quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Psicólogos dinamarqueses e a belíssima luta contra o diabo

Capela Sistina

A entrevista foi longa e abordou muitos outros temas também, podem ler a transcrição completa no blog, aqui. Vale muito a pena!

Agora já se pode ver a Capela Sistina à luz natural. Ou pelo menos à luz artificial que simula a luz natural. Vale a pena ver as imagens e o vídeo.

O Papa Francisco falou novamente da existência do diabo, referindo que a luta contra o maligno é uma luta “belíssima”.

Se dúvidas houvesse sobre o Estado Islâmico, foram novamente dissipadas pela descoberta de uma vala comum com os cadáveres de mais de 200 homens, todos executados a sangue frio. E estes nem eram “infiéis”, eram sunitas de uma tribo que se opôs ao grupo.

Encontra-se em Portugal o Patriarca da Igreja Melquita, que reside em Damasco e vem falar da situação dos cristãos no Iraque e na Síria. Amanhã fala em Lisboa, a partir das 17h, na Fundação Pro-Dignitate (Praça da Estrela, 12 - 1º), Lisboa e em Fátima no dia 1 de Novembro, na casa Nossa Senhora do Carmo, às 15. Não percam.

Psychology has become a substitute religion, with psychologists as a new priethood

Full transcript, in the original English, of my interview with psychologist Peter Damgaard Hansen. News story, in Portuguese, here.

Transcrição integral, no inglês original, da minha entrevista com o psicólogo Peter Damgaard Hansen. A reportagem resultante pode ser lida aqui.

So what brings you to Portugal?
I have been invited to come here by the Catholic Association of Psychologists to do some lecturing on my work with marital counselling and also to do a seminar with professionals, with whom I would like to go into a little bit more detail, showing how I work with couples, and what my understanding and philosophy is about marital issues.

Your speciality is family counselling, correct? What sort of situations do you usually deal with?
It’s mostly marital difficulties. Family issues are very critical in our times and very important to the world and to the culture. We always say that the family is the core unit of society, and the core of family is the relationship between husband and wife. To help them function at an optimum level together with the least amount of conflict and most flow of love is really the agenda that I see as very important to work for.

Many people find it difficult to deal with couples who are going through marital problems. We want to help, but often don’t know what to do, and suggesting professional help can be complicated. What is the best approach?
Typically the issue is that people feel embarrassed about not being able to make their relationship work and many have the idea that this is something we should be able to deal with on our own. In the sense that if only you find the right person to marry you won't have these big problems, so something must be wrong with us since we can't make it work, or maybe we picked the wrong one, and people have a hard time admitting that. 

So I think one of the first things I try to make clear, both in my talks and working with people, is that we should not feel bad about having marital issues. It really is difficult to make a marital relationship work. And that is because we are not perfect beings. We are all quite imperfect, and we live in a very burdened world, with wounded baggage and then try to make love flow without any problems, it’s basically impossible. 

So the first step is to admit that married life is very difficult. And once we can accept that and relax without feeling guilty about our own shortcomings, or angry with the other one for his or her mistakes, we have already taken great steps. Because behind marital issues I always find the idea that this should be better, it should work, we should love each other, that's the whole plan of marriage, and as good Christians and Catholics we have been told all the time that we should love our neighbour and our spouse, and I say that is the idea, but it is really very difficult. We can certainly find a lot of theological reasons for that, also psychological reasons, why it is so hard to love, because we basically need a lot of love.

I like to make a provocative point that we actually enter into relationships primarily to be loved, than to give love. Most people don't really think about it, but when you go deeper into this issue it actually becomes clear, we are looking for somebody to love us, and that feels like a natural thing, we want to find the perfect one, so that we can be loved, and then of course I will love the other also, but he or she should begin. And the other will have the same approach to me.


So in a marriage we have two people coming together who are both looking to be loved and who are not capable, to the same extent, of providing ideal love. We are created with a need for perfect unconditional love, I think it is stamped on our hearts by our creator, but our capacity to provide that unconditional love has some difficulties in the current state of mankind, following the fall, if you look at it theologically, but you don't even have to include that perspective, just psychological introspection will reveal that I know I should be loving, I know I should be forgiving of everything in my spouse and partner, but I just can't always do it. The selfishness and egoistic impulses are very strong. 

So I do refer to the egoism as a big obstacle to the flow of love, but not in a judgmental way. I don't see egoism as something which is bad, bad, bad. I see it as a flaw in our human nature, currently, which we have to admit and get going with and start working on, instead of feeling bad about our selfishness and pretending that it isn't there. 

How about outsiders who want to help, what is the way to act?
The way is to help people feel ok about having difficulties, to make that not a big disaster in itself, but to say things like, it is very difficult to make relationships work, we all have issues making it work. When people are in a crisis it is suddenly visible, and that is the embarrassing thing, but many couples come to me and think that they are the only ones that have these troubles, because everybody else looks like they have their acts together, and are smiling to each other, in church at least, but I know these other couples too, so I know that everybody has to struggle with it. So a good way to help is to be open about own issues too, own difficulties.

Should they insist on the couple finding professional help?
Yes, I think one should encourage that, and also make statements like, "This is something you cannot solve on your own". You are stuck with emotionally heavy issues that you ignite each other on them, you get into going in circles, often people have these discussions that go on and on indefinitely, they find themselves going in circles, and it is very important to get across to people that they cannot solve this on their own. Just like with other health issues, you need experts’ advice and so a third party that can step into this tense place with them, who they both can trust, is a huge step towards reconciliation.

To many Christian couples that third party might automatically be a priest. Are priests prepared to deal with these issues?
For many of the issues they have resources to draw from. I think it depends on the severity of the issues, and I know many couples who have found help by talking to a priest, just a third party listening, but some marital troubles are so deep rooted, because we get into family of origin issues, like traumatic events from childhood, which are played out in the marriage. The wounded baggage is conflicting with the wounded baggage of the other person, and then we get into some very deep rooted issues which I don't think many priests are prepared for, many counsellors for that matter, either, unless you have been trained and studied that particular dimension.

Is there such a thing as a marriage which is beyond salvation?
I don't think so. Many couples who think they are beyond the point of no return I am pretty sure they could get the help they need if they are willing to work for it, that is of course the condition. And that is where professional help is needed, and also to show them why love isn't active right now. Often there is a lot of anger, we hear statements like "I simply don't have those feelings for that person anymore", so its over, we might as well split and I'll go and find somebody else.

And I say, "well, if you don't have those feelings, then what is the big rush in getting out of it? What feelings to you have instead?"

And we always find tremendous anger. Behind a divorce and splitting up there is always anger. If we can release that through therapeutic intervention we have a totally different setup and sometimes the person can be freed. It is like taking the glasses of anger off, and you can see the world with different eyes. And behind the anger there is deep, deep sorrow, a deep longing to be loved. 

As I said before, we have a bigger need for love than our spouse can provide, but that doesn't mean that the marriage is hopeless, we can learn to embrace each other for not being perfect, that is another way of showing love. 

