quarta-feira, 8 de janeiro de 2020

E o ano ainda agora começou...

O assunto do momento é o Irão. Este é um conflito que vai muito para além da religião, mas que também não se compreende sem a sua dimensão religiosa. Convido-vos a ler este artigo explicador que escrevi para a Renascença logo no dia depois do assassinato de Qassem Soleimani e aqui podem encontrar uma cronologia para perceber o que nos trouxe até aqui.

Lembram-se do rapaz católico que foi crucificado pelo mundo por supostamente ter gozado com um ancião nativo-americano depois da Marcha Pela Vida em Washington, o ano passado? Soube-se entretanto que a história estava muito mal contada e hoje recebeu uma indemnização da CNN.

2019 foi um ano recorde para a hostilidade anticristã no mundo, diz a fundação Ajuda à Igreja que Sofre. Aqui trazemos-lhe o que esperar da agenda do Papa em 2020 e convido-vos ainda a ler o meu segundo artigo sobre coisas a ter debaixo de olho neste novo ano: Hoje foco o caso do Cardeal Pell, que vai conhecer o desfecho final.

Há cerca de um mês no grupo do Facebook, um lefebvriano comentou a notícia da morte de um rabino com a frase: “Mais um fariseu no inferno”. É por essas e por outras que me deu o maior gosto traduzir o artigo desta semana do The Catholic Thing, sobre a importância do legado do cardeal Lustiger, que escreveu sobre si mesmo: “Nasci judeu. Recebi o nome do meu avô, Aaron. Tendo-me tornado cristão pela fé e pelo baptismo, permaneci judeu. Tal como os Apóstolos.”

Sem comentários:

Enviar um comentário

Partilhar