bem-vindos ao fantástico mundo da ideologia do género!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Partilhar