Before we used to complain about such high divorce rates. Currently the main problem seems to be that people simply don’t see the point of getting married in the first place. Marriage is clearly going through a crisis… what is the origin?
I think it spirals into that now. Many of the young generation who grew up seeing their parents get divorced, or all their friends get divorced, or everybody getting divorced, they naturally feel apprehensive about making a commitment if it is going to end with that anyway, so I think there is a great fear of commitment and of being disappointed, so I think it is important very early, when they are dating and have their first conflicts, to show them that they can be resolved, that there is hope for making a commitment, if you find a partner who is willing to work on their own issues.

There is a deep biblical saying, "Don't try to remove a splinter in your brother's eye if you have a log in your own". That is a formula for a happy marriage in a nutshell. 

And you could say my whole counselling is about rewriting that in psychotherapeutic terms, and explaining it from many different angles, we have to become aware that the marriage we get depends a lot on what we put into it or don't put into it. So a marriage is not a fixed thing which can't be changed, it is a dynamic thing that will change if I change. If I do something I will affect the other, if I don't, that will affect the other one too. We are all co-creators of the marriage.

If we believe that it is all about finding the right one, then it is like a lottery, you don't know if you will get one who you will love in a month or so, or next year, or if the other will love you. If people have that attitude they don't dare to take the risk, or make a commitment.

I also think the dimension of faith is important because we are beyond our own human capacity in controlling how a relationship is going to develop, so we have to trust that there is expertise to get from professionals in this level, and graces in the sacraments, from above, to work together to establishing good marriages. 

If that is God's plan for mankind He will keep his part of the deal if we keep ours. So I can put it this way. Before marriage it is about trying to pick the right one, after marriage we don't think about that anymore, it becomes about becoming the right one.

What is integrative counselling?
Since I started as a counsellor I very quickly realized that counselling alone, psychology alone, cannot solve psychological problems in a satisfactory way. And that was because I began to discover that the roots of psychological problems are spiritual, they go beyond the realm of psychology. But psychology could help us realise that psychology alone could not solve psychological problems [laughs], and that is what psychology did for me.

Then I began my own journey, I went more and more in a spiritual direction, then I actually discovered the richness of the Christian faith and eventually ended up in the catholic church, which I think presents the Christian faith in its most elaborate and most articulate and most profound way, which lends itself to be used in counselling, because it gives us a concept and an understanding of human suffering. And what I found in all my clients is that no matter what they come with, what their problem is, what diagnosis you can apply to them, is that they are hurting. 

They are in tremendous pain, and they feel alone with this pain, its not the pain as such which is the issue, it is the experience of being alone with it. So whenever somebody can enter into their suffering universe then they can convey the fact that they are not alone with this, there is a transformation going on, from insanity to normal human suffering. 

And that is where the Christian faith, which I see a need of integrating into our understanding of Human suffering, offers a solution: That God in the passion of Christ offers to be close to the suffering soul. 

Now you can still work with this even if the client you are working with has no faith whatsoever, at all, because as a counsellor you are supposed to step into these dimensions of suffering, you have to have a frame of reference for yourself, or you will quickly do something therapeutic that will distract it, or suggest medication to take the suffering away.

I don't see Human suffering as illness. What we see in many people, which is treated as illness, I see it as a suffering they are hiding behind some symptoms. Because they can't handle the pain. So you can develop some OCD, or depression, anxiety disorder, you name it, if you are in a state of suffering which is too much for the soul to handle on its own, which makes sense, people are not really sick, they are suffering a pain which is too much of a burden. But if you can step into it and show that you can understand what they are going through, they suddenly come out of this transe and say yes, I can see that, I am maybe not sick in that sense, but I burdened so much, I can't function and dignity is restored from a person who would otherwise be committed to the ward.

You were not raised a Catholic, but have since become one. Could you tell us briefly about that journey?
It began when I was 16 years old, when everybody begins to know what they want to be, and have dreams of being pilots or engineers, or whatever. Do you know what I wanted to be? Happy.

That was really what meant something to me. I wanted to be happy. Not that I was terribly unhappy, but I wasn't super happy, I knew that there was more to life than I was feeling there. I began my search. My parents were fundamentalist Christians, they said I should just believe in Jesus, and I'd be happy. But I needed something for my intellect too.

So I turned away from that and went on to do my own search and I thought that if I had enough wisdom of the human person I would be happy, so I decided to study psychology. It took me seven years, the time to get my diploma, to realise that I wasn't happy at all, I was actually more confused than when I had started, so I decided to go into personal counselling therapy and I started to explore all kinds of alternative therapies, new religious movements and whatever promised happiness. You name it, I tried it. But every time I discovered, if I got deep enough, it didn't deliver what it was promising.

At one point I thought I had found it, but then realised that no, that didn't work, O began to wonder if it was me that something was wrong with, and again I started thinking maybe my dad was right. Maybe there was something about this Christian approach to life. Maybe you just can't, by your own methods, through meditation, this and that, climb the ladder to happiness which I was trying to do. Maybe it depended on grace.

I liked that idea because that meant that then it wasn't me who wasn't good enough to figure out how to engineer happiness. So I began to look into it and went back to the Christian roots. Then on that journey I came across the blessed mother Mary, who intervened in my life in a very special way, through some of the apparitions in Medjugorje, that really spoke to me, and I thought wow, if this really is true, then I can't ignore this. Because I had always felt a little bad about leaving the Christian religion, I thought, what if they are right?

But I needed tangible proof that God was alive and active in the world today. And that was given to me in a very tangible way. So I surrendered to her and started listening to her, I started praying the rosary, my wife was on the same track as me, and that became an opening. We wanted to go back to the Christian church, but it had to be somewhere where there was room for our love for the Blessed Mother. 

We tried everything but the Catholic Church, because I was raised very anti-Catholic. But nowhere was she welcome. So we thought we'd try, and we were welcomed and felt immediately at home. Then when I started looking into Catholic Theology I saw the richness of wisdom there was there that spoke and explained so much to me about many of the things I had seen already at counselling.

So when I proclaim what I believe and people counter that I only think that because of my faith, I say no, I became a Catholic because it confirmed what I already had seen in my work. So I am very happy with it and it makes sense to me, I can explain and give reasons for why I have the faith I have. It satisfies my intellect and my heart, and so I'm sold.

With the decrease of Catholic priests and the rise of psychologists and psychiatrists, has psychology become a "new religion"?
I definitely think there is that trend. That psychology has taken on the character of being a substitute religion, with psychologists as a new priesthood. They certainly have some wisdom about how to live daily life, and the problems you have there, so there is something to offer, that is kind of seductive in its promise that if you get enough therapy, and so on, you may find ultimate happiness. But that has not shown up though, even though the discipline of psychology has grown tremendously through lots of research, reports and studies, depression and mental illness are growing like crazy! So something is missing, which is the spiritual dimension, I think.

The true resource of healing is found in the Church, in Jesus Christ. However, to convey that to people, the Church may not always have known how to get that point across. Because the modern mind is so psychologized, that it thinks in terms of psychological concepts. So that is where I see that psychology and the faith can team up as a joint venture, where we see psychology not as a substitute religion, but in service to the Holy Spirit, which will help open the person's mind and the blockages in the person's mind to believe simplistic solutions. The spiritual solution of admitting that you need to be loved and that love is available, is so simple that it is hard for the modern complicated mind to understand that. So we have to deprogramme the mind to open up so that you can get in touch with your heart and the longings of the heart, which is a longing for love.
  
