segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Caminhada silenciosa, ou silenciada...

Padre Giselo Andrade, do Funchal
Decorreu no fim-de-semana a Caminhada Pela Vida. Estive presente e se no início estava preocupado que estivesse menos gente que nas caminhadas anteriores, acabei por ficar com a ideia de que os números dos últimos dois anos podem ter sido superados. Em todo o caso, podia e devia ter estado mais gente. Pode-se apontar o dedo aos organizadores, à imprensa, à igreja… A verdade é que muita gente soube e não foi porque não quis. É pena. A isto soma-se o desprezo a que a caminhada é votada pela imprensa generalista. Felizmente a Renascença é excepção!

Um dos temas do dia é do padre madeirense que teve um bebé e assumiu a paternidade. A diocese não pondera abrir um processo canónico, esperando que o discernimento ajude a clarificar o futuro deste sacerdote.

Conheça aqui a jovem romena que foi para o Uganda por causa dos estudos e acabou por ajudar os refugiados a estudar. Como uma pessoa, com muita fé, pode mudar a vida a tantos.

Tragédia nos Estados Unidos, onde um tiroteio numa igreja fez pelo menos 27 mortos. As motivações não parecem ter tido nada a ver com religião.

E leia aqui a opinião de um bispo polaco, que também é médico, e cujo diagnóstico sobre o estado de saúde da Europa é muito preocupante.

1 comentário:

  1. Mesmo a renascença podia fazer muito mais, no facebook depois de a marcha ter acontecido não colocou nenhuma notícia sobre isso.

    ResponderEliminar

Partilhar