quarta-feira, 30 de novembro de 2016

O Silêncio dos Leões

David Warren
Para que servem os bispos? É uma pergunta que muitos fiéis católicos fazem, pelo que fui percebendo através de conversas durante a minha vida adulta. Muitas vezes a pergunta é feita de forma sarcástica, sobre um qualquer bispo que tenha falhado de forma significativa na defesa dos ensinamentos católicos aquando de um acontecimento que teria exigido resposta. O galo canta três vezes e depois… a oportunidade esvanece.

O que este silêncio – ou muitas vezes murmúrio incoerente – diz aos fiéis é que quando toca a testemunhar Cristo e os seus ensinamentos, eles estão por sua conta. Podem ter o Catecismo para lhes recordar do que consiste a fé, mas se tomarem posição sobre o assunto não podem esperar o apoio dos seus líderes. 

O mais provável, até, é que sejam discretamente desacreditados como “fanáticos” e abandonados à sua sorte. Porque agora são vistos como falando unicamente em nome próprio, numa altura em que tudo o que é dito com clareza e precisão pode ser descartado como sendo o mero expelir de “sentimentos” que depois são classificados como “incitamento ao ódio”.

Vivemos em tempos difíceis, em que regulamentos de expressão avançam em todas as frentes: Académica, jurídica, social e política, e a ditadura do relativismo se vai consolidando. Tudo o que se diz pode, potencialmente, ser alvo de acção judicial pelo facto de poder, eventualmente, ferir os sentimentos de membros desconhecidos de algum grupo politicamente favorecido mas vagamente definido. O dissidente perde o seu ganha-pão, ou se espera mantê-lo deve submeter-se à humilhação pública e a um qualquer curso de “aconselhamento” ou de “treino de sensibilidade”, ou “reeducação”.

Eis que o maoismo está vivo e de boa saúde nas universidades, e a espalhar-se. Ou, se o leitor preferir, o Estalinismo, ou o Hitlerismo. Ou até o McCarthyismo, na medida em que também envolvia julgamentos de fachada.

O McCarthyismo foi derrotado bastante depressa – no espaço de três meses – depois de várias figuras proeminentes do aparelho de Estado terem confrontado o senador de Wisconsin, dizendo que estavam fartos. O próprio McCarthy foi apelidado de parasita e o seu caso tornou-se um aviso para quem o quisesse imitar.

Na verdade, um McCarthyismo mais formidável, de esquerda, ganhou raízes no cadáver do político, cujo nome se tornou um slogan de propaganda. Mas penso que no início houve genuína revolta para com a irresponsabilidade das audições de McCarthy no Senado e foi preciso genuína coragem por parte dos primeiros a tomar posição contra ele.

A mesma coragem que é necessária para todos aqueles – em todos os tempos, de qualquer nação – que se opõem à injustiça.

Temos já, nesta altura, um legado de bispos corajosos e dignos inscritos nos anais dos santos e dos mártires da Igreja Católica. Na prática correspondem a um terceiro testamento, uma crónica exemplar de vinte séculos em que, através das vidas de grandes homens e de grandes mulheres, a vida de Cristo persistiu neste mundo.

O Leão de Münster
De forma alguma devemos dizer que os bispos nos falham sempre, nem que sempre que se quedam calados nos encontramos apenas por nossa conta. Deus encontra outros que se chegam à frente para dar o exemplo. Também se deve dizer que nós temos o direito, pela graça do nosso baptismo, de dar um passo em frente, para defender o bem e a verdade e para condenar os seus opostos. Mas estes gestos são pouco frequentes.

Que são pouco frequentes deve-se ao facto de sermos pecadores. Estamos de tal forma ligados aos nossos confortos mundanos, às nossas imaginações mundanas, que mesmo diante da mais flagrante diferença entre o bem e o mal acabamos por optar pela vida tranquila. E como se torna evidente para quem lê os Evangelhos, o homem bem alimentado e com boa casa, com muitos amigos e honras (tal como um bispo), tem mais a perder do que a maioria. Porquê arriscar tudo em troca de perseguição pública e o risco de abandono por parte dos seus próprios apoiantes? Por recompensas que não são deste mundo, invisíveis salvo aos olhos da fé?

Ontem à noite fui ao lançamento de um excelente livro no Oratório de Toronto. É escrito pelo padre Daniel Utrecht e é a melhor biografia que temos actualmente em inglês do “Leão de Münster: O Bispo que Rugiu Contra os Nazis”. O seu nome era Clemens August Conde von Galen e ainda há pouco tempo escreveu-se sobre ele uma crónica no The Catholic Thing. [E outra há ainda mais tempo, que pode ser lida aqui].

Ele fustigou o regime Nazi, especialmente as suas políticas de extermínio (“eutanásia”), da forma como o deveriam ter feito todos os bispos alemães entre 1933-45, embora a maioria tenha optado por um silêncio discreto, ou na melhor das hipóteses uns murmúrios discretos.

Von Galen não esperou por autorização para falar, porque ele tinha a autoridade. E isso era tão evidente para os seus fiéis na diocese de Münster, e para católicos em toda a Alemanha, que os Nazis não se atreveram a matá-lo, guardando esse acto delicioso até para depois de ganhar a guerra, como confidenciou Hitler ao seu círculo mais próximo. Que esta não tenha sido ganha deve-se, ao menos em parte, à coragem do bispo.

Gosto de imaginar como é que a história poderia ter sido diferente. E se? E se todos os bispos se tivessem oposto ao regime da mesma forma que von Galen? Então talvez o regime tivesse perseguido os católicos por toda a Alemanha, repetindo o que fez a Kulturkampf de Bismarck, ou pior. Assim teriam absorvido aquilo que os aliados fizeram quando finalmente derrubaram os nazis e pelo caminho talvez tivessem resgatado para a Alemanha a sua herança cristã esquecida.

Ou outro cenário. E se em vez de apenas um (São João Fisher), todos os bispos britânicos se tivessem oposto a Henrique VIII? E se todos estivessem dispostos a serem mártires, com todo o clero a seguir-lhes o exemplo, levando os católicos a erguer-se por todo o país e não apenas em pequenas revoltas isoladas? Não em violência, mas num acto de santa teimosia para dizer “Isto não passará!”


No fundo, estas coisas são imponderáveis, mas gosto de pensar nelas porque dão alguma ideia sobre o extraordinário poder que a Igreja teria, fosse governada por leões.


David Warren é o ex-director da revista Idler e é cronista no Ottowa Citizen. Tem uma larga experiência no próximo e extreme oriente. O seu blog pessoal chama-se Essays in Idelness.

(Publicado pela primeira vez no Sábado, 26 de Novembro de 2016 em The Catholic Thing)

© 2016 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing

Sem comentários:

Enviar um comentário

Partilhar