The psychologist class is rarely seen as welcoming to practising Christians. Is this your experience?
We have a small group of Christian psychologists in Denmark, who are on the same track and we of course stick together, but the others I have not had any problems with. There are some with some tendency to faith who come and ask me for supervision, but the more critical ones don't say anything, not yet at least.

People listen, they like the way I talk about it because I am not preaching. I like that I can explain with rational arguments why it makes sense to have faith. I see the Christian faith as a theory about what it means to be a human person, and every good scientist has a right to have a theory about the thing he is working with, and every scientist will believe his theory is the truth until proved otherwise. I think my theory on Christian Faith is being affirmed again and again, so I will stick to it until you show me something better.

As a Catholic and as somebody so connected to the issues of family, you must have followed the synod very closely… your thoughts?
I am not really up to date on that. I think it was good that the teachings of the Church were affirmed, which was a disappointment to many people, I think.

Homosexuality became the focal point of the synod discussions. Do you do any work with homosexuals?
I have worked with some. Especially of course homosexuals who would like to get back to a heterosexual lifestyle, they would come to me. The others I have not seen, really. I have been open to invite them in and I think I would approach them by asking them what it is they are looking for. In any relationship we will find the pain of wanting to be loved by the other person, and not being able to love much again, so by going into that without really addressing the sexual issue could sometimes clarify things and get into some areas that you wouldn't get into. So I wouldn't discuss their sexuality with them, I would meet them on the emotional level of their relationship. I wouldn't be able to endorse the sexuality either, that's not my domain. But they are hurting and I think they are hurting partly because they can't find the peace they are looking forin the way they go about it.

You mentioned reparative therapy can work with homosexuals?
I definitely believe that, yes. 

We know this is a very touchy subject, it has even been banned in some places. Would you say that all cases of homosexuality can be reversed?
I would not be able to say if there are exceptions, but I definitely tend to believe that it is deeply emotional blockages, I think there is a great fear of intimacy, which we also find in heterosexual couples. 

Even people who are not homosexual have difficulties with being sexually united to the other gender. Many marriages have problems in the sexual area, so sexual issues in general have to do with fear of intimacy. And if you think about intimacy between a make and a female, it is a tremendous challenge. Not only is it another person you have to be close to, but it is also a totally different universe. So if you are scared of that intimacy, that explosive intimacy that sexuality could represent, you might feel more comfortable trying to have something sexual going with somebody of your own gender, because it is not so strange and foreign. These are the ideas I am reflecting on to understand the fear of intimacy. It is a very big issue.

How should a family react if their son or daughter announces that they are homosexual?
I have seen those families, definitely, and I think they should be very careful about reacting with anger, and being judgemental, which is often the case, because it is shocking. Behind the anger we always find deep, deep sorrow, and woundedness. 

So I do encourage people to be honest about their pain and that they do not endorse it from that point of view, but that they can't control their child. They can try to advise, but not control or threaten. So I think it is one of the biggest challenges for many families, to convey the pain it causes, without it being judgemental and a criticism. 

It is very difficult. I think it would take family therapy in many cases to get to that point. Because the anger response will just push the child further and further away. Often there could be a lack of feeling loved by the parents at a deeper, intimate level. 

Here in the South of Europe we hear constantly about how advanced Northern Europe is. You are from Denmark, is it as wonderful as we are told?
We are supposed to be the happiest people in the world. Many studies have shown that. I think there is some confusion about the word happy. I don't think danes would call themselves happy.

We are pretty satisfied with public services, we are very spoilt in all kinds of ways. I think we are pretty satisfied in that level, but we still have one of the highest suicide rates, and take a lot of anti-depressants, so I think there is something which suggests we are not that happy when it comes to the joyful, in terms, of being joyful and appreciative, with goals for real happiness.

Do you see this as related to the secularization of the societies?
Absolutely. 

The government takes over and takes care of the people and their suffering, their illnesses, their welfare, so there isn’t really a need for God on that level, and so people drift away.

What they lack in the whole process is appreciation, gratitude, which has gone out, so with that secularization comes a lot of depression. The realization that "now we have welfare, we are pretty well off in many ways in the material sense, and we are still not as happy as we thought we would be, so people demand more and more benefits, and speak more in terms of their rights, instead of being appreciative of what they have.

But appreciation is a spiritual value, so when the spiritual goes out, appreciation seems to also yield for demanding, and demanding attitudes are related to anger. I find that in a lot of depression too, supressed anger.

Curiously, Denmark has the highest rate of young men going to fight in Syria of any other European country, and there is a discussion going on at the moment about how to integrate the ones who return. What is your view on this?
I think the reason it happens is because they miss something to fight for. When you get everything given, that you haven't had to fight for it, to work hard for it. You can go on unemployment for nothing in Denmark, and get social services to take care of your living expenses without having to do anything. Then you have nothing to fight for, and that makes life pretty dull and passionless, with a growing anger. So the desire to fight for something, with a rising anger inside, would be something that could explain why some people have this growing attraction to going out and kill somebody. I would think that is very possible.

Some could be past the point of no return, I am afraid. There is a lot of talking about it now, how to welcome them back home, and there are experts working on it. I think it is very important. Some would be perhaps reachable.

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Especialist em terapia familiar em Portugal

Médica a tratar doente com ébola
O Papa Francisco falou esta quarta-feira da luta contra o ébola e mostrou-se próximo de todas as pessoas que lutam contra esta doença.

Entretanto continuamos atentos ao que se passa na Síria e no Iraque, onde o Estado Islâmico continua a lançar o terror. O último ataque fez 30 mortos, mas há dados positivos, com reforços a chegar finalmente a Kobani para socorrer os curdos.

A notícia de o Papa ter “aceite” a teoria do Big Bang, esta semana, causou alguma surpresa nos media e entre comentadores, apesar de a teoria ter sido desenvolvida por um padre católico e a Igreja estar em paz com essa e outras teorias científicas, como da evolução, há décadas. Ainda assim, há quem insista em dizer que a teoria da evolução e a religião são incompatíveis… David G. Bonagura mostra porque não é assim, neste excelente artigo que vale bem a pena ler.

Aproveito para lançar um desafio a todos. Está cá em Portugal o Dr. Peter Damgaard Hansen, psicólogo, terapeuta da família, especialista na Teologia do Corpo. Vem dar uma série de conferências sobre “Os quês e os porquês das relações humanas”, que recomendo vivamente.

Hoje conversei com ele, uma entrevista que estará disponível esta semana, mas estou a falar do assunto agora para marcarem nas vossas agendas as conferências e tentarem ir, se possível.

Assim, quinta-feira de manhã, no Seminário dos Olivais, ele fala exclusivamente a padres, das 10h às 15h30, com enfoque no trabalho com casais. Uma vez que tantos padres têm responsabilidades nestas áreas, não deixem de ir, se puderem.

Amanhã à noite fala das 17h às 20h a agentes da Pastoral da Família, no Instituto Diocesano de Formação Cristã, Rua Camilo Castelo Branco, nº 4, Lisboa.

No sábado haverá outro workshop destinado a profissionais da área, das 10 – 18h, no Auditório Orlando Ribeiro, em Telheiras e, por fim, uma sessão aberta a todos, das 21h30 – 23h, na segunda-feira dia 3 de Novembro, no auditório de São João de Deus.

