segunda-feira, 1 de abril de 2013

Lixo, tesouros e fidelidade

Depois de duas semanas de Papa Francisco vou cometer o atrevimento de comentar o seu pontificado. Faço-o ciente de que estou a falar de Pedro, o homem escolhido por Jesus para guiar a sua Igreja.

Este Papa entusiasma-me. Como ficar indiferente àquela imagem do abraço e do beijinho que deu ao rapaz deficiente profundo no Domingo de Páscoa?! Se me pedirem amanhã para definir o Cristianismo numa só imagem vou buscar aquela. Sem tirar nem pôr.

A sua capacidade para surpreender com estes gestos é fenomenal e é algo de que a Igreja precisa.

Obrigado!

Então porque é que dou por mim tantas vezes a suspirar quando vejo mais uma notícia sobre o Papa? Em parte porque sou um chato conservador, ou um legalista, como alguém me disse hoje. Mas não o sou só porque sim, sou-o porque olho para a Igreja e vejo que tem dois mil anos de riqueza e sinto-me, legitimamente, herdeiro dessa riqueza.

A Igreja é um edifício, construído sobre uma rocha, que é Pedro, e construído por Jesus. É o meu edifício, porque é a minha casa. Tal como a casa dos meus pais, onde cresci, está repleta de ornamentos e bugigangas que o meu pai sempre recusou deitar fora. Para alguns são lixo, mas cada um conta uma história e essa história ajuda a compreender aquela casa, o que se passou com ela, as dificuldades porque passou, onde se formou, como se formou, como se tornou o que é hoje e como nos molda.

Por isso custa-me quando aparece alguém que decide deitar fora esses ornamentos, mesmo os que menos parecem interessar. (Sou como o meu pai, nesse aspecto, onde uns vêem lixo eu vejo tesouros... quem mais sofre com isso é a minha mulher.) Cada ornamento que deitam fora é menos uma ligação que eu tenho ao meu passado, aos meus pais, aos meus avós...

Os sapatos encarnados são mais importantes que a mensagem de Cristo? Faz alguma diferença se o Papa lava os pés a mulheres ou a homens? Claro que não!

O quadro do meu antepassado irlandês que está na entrada da casa dos meus pais é o que mantém a casa de pé? As centenas de bilhetes de jogos de futebol que eu guardo cuidadosamente num dossier são a alma da minha casa? Não, claro que não. Mas se os deitarem para o lixo é uma parte da mim que desaparece, é uma ligação ao meu passado que cortam. E eu sinto-me mais pobre por isso. Sou sentimentalista, o que é que querem?

E por isso é natural que os outros sentimentalistas que por aí andam, como eu, estejam nesta altura um bocado desnorteados. Não é porque confundimos o essencial com o acessório (embora também os haja), é porque achamos que mesmo as coisas acessórias têm algum valor e mesmo que aceitemos que as tirem da casa, não gostamos de as ver tratadas como lixo.

Feito este desabafo, concluo. Obrigado Papa Francisco pelas palavras de sábado à noite, na vigília pascal. Terá sido a pensar em mim que disse estas palavras?

“Porventura não se dá o mesmo também connosco, quando acontece qualquer coisa de verdadeiramente novo na cadência diária das coisas? Paramos, não entendemos, não sabemos como enfrentá-la.

Frequentemente mete-nos medo a novidade, incluindo a novidade que Deus nos traz, a novidade que Deus nos pede. Fazemos como os apóstolos, no Evangelho: muitas vezes preferimos manter as nossas seguranças, parar junto de um túmulo com o pensamento num defunto que, no fim de contas, vive só na memória da história, como as grandes figuras do passado.

Tememos as surpresas de Deus. Queridos irmãos e irmãs, na nossa vida, temos medo das surpresas de Deus! Ele não cessa de nos surpreender! O Senhor é assim.”

Sim. Frequentemente temo a novidade. Não gosto. Sou assim.

Mas confio em Pedro, Sua Santidade. Confio em si e vou consigo até onde for preciso, mesmo que isso implique esvaziar a casa de todos os tesouros/lixo que ela tem, desde que não mexa nas fundações e nos pilares. Nem que seja preciso ficar sem tecto, exposto às intempéries, sem nada a que me agarrar se não àquela rocha. A sua rocha.

Cuide das suas ovelhas. Lembre-se que as há de várias formas e feitios.

4 comentários:

  1. Filipe! Filipe! Ai, Ai, Ai! São Pedro disse o mesmo. Vais chorar estas palavras amargamente... Também eu quero seguir Jesus e o Papa Francisco para onde quer que ele vá...

    Deus nos deu o que precisamos. Só a confiança nos ajudará a pensar que Bento XVI tinha mesmo razão: "A Igreja não é minha! A Igreja não é nossa! A Igreja é de Cristo!".

    ResponderEliminar
  2. "Meu Deus de beleza, na noite e da luz
    Quando tenho a certeza, de que tudo me seduz!

    Só é preciso saber ver, bem para lá do meu olhar
    Para saber que Tu estás, sempre que me consigo dar,
    Só é preciso..."

    in Deus de Beleza do Pe. Nuno Tovar de Lemos

    ResponderEliminar
  3. Antes de mais, obrigado pela franqueza. Todos temos a nossa maneira de lidar (ou não lidar...) com a novidade, mas nem todos somos capazes de a expressar dessa maneira tão transparente.

    ResponderEliminar
  4. Que bem te percebo!
    Eu tento olhar para as coisas de uma maneira mais pobre, não estar tão preso ao material. Às vezes consigo.
    R

    ResponderEliminar

Partilhar