terça-feira, 15 de maio de 2012

O Presidente, Jesus e a Regra de Ouro


Francis J. Beckwith
O Presidente Barack Obama acaba de anunciar [Quinta-feira dia 10 de Maio] que apoia o “casamento” entre homossexuais, numa entrevista ao jornalista Robin Roberts, na cadeia ABC. Ao explicar as suas razões, o Presidente ofereceu a seguinte reflexão teológica:

“Sabes, nós [a Primeira Dama e eu] somos ambos cristãos praticantes e claro que pode parecer que esta posição nos coloca em conflito com as opiniões de outros mas, sabes, quando pensamos na nossa fé, aquilo que pensamos que está na raiz é, não só o sacrifício de Cristo por nós, mas também a Regra de Ouro, sabes, tratar os outros como gostaríamos de ser tratados. E penso que é isso que tentamos transmitir às miúdas e é isso que me motiva enquanto presidente e penso que quanto mais coerente eu for na fidelidade a esses preceitos, serei melhor pai, melhor marido e, espero, melhor Presidente.”

Admiro o Presidente por não ter vergonha de invocar a autoridade e os ensinamentos de Cristo quando nos revela as suas deliberações internas a respeito deste assunto. Numa era em que muitas das nossas instituições que influenciam a cultura desprezam, instintivamente e sem pensar duas vezes, as considerações teológicas como sendo sub-racionais, a honestidade do Presidente é refrescante e bem-vinda.

Mas parece-me que a sua invocação da Regra de Ouro, por mais apropriada, audaciosa e louvável que possa ser, não justifica a sua mudança de opinião. A Regra de Ouro – “o que quiserdes que vos façam os homens, fazei-o também a eles” (Mt. 7,12) – não é um quid pro quo para a satisfação recíproca. Nesse caso, significaria que se se fossemos mosoquistas, por exemplo, deveríamos infligir dor aos outros.

Quando Cristo nos deixou a Regra de Ouro como parte do Sermão da Montanha (Mt. 5-7, 27), sabia que os seus ouvintes o compreenderiam da mesma maneira que compreenderam outras partes dessa homilia, incluindo a pergunta: “Qual de vós, se o seu filho lhe pedir pão, lhe dará uma pedra?” (Mt. 7, 9).

Se a Regra de Ouro fosse apenas um pacto de auto-satisfação mútua para proteger as preferências de todos, então uma boa resposta à pergunta de Jesus seria: “Mas Jesus, e se o meu filho me pedisse uma pedra, porque preferia comer uma pedra do que um pão?”

Seria uma pergunta tola, porque a Regra de Ouro não é simplesmente sobre proteger as preferências do nosso próximo mas, antes, promover o seu bem. O Presidente, ironicamente, tem de confiar nesta interpretação, mais antiga, para que façam sentido as suas referências às responsabilidades enquanto “pai” e “marido”, porque o significado primordial desses termos está integrado numa cultura moral herdada que ele não inventou, mas que agora rejeita.

Jesus coloca-se a si e aos seus ensinamentos firmemente nesta tradição moral. “Não lestes que o Criador, desde o princípio, fê-los homem e mulher, (...) Por isso, o homem deixará o pai e a mãe e se unirá à sua mulher, e serão os dois um só? Portanto, já não são dois, mas um só.” (Mt. 19, 4-6).

Jesus até reconhece que há uns que não se podem casar porque nasceram assim, outros pela interferência dos homens e há aqueles que renunciam ao casamento por amor do Reino do Céu (Mt. 19,12).

Esta compreensão do casamento é tão essencial para o Evangelho que Cristo e os seus primeiros discípulos compararam a relação do Senhor com a Sua Igreja à relação entre um noivo e a sua noiva. (Ver Mt 9,15, Mc 2,19, Lc 5,34, Jo 3,29, 2 Cor 11,2, Ef 5,25, Ef 5,31-32, Rev 19,7, Rev 21,2, Rev 21,9, Rev 22,17).


Porque a Regra de Ouro é, como Cristo o disse, “a Lei e os Profetas” (Mt. 7, 12), é o fundamento da missão da Igreja na Terra, o que significa que para o Cristão a Regra de Ouro integra-se inteiramente na teologia moral da Igreja, incluindo o seu entendimento do casamento e do bem-comum.

Embora o Presidente esteja enganado no que diz respeito à Regra de Ouro, seria interessante saber até que ponto está disposto a aplicar esta sua interpretação da mesma de forma mais generosa, para verdadeiramente “tratar os outros como gostaria de ser tratado.”


Ou a instituições associadas à Igreja, ou mesmo privadas, que não podem, por razões de consciência, fornecer cobertura de serviços contraceptivos ou abortivos conforme previsto no decreto da HHS?


Há dias em que gostava que Cristo nos tivesse deixado um ensinamento diferentes sobre o casamento, um que não nos obrigasse a defender aquilo que é claramente um conceito impopular nestes meios académicos em que ganhamos a vida. Mas o Senhor espera de nós obediência total, mesmo quando confrontados com perseguições e marginalizações.

Porque tal como Ele referiu, apenas nove versículos depois de ter dito a Regra de Ouro, “Nem todo o que me diz: ‘Senhor, Senhor’ entrará no Reino do Céu, mas sim aquele que faz a vontade de meu Pai que está no Céu.” (Mt. 7, 21)


(Publicado pela primeira vez na Sexta-feira, 11 de Maio 2012 em http://www.thecatholicthing.org)

Francis J. Beckwith é professor de Filosofia e Estudos Estado-Igreja na Universidade de Baylor. É autor de “Return to Rome: Confessions of An Evangelical Catholic” (Brazos, 2009) e um dos quatro principais autores de "Journeys of Faith: Evangelicalism, Eastern Orthodoxy, Catholicism and Anglicanism" (Zondervan, 2012).

© 2012 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Partilhar