Há mais informações na página da APSIC. Divulguem e apareçam. Não nos podemos apenas lamentar da crise das famílias e do casamento sem fazer nada para a contrariar.

A Evolução e a Fé são Irreconciliáveis?

Por David G. Bonagura Jr.
“A verdade não pode contradizer a verdade”. Assim ensinou o Papa Leão XIII e é por essa perspectiva que a Igreja Católica aborda a ciência e a revelação de Deus. Não existe uma única verdade científica que contradiga a palavra de Deus. Se as coisas do mundo natural foram criadas por um Deus omnipotente e reflectem a sua presença, então devem estar de acordo com aquilo que Deus revelou de si mesmo e do Universo, através da sagrada tradição e das sagradas Escrituras.

Às vezes as novas descobertas científicas parecem desafiar a nossa compreensão religiosa do mundo, como quando aprendemos que é o Sol e não a Terra que se encontra no centro do sistema solar. Mas este facto não só não afecta a centralidade do ser humano na criação de Deus (o dogma que supostamente era posto em causa na altura), como acrescenta uma nova perspectiva sobre outra verdade da revelação: que Cristo, representado na iconografia primitiva como o sol, é o verdadeiro centro e fonte de vida da criação e das nossas vidas.

Não há, por isso, qualquer razão para afirmar – como fez um biólogo recentemente no New York Times – que a ciência e a religião são irreconciliáveis. Nem nos devemos contentar em dizer que a ciência e a religião se resumem a “magistérios não coincidentes” que dizem respeito, respectivamente, a factos e a valores. Pelo contrário, os “factos” da ciência são a fundação racional sobre a qual assentam a revelação sobrenatural e os seus “valores”. Claro que a ciência e a fé têm objectos diferentes, que têm em consideração as suas diferenças inerentes mas, com o São João Paulo II, sabemos que não existe “razão para qualquer concorrência entre razão e fé: cada um contém o outro e cada um tem o seu campo de acção”.

Mais do que qualquer outra teoria científica contemporânea, a evolução constitui um feroz ataque à compreensão judaico-cristã da origem da humanidade. Desde os autocolantes nos carros que mostram um peixe, símbolo do Cristianismo, com pernas (às vezes com a legenda “Darwin”) ao recente artigo no Times que tenta explicar porque é que a fé e a teoria da evolução são incompatíveis, certo defensores da evolução têm afirmado publicamente que a sua versão da génese da humanidade é correcta e que o Genesis não passa de uma história parva.  

É fundamental para a Igreja enfrentar os desafios da teoria da evolução e das origens da humanidade, uma vez que ela ensina de forma infalível que os seres humanos são feitos à imagem e semelhança de Deus, que dotou cada um de uma alma imortal. (A Igreja nunca ensinou como é que isto se passou, uma vez que isso nunca nos foi revelado). Algumas teorias da evolução (existem muitas variações) contradizem esta verdade, afirmando que a existência da humanidade é um acidente material resultante de mutações genéticas e não de intervenção divina. Tais teorias devem ser consideradas incompletas, uma vez que excluem Deus do processo de criação.

Num famoso discurso, São João Paulo descreveu a teoria da evolução como “mais do que uma hipótese”, embora tenha usado o mesmo discurso para apontar os problemas com certas abordagens filosóficas da teoria. Mas deixemos de lado os méritos da teoria da evolução em si. O biólogo do Times dá aos seus leitores três razões pelas quais a teoria da evolução exige que se abandone a fé judaico-cristã na criação. Estas razões, que dizem mais respeito a conclusões humanas do que à ciência, podem ser desmontadas dentro do âmbito científico.

Pe. George Lemaitre, autor da
teoria do Big Bang
Em primeiro lugar, o autor argumenta que “um processo inteiramente natural e espontâneo, nomeadamente a variação aleatória e a selecção natural” explica a complexidade de organismos que aparentemente requerem um autor inteligente e sobrenatural. Mesmo que tomemos como boa essa afirmação, este “fenómeno inteiramente mecânico e estatisticamente poderoso”, apenas exclui a criação Deus ex machina defendida por certas leituras fundamentalistas e equivocadas da Bíblia. Este método não exclui a criação física por Deus através da causalidade secundária, o modus operandi normal de Deus no mundo. Quanto à suposta aleatoriedade, São João Paulo ensina-nos que aos olhos de Deus não há coincidências.

Em segundo lugar, o autor aponta para as ligações filogenéticas entre diferentes espécies. Mas este facto também não faz nada para excluir Deus do processo da criação. Na melhor das hipóteses a diferença extraordinária que existe entre os seres humanos e outros primatas com uma estrutura de ADN semelhante (alguma vez se viu um chimpanzé a debater as suas origens?) aponta para a existência de uma alma humana infundida nos humanos por Deus. Esta é a grande diferença entre homens e bestas. O autor tem razão num ponto, porém: “Nenhum traço literalmente sobrenatural foi alguma vez encontrado no Homo sapiens”. A biologia evolutiva, por si, não é capaz de medir a alma imaterial, que é produto de Deus e não da criação material.

Por fim, o problema do mal é colocado de uma perspectiva evolutiva: a predação, a doença e a morte mostram que os humanos “são produzidos por um processo natural e totalmente amoral, sem qualquer indicação da existência de um criador controlador e benevolente”. Mas o esforço levado a cabo pelos homens – em todos os tempos e em todas as culturas e religiões – para encontrar sentido no sofrimento e atribuir códigos morais à procriação, mostram que há muito a dizer sobre estes animais racionais do que meramente a sua natureza animal. Os biólogos têm tentado encontrar um “gene moral”, mas o sentido e a moralidade transcendem os limites daquilo que qualquer outro animal pode fazer. É estranho que uma espécie supostamente gerada pelo acaso, sem qualquer sentido, tenha esta vontade inata tão intensa de encontrar sentido em todas as coisas.

Pedimos desculpa ao nosso professor de biologia, mas os seus alunos e leitores não precisam de abandonar a sua fé judaico-cristã à luz da teoria da evolução. Pelo menos em termos das três críticas que ele propõe, não há nada na dimensão científica da evolução que exclua o papel de Deus na criação dos humanos e na infusão das suas almas. Pelo contrário, talvez o professor é que precisa de reavaliar a sua fé na evolução, interpretada a uma luz intencionalmente ateia. 


David G. Bonagura, Jr. é professor assistente de Teologia no Seminário da Imaculada Conceição, em Huntington, Nova Iorque.

(Publicado pela primeira vez na Quinta-feira, 23 de Outubro de 2014 no The Catholic Thing)

© 2014 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte:info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Terra, Tecto e Trabalho!

Lutando pelos direitos das mulheres em todo o mundo...
Lembram-se de Narin Afrin? É a mulher que comanda as tropas que defendem Kobani do Estado Islâmico. Pois bem, ela escreveu um artigo de opinião para o New York Times no qual critica a Turquia e afirma que neste momento os curdos combatem pelos direitos das mulheres em todo o mundo.

Porque é que critica a Turquia? Bom, sei lá, talvez por coisas como esta.

O Papa falou hoje a membros do Encontro Mundial dos Movimentos Populares e disse que os direitos à Terra, ao Trabalho e à Habitação são sagrados e que as bem-aventuranças são um “guia revolucionário”. A meio do discurso gracejou que quando fala destas coisas vem sempre alguém dizer que é comunista.

