quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Os Monólogos da Vagina Silenciados

Randall Smith
Há alguns anos várias universidades confessionais estiveram envolvidas em discussões sobre se deviam permitir a encenação a peça “Monólogos da Vagina”. Muitas delas – algumas das quais católicas – foram coagidas a permitir a peça controversa, com o argumento de que seria contra a “liberdade académica” não o fazer.  

Agora, porém, pelo menos uma universidade tomou a decisão ousada de banir a peça, mas talvez não pelas razões que esperaria. Mount Holyoke College, que se descreve como uma “universidade de artes liberais para mulheres” decidiu agora que a peça “não é suficientemente inclusiva”.

Então? Não é uma peça só sobre mulheres? Ao que parece, não, não é.

A verdade é que o conselho de estudantes de Mount Holyoke baniu a peça porque, “no seu cerne, o espectáculo oferece uma perspectiva muito limitada do que significa ser mulher”.

Poderá estar a pensar “Viva! Mas porque é que as mulheres haviam de ser reduzidas a uma parte do seu corpo. Não é precisamente disso que muitas delas já se queixam?”

Claro que sim, mas o problema não é esse. Acontece que Mount Holyoke baniu a peça porque exclui “mulheres” que – e não, não estou a inventar – não têm vagina.

Ah... Calma... O quê?

Uma manchete louvou a decisão de Mount Holyoke, dizendo que “Algumas universidades estão a ultrapassar a peça ‘cisnormativa’ Monólogos da Vagina, de Eve Ensler”.

Eve Ensler, a autora da peça, defendeu-se dizendo “Penso que é importante que se saiba que a minha intenção nunca foi escrever uma peça sobre o que significa ser mulher. Esse nunca foi o objectivo de ‘Os Monólogos da Vagina’”.

Ainda bem que isso ficou esclarecido. Afinal ela e os manifestantes católicos estão de acordo nesse ponto. Mas afinal de contas sobre o que é a peça?

“É uma peça”, explica Ensler, “sobre o que significa ter uma vagina.” (Então afinal sempre é sobre uma parte do corpo). “Nunca se disse, por exemplo, que a definição de mulher é alguém que tem uma vagina… Penso que essa distinção é muito importante… Temos de ter muito cuidado com o que dizemos quando utilizamos linguagem”.

Pois claro que sim. Muito, muito cuidado. Porque é cada vez mais claro que toda a gente tem um alvo nas costas hoje em dia, enquanto a elite intelectual joga o seu jogo interminável de superioridade ideológica, que passa por ver quem consegue ser superior ao próximo quando toca a indignação moralista por alegadas falhas na defesa escrupulosa da “ideologia do género”. E como eu não consigo imaginar qualquer situação em que não estejamos a “utilizar linguagem” – uma vez que usamos palavras para pensar – suponho que a solução seja ter sempre “muito cuidado” com o que se pensa. A “liberdade” moderna, como George Orwell já tinha previsto, requer que as pessoas estejam sempre à procura de provas de “crime de pensamento”.

A verdade é que não me interessa muito o que a Mount Holyoke faz ou deixa de fazer, nem acho que a cultura de um campus universitário deve ser julgado com base na participação ou não dos seus alunos nos “Monólogos da Vagina”, mas tenho duas preocupações.

A primeira é que aquilo que se está a perder neste caos linguístico são as próprias mulheres – mulheres verdadeiras, reais, com as suas necessidades específicas, algumas das quais biológicas. Enquanto homem não me cabe a mim dizê-lo, mas penso que as mulheres o deviam fazer.

Claro que uma mulher não se reduz ao seu corpo, mas requer um gnosticismo radical afirmar que o ser mulher – ou humano, já agora – não tem absolutamente nada a ver com a corporeidade. As questões de saúde femininas não são apenas emocionais, psicológicas ou culturais. Há realidades biológicas e físicas sérias, também.

Bruce Jenner
Mais ninguém está preocupado com o facto de haver pessoas a ocupar o território que devia ser exclusivo das mulheres? Não me parece nada claro que alguém como Bruce/Caitlyn Jenner tenha procurado aprender com mulheres sobre o que é ser mulher; antes, foram os media que o elevaram a “mulher do ano” no preciso momento em que alterou algumas (mas não todas) as partes do seu corpo.

Rachel Dolezal, que era branca, não pôde reclamar para si ser “negra”, apesar de ser muito dedicada à causa da justiça racial; mas Bruce Jenner foi nomeado “mulher do ano” porque acrescentou um par de maminhas falsas? Se isto não é reduzir a mulher a partes do seu corpo, então não sei!

As mulheres perdem meio litro de sangue todos os meses, carregam filhos nos seus ventres durante nove meses, suportam horas dolorosas de trabalho de parto e Bruce Jenner é a mulher do ano? Admito que não sou a pessoa mais inteligente do mundo, mas não percebo.

Questiono-me o que é que se vai passar ao longo dos próximos anos em áreas tão importantes como o desporto feminino, literatura feminina, ou até escolas e universidades femininas (como a Mount Holyoke, para dar apenas um exemplo óbvio)? Será que vão desaparecer por causa dos desejos e dos planos de certos – como é que posso dizer isto de forma delicada – homens? As mulheres atletas já começam a notar o potencial do problema.

Desculpem lá, mas isto é uma coisa que me preocupa, mesmo que não tenha nada a ver com isso, por ser aquele tipo de homem que não é uma mulher.

Mas há outra coisa que me preocupa também. Quando os católicos se queixaram que “Os Monólogos da Vagina” violava os seus princípios fundamentais, foram classificados como trogloditas. A “liberdade académica” tinha de triunfar. Agora que um grupo conseguiu posicionar-se ainda mais à esquerda que qualquer outro, o que é que aconteceu a esse grito de “liberdade académica”? Era apenas uma arma de arremesso para utilizar contra os inimigos naquele momento?

Acontece que eu acredito verdadeiramente na “liberdade académica”. Mas se as pessoas se convencerem que ela se tornou apenas um instrumento ideológico e não uma posição de princípio, então vão tornar-se cínicas e, tal como aconteceu em “Pedro e o lobo”, deixarão de acudir quando for invocada.

E isso é o que me preocupa verdadeiramente, porque todos nos devemos preocupar com a existência de um diálogo livre e aberto.

Infelizmente, porém, há quem prefira monólogos – excepto quando até isso se torna ideologicamente suspeito.


Randall Smith é professor de teologia na Universidade de St. Thomas, Houston.

(Publicado pela primeira vez na quarta-feira, 7 de Dezembro de 2016 em The Catholic Thing)

© 2016 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Partilhar