quarta-feira, 7 de setembro de 2016

No Encalço de Santos: Madre Teresa e João Paulo II

Ines A. Murzaku
Santa Teresa de Calcutá e São João Paulo II tinham uma relação especial, uma amizade que foi confirmada para a eternidade pela canonização desta no passado dia 4 de Setembro. Lembram-se da imagem de São João Paulo II a beijar a cabeça daquela pequena mulher enquanto ela segurava na mão dele? Para o Papa polaco, nas palavras de George Weigel, a Madre Teresa era uma “pessoa-mensagem” para o Século XX.

Madre Teresa e São João Paulo II, o homem e a mulher do Século, juntos fizeram e mudaram a história. Eram peregrinos da paz, indivíduos profundamente apaixonados por Deus e pelo próximo, defensores dos pobres e dos marginalizados, promotores da liberdade e da dignidade humanas. Para além disso, o que São João Paulo II testemunhou na Madre Teresa foi aquilo a que chamou o mistério da mulher e as grandes obras de Deus em, e através de, a mulher.

A Madre Teresa e São João Paulo II acreditavam nos mesmos princípios de apostolado:
Abriram os braços da Igreja às pessoas e trouxeram para a fé um sentido de família e de pertença. A sua amizade era tão profunda e gentil que monsenhor Francesco Follo, Observador Permanente da Santa Sé na UNESCO, que trabalhou de perto com as Missionárias da Caridade em Itália e em França, escreveu no seu livro sobre João Paulo II que madre Teresa representava “a dimensão feminina de João Paulo II”.

Madre Teresa e Karol Wojtyla, então Cardeal Arcebispo de Cracóvia, conheceram-se pela primeira vez em Fevereiro de 1973, no 40º Congresso Eucarístico Mundial, em Melbourne, cujo tema era o mandamento novo de Jesus: “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”. Foi a primeira vez que Wojtyla esteve exposto ao Novo Mundo.

No seu diário pessoal, o futuro Papa mencionou ter conhecido Madre Teresa. Ela, na verdade, sentia-se em casa em Melbourne, as Missionárias da Caridade tinham inaugurado a sua primeira casa na Austrália em 1970, lidando com outras formas de pobreza, diferentes das que encontravam na Índia, incluindo alcoolismo, toxicodependência e as necessidades espirituais dos idosos. Ela acreditava que os homens e as mulheres alcoólicos da Austrália deviam ter mais do que abrigo e comida, que precisavam de ser amados e reabilitados para se poderem reintegrar na sociedade.

Em 1976 os dois encontraram-se novamente em Filadélfia, noutro Congresso Eucarístico, desta vez subordinado ao tema Jesus, o Pão da Vida. Por estranho que nos possa parecer, nem um nem outro era ainda muito conhecido no mundo católico. Mas os seus discursos tiveram muito impacto. Madre Teresa falou da fome física e do amor pelas coisas pequenas e o Cardeal, que conhecia em primeira mão os regimes totalitários, fez um apelo em nome daqueles a quem era negada a liberdade e que sofriam por detrás da Cortina de Ferro. Fome de pão e fome de liberdade – bem como a luta contra o sofrimento humano – estavam a contribuir para consolidar uma amizade duradoura e uma causa comum.

Os encontros em Melbourne e em Filadélfia com Madre Teresa e com o seu trabalho missionário devem ter tido um impacto profundo no Papa. Em 1986, durante uma visita de dez dias à Índia, ele rezou em Nirmal Hriday – Casa dos Puros de Coração, gerido pelas Irmãs da Caridade em Calcutá. Nessa casa, fundada em 1950 por Madre Teresa, dava-se assistência e tratava-se o sofrimento dos doentes, pobres e moribundos. O Papa, liderado por Madre Teresa, parou junto a cada um dos 86 doentes, alimentando à colher os doentes e moribundos. No fim da visita disse que “Nirmal Hriday é um local de esperança, uma casa assente na coragem e na fé, onde reina o amor”.

Ironicamente, foi numa casa localizada nos terrenos de um antigo templo hindu dedicado à deusa Kali que o Papa encontrou o mistério do sofrimento e do amor humano. Na verdade, o sofrimento e o amor humano são universais, transcendem nações, religiões, afectam ricos e pobres. A visita histórica de São João Paulo II à Índia e o seu encontro com Madre Teresa estão imortalizados em duas estátuas de tamanho real do Papa e da missionária no Santuário Nacional de São Tomé, Apóstolo da Índia.

O Papa ficou de tal forma emocionado pela pobreza e pelo sofrimento humanos que testemunhou na Índia que em 1988, durante o Ano Mariano, foi inaugurada a casa Dom de Maria, próxima da imponente colunata da Basílica de São Pedro. Madre Teresa deu-lhe esse nome na esperança de que “seja sempre possível experimentar, aqui, o amor da Virgem Santa”. A casa distribui comida e roupa a centenas de pobres em Roma e fornece abrigo e assistência médica a mulheres em situações de perigo.

São João Paulo II visitou a Albânia em 1993. Era a primeira vez que um Papa estava no país. No seu discurso aos albaneses, uma nação maioritariamente muçulmana e que tinha vivido debaixo do comunismo, o Papa falou sobre a liberdade, conquistada recentemente depois de décadas de perseguição severa e de martírio. Entre os albaneses que estavam lá para receber o Papa estava a Madre Teresa.

Ela tinha visitado a Albânia em 1989, quando ainda estava sob jugo comunista, por motivos “privados” – para rezar nas campas da sua mãe Drane e da sua irmã Age Bojaxhiu, que estavam sepultadas em Tirana, a capital da Albânia. Apesar dos esforços diplomáticos de mais alto nível, o Governo comunista negou a entrada à Madre Teresa durante quase vinte anos. Se a sua visita de 1989 foi um indicador dos primeiros sinais de abertura e da queda do último bastião do Comunismo na Europa de Leste, a visita de São João Paulo II em 1993 foi uma celebração da liberdade naquele que tinha sido o primeiro “estado ateu” do mundo.

No seu discurso ao povo albanês o Papa expressou gratidão à Madre Teresa e à sua missão universal para alimentar os famintos do mundo: “Mesmo nos tempos do isolamento total da Albânia, foi esta humilde religiosa, esta humilde servidora dos mais pobres dos pobres, que levou pelo mundo o nome do vosso país. Na Madre Teresa a Albânia foi sempre estimada… Hoje, agradeço-vos em nome da Igreja Universal, agradeço-vos, queridos albaneses, por esta filha da vossa terra e do vosso povo”.

A Madre Teresa, canonizada no domingo passado, e São João Paulo II, eram figuras universais a servir a Igreja universal com uma missão universal. O que os unia e consolidava a sua amizade eram a compaixão pelo sofrimento do mundo e um profundo respeito pela dignidade e liberdade humanas, alimentado de forma particular pelo Catolicismo. Como todos os santos, eles recordam-nos da profunda ligação entre o amor de Deus e o amor pelo homem.


Ines A. Murzaku é uma nova colaboradora do The Catholic Thing. É professora de Religião na Universidade de Seton Hall. Tem artigos publicados em vários artigos e livros. O mais recente é Monasticism in Eastern Europe and the Former Soviet Republics. Colaborou com vários órgãos de informação, incluindo a Radio Tirana (Albânia) durante a Guerra Fria; a Rádio Vaticano e a EWTN em Roma durante as revoltas na Europa de Leste dos anos 90, a Voice of America e a Relevant Radio, nos EUA.

(Publicado pela primeira vez no Sábado, 3 de Setembro de 2016 em The Catholic Thing)

© 2016 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Partilhar