Asia Bibi, a paquistanesa condenada à morte por blasfémia no Paquistão, escreveu uma carta ao Papa, a pedir-lhe as suas orações mas mostrando-se confiante no “plano de Deus” para ela.

Cuba vai ter uma nova Igreja, a primeira em mais de 55 anos.

Os bravos combatentes do Boko Haram voltaram a fazer aquilo que fazem melhor, raptar meninas adolescentes.

E a minha colega Rosário Silva foi à procura dos tesouros da diocese de Évora, que partilha connosco aqui.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

O "grande Papa" e o "Big Bang"

O Papa recebeu este fim-de-semana representantes do movimento de Schoenstatt, a quem disse que a família e o casamento nunca têm sido atacados como agora.

O Patriarca D. Manuel Clemente também está preocupado com a família e também falou do assunto, durante o lançamento da caminhada sinodal do Patriarcado de Lisboa.

Esta segunda-feira o Papa Francisco voltou a falar. De manhã descerrou um busto de Bento XVI, a quem chamou “um grande Papa” e depois recebeu a Academia Pontifícia das Ciências, a quem disse que o “Big Bang” não era obra do acaso.

Os europeus ocidentais podem ter-se esquecido deles, mas ainda há quem esteja disposto a morrer pelos valores europeus. É isso que diz o Patriarca da Igreja Greco-Católica da Ucrânia, que também revela coisas interessantes sobre o sínodo da Família, no qual participou.

Passa a Palavra! A tua primeira Bíblia” é a nova obra de Maria Teresa Maia Gonzalez, para ter debaixo de olho, sobretudo para quem tem filhos.

Se participou na Caminhada Pela Vida, ou se não participou e gostaria de ter participado, não deixe de responder a este inquérito para ver se para o ano tudo corre ainda melhor. Não se esqueçam que a data já está marcada! 3 de Outubro.

E para quem tem filhos e se interessa por estes assuntos, não percam uma interessante conferência, que terá lugar na sexta-feira, sobre: “A Internet e a Família”, que conta com o autor do recente livro: “A exploração sexual das crianças no ciberespaço”. Ver convite na imagem.

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Motards v. Estado Islâmico

A outra faceta dos motards
Se pensa que já viu tudo na guerra contra o Estado Islâmico, apresento-lhe os motards do No Surrender e do Median Empire que foram lutar ao lado dos curdos. Pronto, agora já viu tudo… por enquanto.

Enquanto as coisas vão de mal a pior para os cristãos no Iraque e na Síria, no Egipto vão de mal a menos mal, o que já é qualquer coisa.

O Papa emérito Bento XVI “falou” novamente em público. Ou melhor, escreveu um discurso que foi lido por outro, mas que vale a pena conhecer.

Entretanto a Sé de Leiria foi classificada como monumento nacional. Neste momento só falta Beja, por razões burocráticas que, tanto quanto sei, estão em processo de resolução.

Decorre no Minho, por estes dias, o congresso da Associação de Imprensa de Inspiração Cristã. A crise não deixou de afectar estes órgãos de comunicação social, mas há novas possibilidades de financiamento.

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Reflexões sobre o regresso dos radicais

Orgulhosamente canadiano!
O Ministro dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, diz que alguns dos portugueses que estão nas fileiras do Estado Islâmico querem voltar a Portugal.

Se isso acontecer é possível que incorram em acusações legais, mas certamente terão de ser alvos de vigilância e acompanhamento psicológico, alerta Cristina Sá Carvalho.

O imã David Munir, por sua vez, diz que a comunidade não lhes virará as costas e dará apoio espiritual se for solicitado, tentando explicar que o que fizeram não é islâmico, mas confessa que não existe formação na comunidade para lidar com situações de radicalização.


Entretanto está neste momento em curso uma gigantesca operação policial para capturar atiradores na capital do Canadá que esta tarde mataram um soldado. Não há certezas quanto à motivação, mas anteontem dois soldados foram atropelados por um muçulmano radicalizado, por isso tudo indica que se trata de mais um acto de terrorismo.

Mudando de assunto, o Patriarca de Lisboa falou ontem sobre o sínodo, elogiando o ineditismo daquele encontro dos bispos.

E numa altura em que o mundo parece estar de pernas para o ar (atentados terroristas no Canadá?!?!?!), temos Anthony Esolen, do The Catholic Thing, para nos dar alguns traços de sanidade. O que é a sanidade?  Adaequatio mentis ad rem: A adequação do intelecto à realidade.

Sanidade em Tempos de Loucura

Anthony Esolen
No curto mas assinalável tratado, The Christian Idea of Man, Joseph Pieper explica porque é que a prudência é a maior das virtudes, aquela que está na origem de todas as outras. O seu raciocínio é claro: “O bem pressupõe a verdade, a verdade pressupõe o ser”. Logo, “a realização do bem pressupõe o conhecimento da realidade”, pois, “quem não sabe como as coisas verdadeiramente são, não pode fazer o bem; pois o bem está em concordância com a realidade”.

Pieper esclarece que não está a falar das ciências empíricas, mas do “contacto verdadeiro com a realidade objectiva”, especialmente a mediada pela audição. Pois o homem prudente anseia por conhecer a partir do “conhecimento genuíno da realidade de que beneficia a mente superior”, incluindo a mente de Deus, como revelada nas Escrituras.

Por isso o homem prudente “olha primeiro para a realidade; e em virtude de, e com base nesse conhecimento da realidade, decide o que deve ser feito e o que não deve ser feito, como deve ser feito e como não deve ser feito”. Logo, “toda a virtude depende da prudência”, e cada pecado é uma violação da prudência.

A prudência é a sanidade em acção, e a sanidade, como nos ensinam na escola, é a adaequatio mentis ad rem: A adequação do intelecto à realidade.

Conheço uma mulher que tem pavor de pássaros, por mais pequenos e inofensivos. Ela sabe que o pardal não a vai magoar, e por isso compreende que o seu medo é injustificado e procura adequar as suas acções à realidade. Seria melhor se conseguisse deliciar-se com a beleza destas simpáticas criaturas, mas pelo menos colocou-se no caminho da sanidade.

Conheço outra pessoa que finge não temer o Senhor, embora passe a vida a murmurar e a esquivar-se na sua pose de ateísmo. Seria melhor se temesse, porque devemos temer o Senhor; e as murmurações e o esquivar são recordações teimosas do que lhe resta da sanidade.

O oposto desta adequação é o abraço voluntário da irrealidade. Podemos chamá-lo coercio rei ad phanstasiam: coacção da realidade para concordar com as suas fantasias. Estes dias as fantasias tendem a ter a ver com sexo.

Devia ser mais fácil enlouquecer devido a abstracções do que realidades que são imediatamente perceptíveis. Devia ser mais fácil ficar confuso acerca do patriotismo, do que o facto de se ser rapaz ou rapariga. Devia ser mais fácil desviar-se do caminho certo quando se está a tentar perceber o que é o dinheiro, do que quando se tenta perceber o que é um bebé.

