quarta-feira, 18 de julho de 2012

Os Primeiros Terroristas

George J. Marlin
Há duzentos e vinte e três anos começou a Revolução Francesa, quando uma horda de parisienses tomou de assalto e pilhou a bastilha, que na altura albergava apenas sete prisioneiros não-políticos.

Muitos dos agitadores revolucionários – Robespierre, Danton, Saint-Just, Marat e Couthon – estavam determinados a eliminar a Igreja Católica e a substituí-la por uma sociedade sagrada secular, baseada na verdade, na razão e na liberdade.

Uma vez que Deus e a sua Santa Igreja Católica eram, no seu entender, irreconciliáveis com a razão e a liberdade, estes radicais, em nome do povo, tomaram o poder absoluto e não impuseram qualquer limite às mudanças que a sua nova fé poderia impôr para criar uma moral secularizada que por sua vez levaria a uma sociedade perfeita.

Um catecismo de moralidade, “no qual não haverá qualquer uso de princípios religiosos”, proclamaram, “é o primeiro requisito da nação... Os sábios esperam-no, os fanáticos religiosos temem-no; o Governo tornou-o necessário.”

Os Clubes Jacobinos eram as novas igrejas desta religião cívica, que exigia obediência cega, a adoração do poder humano e uma fé ilimitada no progresso. Rousseau era o seu pai espiritual, Robespierre o sumo-sacerdote que pregava o evangelho do terror.

A Árvore da Liberdade (L’arbre de la liberté) substituiu a cruz. Nicolas Bonneville, líder dos Amigos da Verdade, propôs uma versão naturalista da Sagrada Comunhão: “Amigos, este é o corpo do sol que amadurece a colheita. Este é o corpo do pão que os ricos devem aos pobres!”

Para eliminar a cultura Católica que tinha mantido a França unida durante mais de mil anos, as propriedades da Igreja foram confiscadas, centenas de padres foram assassinados, e mais de 30.000 deportados. O Estado retirou à Igreja a responsabilidade de educar, cuidar dos pobres e doentes, casar e registar nascimentos e mortes.

Os revolucionários colocaram escadotes contra a fachada da Catedral de Notre Dame e puseram cordas à volta dos pescoços das imagens de mais de duas dezenas de reis franceses, puxando-os para o chão. A multidão ululante decapitou as estátuas e lançou-as ao Rio Sena.
Lá dentro, estátuas e símbolos religiosos foram removidos e a cathedral foi dedicada à deusa da razão. O altar foi transformado num palco, sobre o qual uma actriz, acompanhada por um corps de ballet, dançava ao som da cantiga: “Vós, santa liberdade, vinde habitar no Templo, sede a deusa dos franceses”.

Apóstolos da verdade e da razão foram enviados para vilas e aldeias para pregar a boa nova da república. Havia hinos seculares, leituras dos textos sagrados de Rousseau, baptismos cívicos e pias de água benta do Governo. Mais de duas mil igrejas católicas foram transformadas em templos da razão.

Liberdade, Fraternidade, Igualdade, Guilhotina
Uma testemunha, um súbdito britânico, escreveu a seguinte descrição de um Festival da Razão, levado a cabo no campo:

Um delegado chega alguns dias antes, acompanhado por uma deusa, caso a vila não consiga fornecer uma que se adeque. Ela vem vestida com uma túnica romana de cetim branco, normalmente originário do guarda-roupa de um teatro, e usa uma boina encarnada, ornada com folhas de carvalho. O seu braço esquerdo descansa sobre um arado, e na mão direita carrega uma lança... Instalada num altar... dirige-se ao povo, que por sua vez lhe presta culto... Sempre que possível encontra-se um padre para abjurar a sua fé em público e declarar que o Cristianismo não passa de uma fraude. O festival acaba com uma fogueira, na qual se queimam livros de orações, imagens de santos, confessionários e outra mobília litúrgica. A maior parte dos presentes olham em silêncio, mudos de horror e fascínio; outros, ou por estarem embriagados ou porque foram pagos... dançam à roda...

Para completar a tomada de controlo da nação, os jacobinos eliminaram as eleições e estabeleceram a primeira ditadura moderna; o primeiro estado policial. “A República”, disse Danton, “foi estabelecida cinquenta anos antes da opinião pública estar preparada... eleições livres seriam incompatíveis com a sua manutenção”.

Eles deram início a um reinado de terror que acreditaram ser a única forma de eliminar, à velocidade da luz, as forças do egoísmo e da corrupção, isto é, a Igreja (entre outros). O princípio que guiava os jacobinos foi expressado por Sant-Just: “Até que a vontade do povo soberano reprima a minoria monárquica e reine por direito de conquista... temos de punir não só os traidores mas também os indiferentes; há-de punir quem é passivo na República e nada faz por ela... Aqueles que não puderem ser governados pela justiça devem ser governados pela espada”.

Dezenas de milhares foram presos por meras suspeições. Os acusados foram considerados culpados em grupo. Não era permitido apresentar defesa e os prisioneiros estavam impedidos de falar em causa própria. Pelo menos 30.000, a maioria dos quais inocentes, perderam a vida na guilhotina.

Num episódio famoso na Vendeia, os carrascos decidiram que a guilhotina era demasiado lenta (embora tenham conseguido matar dezenas de milhares) e mais de 2.000 vítimas – contra-revolucionários católicos – foram afogados sumariamente. O ex-aluno de uma escola católica, Joseph Fouché, massacrou milhares em Lyons. O historiador R.R. Palmer observa que, “Aqueles homens infligiam a morte com uma alegria santa!”

O resultado da sua reconstrução social baseada em abstracções ideológicas foi duzentos anos de instabilidade e agitação política e social. Dez anos depois da tomada da Bastilha, a França tinha sido comandada por seis Governos diferentes. Desde 1799, um ditador, dois imperadores, dois reis, um Governo Vichy fantoche e cinco repúblicas governaram a nação.

Na década de 1790, os terroristas totalitários criaram, em nome do povo soberano, uma tirania da virtude. O grande mito destas repúblicas populares é, segundo o historiador Eli Sagan, “o fruto podre da modernidade. Como em tantas outras perversões da modernidade, o Terror Francês foi o primeiro regime a levar a cabo este feito ideológico acrobático, no qual a soberania do povo acaba por destruir le peuple”.


(Publicado pela primeira vez na Quarta-feira, 11 de Julho 2012 em http://www.thecatholicthing.org)

George J. Marlin é editor de “The Quotable Fulton Sheen” e autor de “The American Catholic Voter”. O seu mais recente livro chama-se “Narcissist Nation: Reflections of a Blue-State Conservative”.

© 2012 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte:info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Partilhar