quarta-feira, 29 de janeiro de 2020

Um Novo Paradigma para a Educação nas Artes Liberais?

Randall Smith
Tenho um amigo que acha que a maioria dos alunos contemporâneos estão de tal forma afastado da natureza que teriam de ser reintroduzidos a ela antes de se poder pensar sequer em ensinar-lhes sobre o direito natural e as virtudes.

A Wyoming Catholic College resolve este problema obrigando os alunos a montar a cavalo. Montar não é uma capacidade virtual em que nos possamos desenrascar. Os cavalos têm uma mente própria e para os conseguir montar é preciso ter a capacidade e a sensibilidade para as disposições do cavalo naquele dia. Montar um cavalo não é como brincar com números numa folha de cálculo e por isso é exatamente o género de coisa que os alunos deviam aprender a fazer.

Agora, talvez nem toda a gente possa ou deva aprender a montar a cavalo, nem que seja para poupar os cavalos à tortura de serem sujeitos a cavaleiros incompetentes. Os cavalos precisam de muitos cuidados e de espaço para poderem andar, e nem todas as universidades têm esses recursos. Mas podemos ensinar outras competências que requerem ingenuidade e atenção à realidade do mundo, e não apenas às vontades e aos desejos?

Tenho uma proposta radical. Todos os alunos deviam aprender um ofício com um mestre. Podia ser na área da canalização, electricidade, construção, agricultura, mecânica, carpintaria, mobília, ou outros. O objectivo principal seria ensinar os alunos uma prática que requer disciplina e excelência e onde os resultados são concretos e evidentes.  

Se não ligar correctamente os cabos eléctricos, a luz não acende. Se não colocar correctamente os tijolos, o muro cai. Se a canalização não for bem feita, aparecem fugas. Não há muito espaço para “individualismo criativo” e “voluntariedade autocentrada” quando se está a aprender tais ofícios. Se não o fizermos bem, a coisa não funciona.

E torna-se claro para toda a gente porque é que o mestre é “mestre” e porque o novato não é. Isto, como eu disse, seria o objectivo principal. Aprender um ofício para compreender que existem padrões de exigência e para poder depois aplicar isso ao desenvolvimento das virtudes.

Claro que a proposta é absurda, uma daquelas fantasias que os professores universitários inventam nos seus tempos livres.

Mas será assim tão absurdo? Não é propriamente uma coisa impossível de se fazer. Contratamos electricistas e canalizadores nas universidades a toda a hora. Será mais complicado contratar um mestre electricista que possa ensinar do que um académico de história que possa ensinar?

E pensem no que poderíamos dizer aos pais. Vamos treinar o seu filho segundo as melhores tradições das artes liberais. Mas está preocupado que não consigam arranjar um emprego para se sustentarem? (E sim, muitos temem isso mesmo), pois bem, mesmo que tudo o resto falhe, terá sempre uma forma de ganhar dinheiro como canalizador, electricista, mecânico ou alfaiate. Terá sempre um plano B.

Wyoming Catholic College
E, já que estamos nessa, todos sabemos que um bom canalizador ou electricista ganha mais do que a maioria dos miúdos que metemos a fazer trabalhos de seca num escritório. E se decidirem prosseguir os estudos podem sempre exercer esse ofício em part-time, de forma a conseguir pagar as contas.

Poderão esquecer-se do que aprenderam sobre história ou sobre química orgânica, e os conhecimentos sobre Shakespeare e Freud hão de mudar ao longo dos anos, mas tudo indica que, tal como andar de bicicleta, jamais se esqueçam de como ligar os cabos de um interruptor ou como construir uma cadeira. A tecnologia disponível pode mudar, mas com um bocadinho de tempo e formação hão de conseguir voltar aos eixos.

Como vêem, é uma proposta prática com potencial para aumentar as candidaturas ao ensino superior. Então porque é que não deve gerar grande interesse? Porque requer uma mudança de paradigma na forma como entendemos o ensino universitário. De acordo com a nossa forma de pensar, desenvolvida ao longo dos últimos oitenta e tal anos, as universidades são para trabalhadores administrativos. Os canalizadores não vão para a universidade – pelo menos não para aprender canalização – porque são operários.

Quero que fique bem claro que hoje, como sempre, de uma perspetiva cristã isto é uma valente treta. Os gregos antigos podem ter olhado com desdém para o trabalho manual, mas os cristãos não o podem fazer. Cristo trabalhou como carpinteiro durante a maior parte da sua vida. Todos os beneditinos, franciscanos e dominicanos que fundaram a educação cristã e as primeiras universidades trabalhavam, não eram aristocratas de Oxbridge.

Para além disso, os canalizadores têm tanto direito a uma educação nas artes liberais como qualquer outro. Algumas das melhores conversas que já tive sobre fé e filosofia foram com canalizadores, electricistas e muitos outros que passaram pela minha casa para arranjar coisas. São pessoas interessantes. Tentem discutir o problema do mal com uma mulher polícia que já foi baleada por traficantes. Tem uma perspectiva que falta à maior parte dos licenciados.

E para ser sincero, a maioria dos trabalhos de escritório requerem tanto uma educação universitária como a canalização. Eu rejeito a ideia de que um trabalhador não consiga subir na vida se não tiver acabado o curso. Quem é que fez das universidades os porteiros do sucesso empresarial? Não é essa a nossa função nem o nosso objectivo. É, isso sim, o que dizemos às pessoas, para nos mantermos em funções, mas mais tarde ou mais cedo o mundo vai perceber.

Não é preciso uma educação universitária para conseguir um emprego ou avançar para o próximo grau de liderança numa empresa. Devia querer uma educação nas artes liberais porque ela expande a mente e a alma. Se o ajudar a ganhar dinheiro também, então força!

Só não se esqueça de doar um bocadinho desse dinheiros aos seus pobres e esforçados professores, na universidade onde tirou o curso, está bem?


Randall Smith é professor de teologia na Universidade de St. Thomas, Houston.

(Publicado pela primeira vez em The Catholic Thing na quarta-feira, 22 de Janeiro de 2020)

© 2020 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Partilhar