A profundidade da nossa loucura pode ser avaliada de acordo com isto. É uma loucura o Walter Mitty pensar que é um líder de nações; mas para confirmar que não é precisa de consultar a sua mente, o seu coração e o seu percurso de vida. É loucura em cima de loucura acreditar que é Napoleão, para isso apenas tem de consultar a certidão de nascimento.

Imaginemos então que estamos perante um rapaz. Chamemos-lhe Jim. Jim é um rapaz. Não há dúvidas sobre isso. Não é por alguns nascerem hermafroditas que podemos duvidar da masculinidade do Jim.

Salvo acidente ou doença, em breve o Jim será mais forte, mais rápido e mais ágil que a sua mãe. Pouco depois disso será também mais alto do que ela. As suas mãos e os seus pés serão maiores que os dela. A sua voz mais profunda. O seu sistema adrenérgico será mais rápido. Os seus músculos e ossos mais grossos. Tudo isto são factos. Vemo-los todos os dias.
 
Não stresses Jim, a coisa melhora!
Carregará no seu seio as sementes de crianças. Isto é um facto. Tornar-se-á um pai in potentia. Se os seus pais e professores forem sãos, educá-lo-ão, dia após dia, de forma a adequar a sua mente à realidade do seu corpo. Muito antes de ter a forma de um homem será encorajado a adoptar os hábitos de um homem.

Para perceber como isto funciona, coloquemos o Jim numa quinta. Qualquer dia ele terá de fazer o grosso do gradar e do lavrar, semear e colher. Terá de lidar com maquinaria pesada e animais domésticos de grande porte. Por isso preparamo-lo já para essas realidades. Conduzimo-lo, em mente e em hábito, ao lugar para onde caminha o seu corpo.

O mesmo se aplica à sua paternidade. Jim é um rapaz. Os rapazes casam-se com raparigas e tornam-se pais. Estas são realidades. Por isso treinamo-lo já para a paternidade. Por vezes fala-se do assunto, mas na maioria das vezes mostramos essa realidade em acção. Não se trata tanto de determinação severa, tem a ver com amar o rapaz e conduzi-lo à maturidade. Torna-se a maturidade uma coisa natural.

Uma vez que o Jim carrega com ele as sementes de crianças humanas, e não de cães ou gatos, todos os dias abrimos-lhe os olhos para a realidade do casamento. Um cão tem vida, mas não tem história. Um gato enrola-se ao sol e aí se encontra a sua única aproximação à eternidade. Mas o ser humano coloca o seu olhar nos próprios limites do universo, e mais além.

Uma criatura destas requer pais que a amem, que voltem os seus olhares para os limites da vida e mais além. Este é um facto.

Quando chegar a altura de Jim conhecer estas coisas, os seus pais ensinar-lhe-ão a realidade: que tem dentro dele o potencial da paternidade e que foi criado para um amor que só dá, nunca se retrai. Isto não é fantasia. A vida será dura, as pessoas são pecadoras, mas a palavra de um homem é a sua obrigação.

A alternativa é a loucura, aquilo que Pieper define como ideologia: “Uma percepção não objectiva da realidade, ditada pela vontade”. Trata-se de obrigar o mundo a obedecer aos ditames da vontade. É povoar o mundo de Napoleões.


Anthony Esolen é tradutor, autor e professor no Providence College. Os seus mais recentes livros são:  Reflections on the Christian Life: How Our Story Is God’s Story e Ten Ways to Destroy the Imagination of Your Child.

(Publicado pela primeira vez na Quarta-feira, 22 de Outubro de 2014 em The Catholic Thing)

© 2014 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

terça-feira, 21 de outubro de 2014

De corruptos e mau hálito

Ah! Corrupto...
O Vaticano publicou hoje o programa oficial da visita do Papa Francisco à Turquia. Francisco viaja no fim do mês de Novembro. O ponto alto é o encontro com o Patriarca Bartolomeu e não está prevista uma ida aos campos de refugiados na fronteira com o Iraque. Prevista é a palavra-chave.

Ser corrupto é como ter mau hálito. Quem o diz é o Papa, na altura em que era Arcebispo de Buenos Aires. A frase faz parte de um ensaio, publicado agora em forma de livro pela Gradiva.

O terrorismo islâmico chegou ao Canadá. Um soldado morreu depois de ter sido atropelado por um fundamentalista.

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Acabou o sínodo, Viva Kobani!

Paulo VI, novo beato
O sínodo acabou… por enquanto! Para o ano há mais, e vai ser muito interessante ver o que se passa nos entretantos.

Os pontos mais polémicos foram amenizados no relatório final, e mesmo assim não conseguiram maioria qualificada. Mas o grande destaque terá ido para o discurso fantástico do Papa no encerramento dos trabalhos, apontando o dedo aos piores defeitos, tanto de conservadores como de liberais.

Pela minha parte, depois de uma semana a acompanhar praticamente tudo o que se dizia ou escrevia sobre o sínodo, passei o dia crucial num casamento. E foi a melhor coisa que podia ter feito, como explico aqui.

O Papa aproveitou a presença em Roma de vários bispos do Médio Oriente para convocar um consistório para se falar da crise dos cristãos naquela região do mundo. Não nos podemos resignar a um Médio Oriente sem cristãos, diz Francisco. Eu aplaudo!

Como aplaudo o facto de os curdos em Kobani estarem finalmente a receber reforços, tanto de homens como de material de guerra, comida e medicamentos. A coisa está melhor na guerra com o Estado Islâmico, mas ainda há muitas dificuldades pela frente.

Entretanto a Igreja tem mais um beato. Paulo VI. Adriano Moreira fala da relação entre o Papa e Salazar e o cardeal Ré recorda ter trabalhado com o Papa Montini.

O Sínodo, Eu, a Nena e o Peu

Eu sou do tempo em que os sínodos eram chatos...

Lembro-me de vários sínodos da Igreja ao longo da última década e a única coisa que todos tiveram em comum é que eram aparentemente inúteis e profundamente maçadores.

Claro que para os bispos que neles participavam havia de haver alguma utilidade, nem que fosse pelo facto de estarem juntos e conhecerem-se melhor, aprofundando este ou aquele tema, mas quem é que se lembra, sinceramente, de algo de novo ou de marcante que tenha saído do sínodo sobre a Eucaristia?

Mas depois veio o Papa Francisco e o sínodo para a família e algo me diz que nada vai ser igual.

De positivo, por isso, temos esta animação toda, para começar. Temos verdadeiras trocas de ideias, temos bispos “à pancada”, como acontecia antigamente nos concílios ecuménicos decisivos. Temos um modelo em que, a confiar no que o Papa tem dito, aquilo que sai do sínodo vai mesmo ser tido em linha de conta para qualquer decisão final.

Em relação à temática tivemos vários meses com a Igreja a aprofundar temas que nos tocam a todos, porque a família é verdadeiramente a célula base da sociedade e quando está mal é esta que sofre.

Mas nem tudo foi bom. É natural haver diferenças de opinião e até discussões, mas é um bocado triste ver que mesmo entre os sucessores dos apóstolos há politiquices e manhas. Eu até acredito que seja inevitável, que seja sempre assim, até certo ponto, mas quando fica exposto custa mais. A leitura do relatório intercalar, com o cardeal Peter Erdo a ter de assumir a autoria de um texto com o qual claramente estava em profundo desacordo; o facto de se ter produzido um documento que, a julgar não só pelas palavras de vários bispos mas também pela votação final, não traduzia minimamente a opinião dos padres conciliares... tudo isso custa a ver.

Porque não se podem esquecer, os nossos bispos, que muita gente ficou com esperanças de que este sínodo se traduzisse numa alteração das regras em relação a questões que são para elas feridas em aberto. Não estou agora a ajuizar se essas mudanças seriam benéficas ou não, apenas que havia muita gente a quem foi dada esperança que afinal era infundada. Isso conduz a desilusão e a revolta.

Mas talvez uma das coisas mais lamentáveis a que assistimos foi o extremar total de posições, entre liberais e conservadores. Se me parece, sinceramente, que muitas das “manobras” a que me referi acima foram levadas a cabo pelos liberais, também não foi bonito ver a reacção dos defensores do status quo. Um caso extremo foi em relação ao Cardeal Kasper, figura de proa da “mudança”, que fez umas declarações muito parvas sobre os africanos, mas que não eram muito mais do que isso, parvas, e acabou por ser acusado de tudo, incluindo “racismo e xenofobia”. O triunfalismo nesses dias dos que durante tanto tempo tinham vivido com o medo de que a sua linha vencesse no sínodo era palpável, e desagradável.

O discurso final do Papa foi, neste sentido, absolutamente brilhante e é talvez o texto com que mais me identifico em todo este processo.

A proposta do Kasper, de haver casos em que as pessoas em uniões irregulares pudessem comungar, nunca me convenceu inteiramente. Não que eu seja frontalmente contra a ideia, (como foi evidente quando escrevi este texto, que deu uma longa discussão e desembocou neste), mas porque o seu raciocínio nunca me pareceu suficientemente sólido. Havia coisas vagas que simplesmente deixava no ar e não conseguia tranquilizar quem dizia que na prática o sistema iria fragilizar a ideia da indissolubilidade do casamento.

Pior foi a campanha em que depois se lançou, dando entrevistas atrás de entrevistas, mas reagindo como que ofendido quando o “outro lado” ripostava; alegando que falava em nome do Papa (mesmo que ele saiba que o Papa concorda com ele, o Papa tem boca para falar e não precisa da sua ajuda)... foi-me desencantando cada vez mais e penso que ele acaba por ser o maior derrotado de toda esta situação, o que é pena, porque a história de um sínodo não devia ter de ser contada através de vencedores e derrotados.

Foram duas semanas muito intensas, para quem viveu este sínodo de perto. No meu caso a acompanhar conferências de imprensa na net, a seguir ao máximo o que se escrevia nas redes sociais, nos órgãos de comunicação especializados, etc. E a verdade é que ao fim destes dias todos, em que todos falavam só de rupturas, uniões irregulares, casos dramáticos e complexos, comecei, talvez tenhamos começado todos, a perder a perspectiva daquilo que estava verdadeiramente em causa.

Por isso é que tenho a agradecer à minha cunhada e ao meu cunhado terem marcado o casamento para o dia 18 de Outubro. Certamente não faziam ideia quando agendaram, mas o facto de eu ter passado o sábado a festejar o seu casamento e não a acompanhar a recta final do sínodo fez-me mais bem do que se possa imaginar.

Sentado naquela igreja, a ver uma assembleia repleta de pessoas com perfeita noção do que se estava a passar; a responder em uníssono na celebração; com música sacra variada mas sempre belíssima (apesar de me terem colocado no coro); com cinco sacerdotes à volta do altar, sinal de que estávamos a assistir ao final de uma caminhada que foi feita sempre em Igreja; com uma festa a seguir que foi divertidíssima, sem excessos, com uma diversão sempre saudável e um entrosamento perfeito entre gerações.

Olhar para aqueles dois noivos, um homem e uma mulher, como Deus quis, a jurar fidelidade e amor para toda a vida, como Deus quis, unidos não só por um amor multifacetado mas também por uma profunda fé; Sabendo que estávamos diante de duas pessoas que têm a mais perfeita noção daquilo que estão a fazer; Sabendo que embora nada esteja garantido nesta vida, ninguém hesitaria em dizer que acreditamos que sim, este casamento é até que a morte os separe; Sabendo que há desejo de ter filhos, amor à vida e generosidade para a acolher.

Enquanto dançava na pista com a minha filha de seis anos, encantada com tudo aquilo, eu pensava nas duas semanas que se passaram e dizia para mim: “Deus queira que os bispos que lá estão possam viver experiências destas. Deus queira que aqueles que estão a falar do casamento não saibam só o que são os casos perdidos, complexos, nulos ou irremediáveis. Deus queira que eles tenham sempre presente que quando se fala de casamento é disto que se fala. Porque se assim for, estamos bem. Mas se não for, então algo está mal.”

Sim, eu lembro-me de quando os sínodos eram maçadores e chatos. E ainda bem que já não são! Mas mais do que isso, obrigado, Nena e Peu, por terem salvo o sínodo para mim e por terem mostrado a todos os vossos convidados o que Deus quer para os seus filhos tão amados.

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Cardeal Marx e Dança do Ventre nos Açores

O sínodo dos bispos está na fase final. Hoje houve folga enquanto se prepara o relatório final. Na sala de imprensa esteve o cardeal Marx, que disse que “obviamente” a Igreja tem liberdade para mudar a as regras sobre comunhão para divorciados e recasados.

Esta sexta-feira a Renascença começa a publicar uma série de reportagens sobre o Papa Paulo VI, que é beatificado no domingo. D. Manuel Clemente fala da importância do Papa do concílio e aqui podem ver filmagens da primeira visita de um Papa a Portugal.

Já esta manhã o Vaticano promoveu uma conferência de imprensa em que falou da cura milagrosa de um feto, que permitiu esta beatificação.

A Renascença terá todo o acompanhamento tanto da beatificação como do final do sínodo, por isso vá consultando o site e ouça a emissão especial de domingo, que começa às 9h00

O presidente da Cáritas Portuguesa está estupefacto com o Orçamento do Estado de 2015. Já o bispo do Porto aponta duas críticas, mas faz também um elogio.


Da Nigéria chega a notícia de que há um cessar-fogo com o Boko Haram que envolve a “devolução” das mais de 200 raparigas raptadas há mais de seis meses.

Más notícias para todos os católicos açorianos adeptos de danças orientais! Acabaram-se as danças do ventre nas igrejas daquele arquipélago. Pois, eu também não sei muito bem como reagir a esta notícia…

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Madre Teresa a governadora!

Em Kobani, rostos de civilização e heroísmo
Os bispos no sínodo da família apresentaram hoje os relatórios dos grupos de trabalho e são bastante menos “liberais” que o relatório intercalar, que tanta polémica causou, de segunda-feira. A Aura Miguel leu os dez relatórios dos grupos e apresenta o essencial aqui.

Esta manhã o Cardeal Schönborn esteve na sala de imprensa da Santa Sé onde disse que as diferenças de opinião no sínodo são normais: “É como uma mãe que diz ‘cuidado, é perigoso’, quando o pai diz para não ter medo”. Uma analogia muito apropriada!

A fundação Ajuda à Igreja que Sofre lançou uma grande campanha humanitária pelos cristãos no Iraque. Não se esqueçam que há centenas de milhares de pessoas em campos de refugiados e aproxima-se o inverno…

Más notícias também do Paquistão, onde Asia Bibi viu a sua condenação à morte por blasfémia confirmada pelo tribunal de recurso. Resta agora o supremo…

A resistência dos curdos em Kobani, após um mês de cerco e ataques pelo Estado Islâmico, assume proporções épicas. Hoje, com a ajuda de um reforço dos ataques aéreos da coligação liderada pelos americanos, conseguiram passar à ofensiva e recuperar pontos estratégicos. Viva Kobani!

E por fim, a solução para todos os problemas políticos! O bispo de Rhode Island pede aos seus fiéis que, nas próximas eleições para governador, votem na… Madre Teresa.

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Lost in Translation

Depois da tempestade, a calma. Hoje a conferência de imprensa do sínodo foi só palmadinhas nas costas e sorrisos. Afinal somos todos amigos, ao que parece! Interessante o arcebispo Fisichella a dizer que há um “boicote” ao ensino dos métodos naturais de planeamento familiar e a considerar que onde há uma fé forte há famílias fortes.

Mas afinal de contas há polémica ou não há? Há. Mas uma boa parte talvez não devesse haver, uma vez que surgiu por causa de um erro de tradução. Incrível? Tudo é possível com a sala de imprensa da Santa Sé.

D. Manuel Clemente, o participante português, faz o seu resumo da primeira semana, aqui.

Os bispos portugueses afirmaram ontem estar em sintonia com o que se passa no sínodo, o que não deixa de ser interessante, tendo em conta que os participantes do sínodo não estão em sintonia uns com os outros…

Mas muito mais importante é o facto de a CEP apoiar e incentivar a iniciativa legislativa de cidadãos “Pelo Direito a Nascer”, que foi apresentado no final da Caminhada pela Vida do passado dia 4 de Outubro.

Hoje é quarta-feira e publicamos um novo artigo do The Catholic Thing. David G. Bonagura pergunta o que temos a ganhar com a fé e conclui que é como estar no meio da Amazónia a tentar chegar a casa – mas com mapa, bússola, mochila e botas.

Que diferença faz ter fé?

David G. Bonagura, Jr
Que diferença é que a fé traz para a vida dos crentes? O que é que os crentes têm que falta aos não crentes?

Há sondagens que indicam que os crentes são mais felizes que os não crentes, e outras que indicam o contrário. Mas a mera experiência diz-nos que nem todos os crentes são felizes (no sentido de bem-estar geral), ou sequer pessoas com quem queiramos passar uma tarde. E há mais do que um caso de não crentes cuja boa-disposição faz deles excelente companhia.

Por isso a fé tem de servir para algo mais do que felicidade individual, embora as duas coisas não se excluam. Se a fé vale mesmo a pena, tem de transcender os limites da pessoa que a possui.

O que é que a fé dá aos crentes? Uma forma de vida e disposição completas. Uma relação pessoal e ilimitada com Deus, seu criador, que lhes fala no interior do coração. A pertença a uma Igreja que os une a todos, vivos ou mortos, como irmãos e irmãs no Espírito Santo. Um compromisso para com a caridade que, quando vivida como deve ser, enaltece a relação com Deus e com os outros. A certeza de que as suas vidas e o universo, criadas com um propósito e um valor intrínsecos, estão nas mãos da providência. Uma verdadeira esperança de que existe uma vida para além deste vale de lágrimas.

Estes dons da fé não são do género que marca pontos nas sondagens seculares, mas continuam a ser atributos indispensáveis daquilo a que Sócrates chama uma vida examinada – imbuída de sentido, direcção e esperança. Mas a vida da fé não é uma mera visão intelectual ou compromisso, como o optimismo ou o humanismo. A fé é uma realidade vivida, não apenas uma ideia que se tem, porque consiste de um encontro dinâmico com um Deus vivo que ama.

Os não crentes não reconhecem esta relação fundamental com Deus que devia, por sua vez dar forma a todas as relações humanas. Sem Deus, estão desprovidos de um sentido para a vida e uma esperança. Em vez disso, são obrigados a criar o seu próprio sentido para a vida, os seus próprios princípios para se relacionarem com outras pessoas, os seus próprios desejos. Com uma estranha ironia, comportam-se como directores executivos de vidas que nunca pediram e para cuja existência nada contribuíram.

Que sentido da vida é que os seres humanos criariam por si? Segundo Henri de Lubac, criam “deuses antropomórficos”, que podem ser os ideais ou os valores de qualquer época. Hoje, pensadores seculares como Steven Pinker defendem o “humanismo científico”, segundo o qual o sentido e a moralidade humanas são determinados pelas conclusões da ciência. Pinker baptiza esta visão do mundo como “a moralidade, de facto, das democracias modernas, organizações internacionais e religiões liberais e as suas promessas por cumprir definem os imperativos morais que enfrentamos actualmente”.
 
Steven Pinker
Mas o que acontece aos não crentes que abraçam (supostamente com bases científicas) as hipóteses filosóficas do darwinismo: que a vida humana não tem qualquer sentido inerente e a vida é apenas o produto do acaso acidental? O que acontece se interpretarem as provas científicas sobre quem deve ser considerado “inteiramente humano” de forma errada, como, por exemplo, os esclavagistas, eugenistas, nazis e abortistas? Afinal de contas foi a ciência que levou Richard Dawkins a dizer, recentemente, que qualquer mulher cujo embrião tivesse trissomia XXI devia: “abortá-lo e tentar de novo. Podendo escolher, seria imoral trazer essa criança ao mundo.”

Por maravilhosa e poderosa que seja a ciência, ela continua a ser um instrumento feito pelo homem para medir a realidade, mas que não a transcende e é a transcendência da nossa condição humana limitada que todos os corações buscam. Mas é também por causa dos nossos limites, diz De Lubac, que o homem “é incapaz de transcender os seus próprios recursos, permanece sempre um prisioneiro da noção muito limitada de individualidade que projectou nos seus deuses”. Logo, o seu “desejo de transcendência… continua sempre a ser ambíguo; um sonho, mas um sonho em que está ameaçado pela ruína e o desespero de acordar”.

Em contraste, os crentes sabem pela sua fé que Deus é simultaneamente a fonte e o objectivo dos desejos dos seus corações. Entre os caprichos da vida – alegria e tristeza, prazer e dor, sucesso e desilusão – mantêm a confiança de que existe uma razão e um propósito para tudo, mesmo que não encontrem respostas para todas as suas questões. Ao aceitar livremente o dom da fé, tornam-se livres para viver as suas vidas, não sem tristeza ou infortúnio, mas sem dúvidas e desespero.

A diferença que a fé traz pode ser vista, então, pela analogia de dois homens deixados sozinhos no meio da Amazónia. O homem de fé tem com ele uma bússola, um mapa, uma mochila, comida, água e botas; o outro insistiu que não precisa senão de si mesmo. Parece evidente qual dos dois está em melhor posição para conseguir regressar a casa.


David G. Bonagura, Jr. é professor assistente de Teologia no Seminário da Imaculada Conceição, em Huntington, Nova Iorque.

(Publicado pela primeira vez na Quarta-feira, 8 de Outubro de 2014 no The Catholic Thing)

© 2014 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

Partilhar